A HISTÓRIA DOS VALDENSES

Por J. A. Wylie (1808-1890)
London: Cassell and Company, 1860

PENÚLTIMO CAPÍTULO 

RESTABELECIMENTO FINAL NOS VALES

Travessia do Col Julien – Tomada de Bobbio – Juramento de Sibaud – Marcha para Villaro – Guerra de guerrilha – Retiro para La Balsiglia – Sua força – Beleza e Grandeza de San Martino – Acampamento em Balsiglia – Cercados – Inimigo repelido – Partida para o inverno – Retorno do exército francês e do Piemonte na Primavera – Balsiglia Atacada – Ataque do inimigo repelido – Ataque final com canhões – Maravilhoso livramento dos valdenses – Tratado de paz


Os valdenses tinham entrado na terra, mas ainda não tinham tomado posse dela. Eles eram um mero punhado, e teriam que enfrentar o grande e bem equipado exército do Piemonte, ajudado pelos franceses. Mas o grande líder de sua coragem acrescentou fé. A "nuvem" que os havia guiado pelas grandes montanhas, com suas neves e abismos, iria cobrir o seu arraial, e os levaria para batalhar, e os traria com a vitória. Não foi certamente para morrer na terra que tinham sido capazes de fazer tão maravilhosa marcha de volta para ela. Cheios de esperanças esses corajosos "setecentos" agora se dirigiram para a sua grande tarefa.

Eles começaram a escalar o Col Julien, que separa Prali do vale central e fértil dos valdenses, de Lucerna. Como eles se esforçaram e agora estavam perto do cume da passagem, os soldados do Piemonte, que haviam sido postados lá, gritaram: "Venham, que na guarda da passagem há três mil de nós!" Eles então vieram. Forçar as trincheiras e por em fuga a guarnição foi questão de alguns momentos. No campo evacuado os valdenses encontraram um estoque de munições e provisões, o que para eles era uma presa mais que oportuna. Descendo rapidamente as encostas e precipícios da grande montanha, eles surpreenderam e tomaram a cidade de Bobbio, que se aninha ao seu pé. Expulsando os habitantes papistas que tinham se estabelecido ao longo da terra, eles tomaram posse de suas antigas moradias, e pararam um pouco para descansar depois da marcha e dos conflitos do dia anterior. Aqui eles passaram o seu segundo domingo e o culto público novamente foi celebrado com a congregação cantando seus salmos para o embate de armas. No dia seguinte, reparando a "Rocha de Sibaud", onde seus pais haviam confessado a sua fé a Deus e uns aos outros, eles renovaram no mesmo local sagrado o juramento antigo, jurando com as mãos erguidas para cumprir firmemente a profissão do Evangelho, e uns para com os outros, e nunca depor as armas até que se restabelecessem a si mesmos e seus irmãos naqueles vales que eles acreditavam ter realmente sido dado a eles pelo Deus do céu como a Palestina tinha sido para os judeus.

Sua marcha seguinte foi para Villaro, que se situa a meio caminho entre Bobbio e La Torre, na entrada do vale. Esta cidade eles atacaram e tomaram, afugentando os novos habitantes. Mas aqui a sua carreira de conquista de repente foi interrompida. No dia seguinte, um forte reforço de tropas regulares chegou; os valdenses estavam sob a necessidade de abandonar Villaro, e saindo, voltaram para Bobbio [Monastier, p. 356]. O exército valdense agora se dividiu em dois, e por muitas semanas teve que travar uma espécie de guerra de guerrilhas nas montanhas. Da França por um lado e do Piemonte por outro, afluíram soldados, na esperança de exterminar esse punhado de guerreiros. As privações e sofrimentos que suportavam eram tão grandes como as vitórias que conquistavam em suas escaramuças diárias. Mas apesar de estarem conquistando, suas fileiras estavam rapidamente diminuindo. Ainda que uma centena de inimigos tenha sido morta por um único valdense que caiu. Os piemonteses podiam recrutar novos soldados, os valdenses não. Eles não tinham agora nem munições nem provisões, salvo o que tiraram de seus inimigos, e, para aumentar as suas perplexidades, o inverno estava próximo, e enterraria suas montanhas nas suas neves, e os deixaria sem comida ou abrigo. Um conselho de guerra foi feito, e foi finalmente resolvido se refugiar no Vale de San Martino, e entrincheirar-se em La Balsiglia. Isso nos leva à última posição heróica dos exilados que voltaram. Mas antes vamos esboçar a força natural e grandiosidade do local em que essa posição foi feita. Balsiglia está situado na extremidade ocidental de San Martino, cujo ponto rende algumas coisas grandiosas nos Alpes valdenses. Tem cerca de cinco quilômetros de comprimento por cerca de dois de largura, tendo como piso o mais rico prado da terra, e para as paredes, montanhas magnificamente decoradas com terraços, repleto de flores e frutos, e acima protegido com falésias lascadas e picos escuros. É fechado na extremidade ocidental pela face nua de uma montanha perpendicular, até que o Germagnasca é visto como um traço de uma enxurrada de prata. Os prados e bosques que vestem o seio do vale são cravados por uma ampla linha de cor branca, formado pela torrente, a cama do qual está cheia de rochas tantas que se assemelha a um rio contínuo de espuma.

