A HISTÓRIA DOS VALDENSES

Por J. A. Wylie (1808-1890)
London: Cassell and Company, 1860

CAPÍTULO 14

FAÇANHAS DE GIANAVELLO - MASSACRE E PILHAGEM EM RORA

Subida de La Combe –  Beleza e grandeza do Vale de Rora – Gianavello – Seu caráter – Marquêsde Pianeza – Seu primeiro assalto – Brava Repulsa – Traição do Marquês – Sem misericórida com Hereges – O Bando de Gianavello – Repulsa do Segundo e Terceiro Ataques –  Morte de um perseguidor – Um exército surge para invadir Rora – Massacre e pilhagem – Carta de Pianeza – Resposta de Gianavello – Gianavello renova a Guerra – 500 contra 15.000 – Sucesso dos valdenses – Horrores do Massacre – Intervenção da Inglaterra – Carta de Cromwell – Tratado de paz

 

O próximo episódio trágico na história dos valdenses nos leva ao Vale de Rora. A invasão e ultrajes de que este vale se tornou a cena foram contemporâneos com os horrores do grande massacre (descritos no capítulo anterior). Os feitos de heroísmo que estamos agora a relatar, estão misturados com sofrimento, e nós somos chamados a admirar a bravura de um patriota, bem como a paciência dos mártires.

Uma subida de duas horas nos leva até o cume da passagem. Temos aqui um pedestal, cerca de 4000 metros de altura, no meio de um estupendo anfiteatro dos Alpes, de onde exibe suas glórias. Quão profundo é o vale a partir do qual temos apenas subido! O Pelice é um fio de prata agora; um pedaço verde de algumas polegadas quadradas é agora o prado, o castanheiro é um mero ponto, dificilmente visíveis, e lá estão La Torre e o branco Villaro, tão minúsculos que vistos assim podem ser embalados em uma caixa de brinquedo de criança.
Mal o inimigo entrou no local uma chuva de balas e pedras de mãos invisíveis os recebeu. Cada bala e pedra fez o seu trabalho. A primeira descarga derrubou um oficial e doze homens. Essa saraivada foi sucedida por outras igualmente fatais. O clamor surgiu, "Tudo está perdido, salvem-se!" A fuga foi o precipício, pois cada arbusto e rocha parecia vomitar diante deles mísseis mortais. Assim, um segundo recuo livrou o Vale de Rora desses assassinos.O Vale de Rora fica à esquerda de quem entra em La Torre; é separado de Lucerna por uma barreira de montanhas. Rora tem duas entradas: uma por uma ravina lateral, que ramifica-se cerca de três quilômetros antes de chegar a La Torre, e outra cruzando o Vale de Lucerna e escalando as montanhas. Este último é digno de ser brevemente descrito. Nós começamos, vamos supor, a partir da cidade de La Torre, que sai de Castelluzzo à direita, cuja altura o ar pende nos precipícios, com suas muitas lembranças trágicas, acima de nós. A partir deste ponto, viramos à esquerda, descendo no vale, percorrendo seus prados brilhantes, aqui protegidos pelas videiras que estendem os seus braços em clássico modelo de árvore em árvore. Atravessamos a torrente do Pelice por uma pequena ponte, e continuamos nosso caminho até chegarmos ao pé das montanhas de La Combe, aquela parede no Vale de Rora. Começamos a subir por um caminho sinuoso. Pastagens e vinhas dão lugar aos castanheiros da floresta; elas estão ainda nos ramos, e como subimos ainda mais, nos encontramos em meio as bordas nuas da montanha, com seus córregos jorrando, margeados por musgos ou outras ervas alpinas. 

Mas enquanto tudo isso tem diminuído, as montanhas parecem ter aumentado a sua massa e sua estatura. Acima de nós as torres da Cúpula da Castelluzzo; ainda mais acima se lavantam as massas do Vandalin, as encostas mais baixas das quais formam um vasto e magnífico jardim suspenso, pequenas em relação àquelas que estavam entre as maravilhas da Babilônia. E ao longe o olhar repousa sobre um mar tumultuoso de montanhas, aqui subindo em agulhas, lá correndo em longas cristas serrilhadas, e mais adiante em pé nos picos enormes de granitos nus, vestindo as roupas de inverno brilhante dos gigantes dos Alpes. 

Vamos agora descer ao vale de Rora. Encontra-se em nossos pés, uma taça de verdura, umas sessenta milhas de circunferência, seus lados e fundo variadamente vestidos de campos de milho e pastagens, com vinhas e pomares, com a noz, a cereja, e todas as árvores frutíferas, e do seu meio espreitam numerosos chalés marrons. As grandes montanhas rodeiam o vale como uma parede, e entre eles, preeminente em glória, com sua estatura, ergue-se o monarca dos Alpes Cottian – o Monte Viso.

Como entre os judeus de outrora, assim entre os valdenses, Deus levantou, ao longo do tempo, homens valentes para libertar seu povo. Um dos mais notáveis desses homens foi Gianavello, vulgarmente conhecido como Capitão Josué Gianavello, um nativo deste mesmo vale de Rora. Ele aparece nos relatos que chegaram até nós, e possuía todas as qualidades de um grande líder militar. Ele era um homem de coragem ousada, de propósito resoluto e empreendedorismo arrojado. Ele tinha a capacidade, tão essencial em um comandante, de ser hábil em suas ações. Ele era fértil em recursos e auto-controle em situações de emergência; ele era rápido para resolver, e pronto para executar. Sua devoção e energia foram os meios, sob Deus, de atenuar um pouco os horrores do massacre de 1655, e seu heroísmo enfim enfrentou a maré da grande calamidade, e fez voltar para seus autores. Foi na manhã do 24 de abril de 1655, o dia que viu a chacina começar que descrevemos acima. Nesse mesmo dia, 500 soldados foram enviados pelo Marquês Pianeza para o Vale de Rora, para massacrar os seus habitantes inofensivos e inocentes. Subindo o Vale do Pelice, eles ganharam a cúpula da passagem, e já estavam descendo sobre a cidade de Rora, furtiva e rapidamente, como uma manada de lobos descendo sobre um aprisco, ou como, diz Leger, "um bando de urubus descendo sobre uma revoada de inofensivas pombas". Felizmente Gianavello, que sabia semanas antes que uma tempestade se reunia, embora não sobesse quando ou onde ela iria estourar, estava na expectativa. Ele viu a tropa, e adivinhou a sua missão. Não havia tempo a perder; um pouco mais, e nenhum homem ficaria vivo em Rora para levar notícias de seu destino para a próxima comunidade. Mas Gianavello atacaria sozinho um exército de 500 homens? Ele tomou o pico das montanhas, abrigado nas rochas e árvores, e em seu caminho ele reuniu seis camponeses, homens corajosos como ele, para ajudá-lo a repelir os invasores. O bando heróico marchou até estarem perto da tropa, então, se escondendo no meio do mato, eles ficaram de tocaia ao lado do caminho. Os soldados vieram, sem suspeitar da armadilha em que estavam para cair. Gianavello e seus homens atiraram, e com a mira certeira sete homens da tropa inimiga cairam mortos. Em seguida, recarregando suas armas, e tendo destreza para mudar de posição, eles dispararam novamente com o mesmo efeito. O ataque foi inesperado, o inimigo era invisível, o medo na imaginação dos soldados de Pianeza multiplicou por dez o número de seus assaltantes. Eles começaram a recuar. Mas Gianavello e os seus homens, saltando de abrigo em abrigo como se fossem muitos antílopes, executaram seus inimigos mortalmente com suas balas. Os invasores deixaram 54 mortos para trás, e assim estes sete camponeses perseguiram de seu Vale de Rora os 500 assassinos que tinha vindo para matar seus pacíficos habitantes [Leger, Parte II, cap.. 11, p. 186].

Naquela mesma tarde o povo de Rora, que nada sabia dos crimes terríveis que estavam naquele momento sendo executados nos vales de seus irmãos, reparou que o Marquês de Pianeza queixou-se do ataque. O marquês simulou ignorância de toda a questão. "Aqueles que invadiram o vale", disse ele. "Eram um conjunto de bandidos. Você fizeram certo em repeli-los. Voltem para suas famílias e nada temam; comprometo-me com a minha palavra e honra que nenhum mal se sucederá".

Estas palavras mentirosas não enganaram Gianavello. Ele tinha uma lembrança salutar da máxima aprovada pelo Concílio de Constança, e tantas vezes posta em prática nos vales, "Nenhuma misericórdia deve ser dada aos hereges". Pianeza, ele sabia, era o agente do "Conselho de Extirpação". Mal a manhã seguinte tinha começado quando o herói camponês estava no exterior, observando com olhos de águia os caminhos da montanha que levavam ao seu vale. Não demorou muito até que suas suspeitas fossem mais do que justificadas. Seiscentos homens armados, escolhidos com especial referência a este empreendimento difícil, foram vistos subindo a montanha Cassuleto, fazer o que os seus camaradas do dia anterior não tinham conseguido realizar. Gianavello já tinha reunido um grupo pequeno de dezoito homens, dos quais doze estavam armados com mosquetes e espadas, e seis apenas com estilingue. Estes ele dividiu em três partes, cada um composto de quatro mosqueteiros e dois lançadores, e os postou em um desfiladeiro, através do qual viu que os invasores deveriam passar.


Os moradores levaram suas queixas uma segunda vez para Pianeza. "Escondendo", como diz Leger, "a ferocidade do tigre sob a pele da raposa", assegurou aos representantes que o ataque tinha sido o resultado de um mal entendido, que certas acusações foram apresentadas contra eles, a falsidade já fora descoberta, e agora eles poderiam voltar para suas casas, pois não tinham nada a temer. Tão logo eles foram embora e Pianeza começou vigorosamente a se preparar para um terceiro ataque [Leger, Parte II., P. 186-7].
Ele organizou um batalhão de 800 a 900 homens. Na manhã seguinte, fez uma marcha rápida em Rora, aproveitando todas as vias que levam ao vale, e perseguindo os habitantes até as cavernas no Monte Friolante, ateando fogo às suas casas, tendo primeiro as saqueado. Capitão Josué Gianavello, à frente de sua pequena tropa, viu o inimigo entrar, mas seu número era tão grande que ele esperou um momento mais favorável para atacar. Os soldados estavam se retirando, carregado a sua presa, e se dirigindo para os animais dos camponeses. Gianavello ajoelhou-se diante do seu bando heróico, e dando graças a Deus, que por duas vezes a Sua mão salvou o seu povo, ele orou para que os corações e os braços de seus seguidores pudessem ser fortalecidos, para trabalhar ainda em outro livramento. Ele, então, atacou o inimigo. Os saqueadores fugiram morro acima, na esperança de escapar para o Vale do Pelice, jogando fora a sua presa em sua fuga. Quando eles chegaram na passagem e começou a sua descida, sua fuga tornou-se ainda mais desastrosa, grandes pedras, arrancadas e atiradas sobre eles, se misturaram com as balas e fizeram a execução mortal sobre eles, enquanto que os precipícios em que eles caíam em sua pressa consumaram a sua destruição. Os poucos que sobreviveram fugiram para Villaro [Leger, Parte II., P. 187. Muston, p. 146-7].O Marquês de Pianeza, em vez de ver nesses eventos o dedo de Deus, apenas se inflamaou com mais raiva, e maior determinação ainda sobre a extirpação de todos os hereges do Vale de Rora. Ele reuniu todas as tropas reais, então sob o seu comando, ou que não participaram do massacre em que estavam ocupados em outros vales, a fim de cercar o pequeno território. Este era agora o quarto ataque na comunidade de Rora, mas os invasores foram destinados mais uma vez a debandada diante do choque de seus defensores heróicos. Cerca de oito mil homens foram reunidos, e estavam prontos para marchar contra Rora, mas a impaciência de um certo Capitão Mario, que tinha sinalizado o massacre de Bobbio, e queria ter toda a glória da empreitada, não esperou o movimento do corpo principal da tropa. Ele iniciou a marcha com duas horas de antecedência, com três companhias de tropas regulares, algumas das quais jamais retornaram. Seu líder feroz, movido pela pressa dos seus soldados em pânico, se precipitou ao longo da borda rochosa no riacho, e foi ferido. Ele foi retirado e levado para Lucerna, onde morreu dois dias depois, sentindo dores terríveis pelo corpo todo, e ainda tormento maior de espírito. Das três companhias que liderou nesta expedição fatal, uma era composta por irlandeses, que haviam sido banidos por Cromwell, e que encontraram nesta terra distante, a morte que eles tinham infligido a outros em sua própria, deixando os seus cadáveres para encher os vales que deveriam ter sido eliminados da "heresia" [Leger, Parte II., p. 188. Muston, p. 148-9].

Esta série de acontecimentos estranhos agora estava chegando ao fim. A fúria da Pianeza não conhecia limites. Esta sua guerra, embora travada apenas com camponeses, trouxe-lhe nada além de desgraça e a perda de seus bravos soldados. Victor Amadeus observou certa vez que "a pele de cada valdense lhe custou quinze de seus melhores soldados do Piemonte". Pianeza tinha perdido algumas centenas de seus melhores soldados, e ainda nenhum da tropa de Gianavello, vivo ou morto, tinha caído em suas mãos. No entanto, ele resolveu continuar a luta, mas com um exército muito maior. Ele reuniu dez mil homens e atacou Rora em três lados de uma só vez. Enquanto Gianavello estava bravamente lutando com a primeira tropa de três mil, sobre o cume da passagem que dá entrada a partir do Vale do Pelice, uma segunda tropa de seis mil tinha entrado pela ravina ao pé do vale, e uma terceira de mil tinha cruzado as montanhas que dividem Bagnolo de Rora. Mas, quem descreveria os horrores que se seguiram à entrada desses assassinos? Sangue, fogo e pilhagem em um instante dominou a pequena comunidade. Nenhuma distinção foi feita de idade ou sexo. Nenhum deles tinha pena de suas tenras idades, nenhuma tinha respeito por seus cabelos grisalhos. Felizes os que foram mortos de uma só vez, e assim escaparam das horriveis atrocidades e torturas. Os poucos poupados da espada foram levados como prisioneiros, e entre estes estavam a esposa e as três filhas de Gianavello [Leger, Parte II., P. 189. Monastier, p. 277].

Agora nada mais havia no Vale de Rora para o qual o herói-patriota poderia fazer batalha. A luz do seu coração se apagou, sua aldeia era um amontoado de ruínas fumegantes, seus pais e irmãos haviam caído pela espada, mas diante dessas calamidades ele se levantou, marchou com sua pequena tropa sobre as montanhas, à espera na fronteira do seu país pelas oportunidades que a Providência ainda poderia abrir-lhe de empunhar a sua espada em defesa das antigas liberdades e gloriosa fé de seu povo.


Foi nessa momento que Pianeza, pretendendo dar o golpe final que deveria esmagar o herói de Rora, escreveu a Gianavello como segue: "Exorto a você pela última vez a renunciar a sua heresia. Esta é a única esperança de obter o perdão de seu príncipe, e de salvar a vida de sua esposa e filhas, agora meus prisioneiros, e que, se você continuar nessa obstinação, eu vou queimá-las vivas. Quanto a você, meus soldados deixarão de persegui-lo, mas vou definir um preço tão alto pela sua cabeça, como se você fosse o próprio Belzebu, que você deve tomar infalivelmente, e ter certeza de que, se você cair vivo nas minhas mãos, não há tormentos com os quais eu não vou punir sua rebelião". Para estas ameaças ferozes Gianavello pronta e magnanimamente e respondeu: "Não há tormentos tão terríveis, nenhuma morte tão bárbara, que eu não escolheria ao invés de negar o meu Salvador. Suas ameaças não podem causar a renuncia de minha fé, antes fortalecem-me na mesma. Se o Marquês de Pianeza fizer a minha esposa e filhas passarem pelo fogo, ele pode as consumir, mas os seus corpos mortais; suas almas confio a Deus, confiando que Ele terá misericórdia delas, e no meu, deveria agradar-lhe que Eu caia nas mãos do Marquês "[Leger, Parte II., p. 189]. Não sabemos se Pianeza era capaz de ver que esta foi a derrota mais humilhante que ele ainda não tinha sofrido nas mãos do camponês de Rora, e que ele poderia muito bem travar guerra contra os Alpes se contra uma causa que poderia infundir um espírito como este em seus campeões. A resposta de Gianavello, observa Leger, "o certificou como um instrumento escolhido nas mãos de Deus para a recuperação de seu país aparentemente perdido".

Gianavello salvou da destruição de sua família, seu filho pequeno, e seu primeiro cuidado foi procurar um lugar seguro para ele. Colocando-o nos seus ombros, ele passou os Alpes congelados que separam o vale de Lucerna da França, e confiou o filho aos cuidados de um parente residente em Queyras, nos Vales dos irmãos franceses. Com a criança levou para lá a notícia do massacre terrível de seu povo. A indignação se levantou. Mas poucos estavam dispostos a participar de sua tropa, bravos espíritos como o dele, e assim ele retornou aos Alpes em poucas semanas, para começar sua segunda campanha e a mais bem sucedida. Em sua chegada nos vales ele foi acompanhado por Giaheri, sob os quais um grupo havia sido montado para vingar o massacre de seus irmãos.


Em Giaheri, o Capitão Gianavello tinha encontrado um companheiro digno de si mesmo, e digno da causa pela qual ele estava agora em armas. Desse homem heróico Leger registrou que: "ainda que possuísse a coragem de um leão, ele era tão humilde como um cordeiro, dando sempre a Deus a glória de suas vitórias; bem versado nas Escrituras, e nas polêmicas, compreensivo e de grande beleza e natural talento". O massacre reduziu a raça valdense até quase o extermínio total, e cinquenta homens era tudo o que os dois líderes puderam reunir. O exército inimigo, que neste tempo estava em seus vales, era de quinze a vinte mil homens, composto por soldados treinados e escolhidos. Nada além de um impulso do Deus das batalhas poderia ter movido estes dois homens, com tal punhado deles, a entrar em campo contra todas as probabilidades apresentadas. À vista de um herói comum, todos teriam perdido, mas a coragem destes dois guerreiros cristãos era baseada na fé. Eles acreditavam que Deus não permitiria que sua causa viesse a perecer, ou a luz dos Vales ser extinta, e, apesar de serem poucos, eles sabiam que Deus era poderoso por sua humilde instrumentalidade salvar sua terra e sua Igreja. Nesta fé que desembainharam a espada, e tão corajosamente a usaram, que logo esta espada se tornou o terror dos exércitos do Piemonte. A antiga promessa foi cumprida: "o povo que 

conhece ao seu Deus se tornará forte e fará proezas" (Daniel 11:32).Não podemos entrar em detalhes. Prodígios de bravura foram realizados por este pequeno bando. "Eu tinha sempre considerado os valdenses homens", disse Descombies, que se juntou a eles, "mas achei leões". Nada pode deter a fúria de seu ataque. Posto após posto e vila após vila foram arrancados das tropas do Piemonte. Logo, o inimigo foi expulso dos vales superiores. A guerra então passou para dentro da planície do Piemonte, e lá foi travada com o mesmo heroísmo e o mesmo sucesso. Após sitiar e tomar várias cidades, eles lutaram algumas batalhas campais, e nestas ações foram quase sempre vitoriosos, apesar de enfrentarem mais de dez vezes o seu número. Seu sucesso não poderia ser creditado, se não tivesse sido registrado por historiadores cuja veracidade está acima de qualquer suspeita, e da veracidade de cuja declarações foi atestada por testemunhas oculares. Não poucas vezes isso aconteceu no final de um dia de luta em que mil e quatrocentos piemonteses mortos cobriam o campo de batalha, enquanto que não mais de seis ou sete dos valdenses tinham caído. Tal sucesso pode muito bem ser chamado de milagre, e não só o fez parecer assim para os próprios valdenses, mas até mesmo aos seus inimigos, que não poderiam deixar de expressar a sua convicção de "que com certeza Deus estava do lado deles".


Enquanto os valdenses foram, assim, mantendo heroicamente a sua causa por meio das armas, e revertendo o castigo da guerra sobre as suas misérias de quem os havia trazido, notícias do que estavam passando viajaram para todos os Estados protestantes da Europa. Sempre que essas notícias apareciam um sentimento de horror era evocado, e a crueldade do Governo de Sabóia era universalmente execrado e em voz alta. Todos confessaram que tal conto de aflição nunca tinham ouvido antes. Mas os Estados protestantes não se contentaram em simplesmente condenar essas ações, eles julgaram ser seu dever fazer algo em nome deste povo extremamente pobre e oprimido, e principalmente entre aqueles que eles mesmos honraram pela interposição em favor de um povo "levados para a morte e pronto a perecer", foi, como já foi dito, a Inglaterra, então sob o protetorado de Cromwell. No capítulo anterior, a menção foi feita à letra latina, a composição de Milton, que o Protetor dirigiu ao duque de Sabóia. Além disso, Cromwell escreveu a Luís XIV da França, solicitando sua mediação com o duque em favor dos valdenses. A carta é interessante, já que contém os sentimentos verdadeiramente nobres da Inglaterra e, em que a pena de seu grande poeta deu expressão a montagem: 

"Sereníssimo e potente Rei, ... Depois de um massacre bárbaro de pessoas de ambos os sexos e de todas as idades, um tratado de paz foi concluído, ou melhor, atos secretos de hostilidade foram autorizados na forma mais conveniente, sob o nome de uma pacificação. As condições do tratado foram determinados em sua cidade de Pinerolo: condições bastante difíceis, mas como essas pessoas pobres de bom grado concordaram, após os atentados horríveis a que foram expostas, provando que tinham sido fielmente observados. Mas não foram observados, o significado do tratado é fraude e violação, colocando uma falsa interpretação sobre alguns dos artigos, e por outras variantes. Muitos dos queixosos foram privados de seus patrimônios, e a muitos têm sido proibido o exercício da sua religião. Novos pagamentos foram exigidos, e uma nova fortaleza foi construída para mantê-los sob controle, de onde soldados desordeiros fazem incursões frequentes e saqueiam ou assassinam tudo o que encontram pela frente. Além dessas coisas, contribuições de novas tropas são clandestinamente preparas para marchar contra eles, e entre aqueles que professam a religião católica romana foram aconselhados a se retirar o quanto antes, de modo a escapar do massacre como o que ocorreu anteriormente; assim eu faço, portanto, pedido e suplico a Vossa Majestade não se sujeitar a coisas tais, e não permitir (não vou dizer qualquer príncipe, pois a barbárie, certamente, nunca poderia entrar no coração de um príncipe, muito menos de um duque de tenra idade, ou na mente de sua mãe) aqueles malditos assassinos a entrar em tal ferocidade selvagem, que, enquanto eles professam ser servos e seguidores de Cristo, que veio ao mundo para salvar os pecadores, blasfemam do seu nome, e transgridem seus compassivos preceitos, pela matança de inocentes. Oh, que Vossa Majestade, que tem o poder, e que deve estar inclinado a usá-lo, possa livrar tantos suplicantes das mãos de assassinos, que já estão embriagados com sangue, e com sede de novo, e que tem prazer em jogar o ódio de sua crueldade sobre os príncipes! Imploro a Sua Majestade a não sujeitar as fronteiras do seu reino a ser poluída por maldades tão monstruosas. Lembre-se que esta raça de pessoas lançou-se sobre a proteção do seu avô, o rei Henrique IV, que foi mais amigável e disposto para com os protestantes, quando o Duque de Lesdiguieres passou vitoriosamente pelo seu país, proporcionando a passagem mais cômoda para a Itália na época em que perseguiu ao duque de Sabóia, em seu retiro nos Alpes. O ato ou instrumento dessa submissão ainda existe entre os registros públicos do seu reino, no qual está previsto que os valdenses não devem ser transferidos para qualquer outro governo, mas sobre a mesma condição que eles foram recebidos sob a proteção de seu invencível avô. Como suplicantes de seu neto, por eles agora imploro o cumprimento deste pacto.


"Da nossa Corte em Westminster, 26 de maio de 1658".

O rei francês comprometeu-se a mediação, tal como solicitado pelos príncipes protestantes, mas apressou a uma conclusão antes de os embaixadores dos Estados protestantes chegarem. Os delegados dos cantões protestantes da Suíça estiveram presentes, mas eles foram autorizados a desempenhar o papel de espectadores apenas. O grande monarca tomou todo o assunto para si e em 18 de agosto de 1655, um tratado de paz foi concluído de um tipo muito desvantajoso. Os valdenses foram despojados de suas posses antigas na margem direita do Pelice, encontrando-se em direção à planície do Piemonte. Dentro da nova fronteira foram garantidos a liberdade de culto, uma anistia foi concedida para todos os crimes cometidos durante a guerra, os cativos seriam libertos quando solicitados, e estavam para ser isentos de todos os tributos por cinco anos, pelo fato de serem tão pobres que não podiam pagar nada.

Quando o tratado foi publicado achou-se duas cláusulas que surpreendeu o mundo protestante. No preâmbulo, os valdenses foram descritos como rebeldes, que tinham agradado seu príncipe graciosamente para receber de volta favores; e no corpo da escritura tinha um artigo, que ninguém lembrava de ter ouvido menção durante as negociações, que autoriza a França a construção de um forte acima de La Torre. Esta parecia ser uma preparação para renovar a guerra.

Por esse tratado, os Estados protestantes foram logrados; seus embaixadores foram enganados, e os pobres valdenses ficaram mais do que nunca no poder do duque de Sabóia e do Conselho para a Propagação da Fé e a extirpação dos hereges.

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte:  Providence  Baptist  Ministries

História dos Valdenses:
Prefécio e Introdução
Capítulo 1:
Os Valdenses, seus Vales
Capítulo 2:
Os Valdenses, suas Missões e Martírios
Capítulo 3:
Suas Primeiras Perseguições
Capítulo 4:
A Expedição de Cataneo contra os Crentes do Deuphine e Piemonte
Capítulo 5:
O Fracasso da Expedição de Cataneo
Capítulo 6:
Sínodo nos Vales Valdenses

Capítulo 7:
Perseguições e Martírios
Capítulo 8:
Preparativos para Uma Guerra de Extermínio
Capítulo 9:
A Grande Campanha de 1561
Capítulo 10:
Colônias Valdenses na Calábria e Apúlia
Capítulo 11:
Extinção dos Valndenses na Calábria
Capítulo 12:
O Ano da Praga
Capítulo 13:
O Grande Massacre

Capítulo 15:
O Exílio
Capítulo 16:
O Retorno aos Vales
Capítulo 17:
Restabelecimento Final nos Vales

Último Capítulo:
As Condições dos Valdenses desde 1690

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net