Que as vestes das montanhas que formam as paredes limítrofes desse vale em nada poderiam ser mais esplêndidas. À direita, como que avançando para cima, ergue-se uma sucessão de terraços de vinhas, finamente diversificadas com plantações de milho e colinas de pedra, que são coroados com casas ou aldeias, olhando por entre as suas ricas coberturas do castanheiro e da macieira. Acima desta zona de árvores frutíferas estão as serras verdejantes, o recanto dos pastores, que por sua vez, dão lugar aos cumes rochosos que, em linhas onduladas e serradas, correm para os cumes mais elevados, que desaparecem entre as nuvens. O lado esquerdo da parede da montanha é mais íngreme, mas igualmente rico em sua roupagem. Embrulhando seus pés está um tapete de pasto delicioso. Árvores, em um vasto perímetro, cobrindo em parte, com seus galhos mais abrangentes, a luz do sol. Mais acima estão campos de milho e florestas de castanheiros, e ainda mais acima é visto a bétula, com seu tronco prateado e tranças graciosas. Junto às pedras lascadas acima corre uma linha de abetos eriçados, formando um poderoso obstáculo natural. Se voltando para a parte superior do vale, perto do vasto precipício perpendicular já mencionado, que o fecha no oeste, é vista uma assembléia gloriosa de montanhas. Um cone poderoso eleva-se acima e atrás outro, até que o último e mais elevado enterra seu topo nas massas de nuvens, que são vistos normalmente pendurados como um dossel acima desta parte do vale. Estes nobres picos, em número de quatro, se erguem emplumados com pinheiros, e lembram um dos pináculos ornados de alguma catedral colossal. Esta é La Balsiglia. Foi nos terraços desta montanha que Henri Arnaud, com seus guerreiros, acampou, em meio às escuras tempestades de inverno, e ainda as tempestades mais escuras de um fanatismo furioso e armado. La Balsiglia lança suas pirâmides gigantescas para o céu, como se orgulhosamente estivesse consciente de ter sido o local de repouso da arca dos valdenses. Não é nenhum castelo erguido pelo homem, teve por seu construtor o Todo-Poderoso como seu próprio arquiteto.

Resta, para completar o quadro de um local tão famoso nas guerras de liberdade e de consciência, dizer que por trás do Balsiglia no oeste, ergue-se o imponente Col du Pis. É raro que esta montanha permita ao espectador uma visão completa de sua estatura, pois seu lado oculto corre para cima e enterra-se nas nuvens. Frente a frente com o Col du Pis, fica no outro lado do vale o ainda mais nobre Monte Guinevert, com, mais comumente, um véu de nuvens em torno dele, como se ele também não estivesse disposto a permitir aos olhos do visitante uma visão de suas proporções majestosas. Assim que esses dois Alpes, como gigantes gêmeos, guardam esse famoso vale.
Foi no terraço inferior desta montanha piramidal, La Balsiglia, que Henri Arnaud, o seu exército, agora, infelizmente reduzido a 400 - sentou-se. Visto a partir do nível do vale, o pico parece terminar em um ponto, mas ascendendo, o topo se expande em um planalto gramado. Íngreme e liso como uma fortaleza escarpada, é intransponível por todos os lados salvo por onde um fluxo de água corre passando pelas montanhas. A habilidade de Arnaud lhe permitiu aumentar a força natural da posição das defesas valdenses. Eles encerraram-se dentro das paredes de barro e valas; construíram trilhas secretas, cavaram algumas cavernas na rocha, guardaram provisões, e construíram cabanas como abrigos temporários. Três nascentes que jorravam da rocha forneceu-lhes água. Construíram trincheiras semelhantes em cada um dos três picos que se erguiam acima deles, de modo que se a primeira fosse tomada podiam ascender para a segunda, e assim por diante até a quarta. Na mais alta cúpula de La Balsiglia, que domina todo o vale, eles colocaram uma sentinela, para observar os movimentos do inimigo.
Apenas três dias transcorreram até que quatro batalhões do exército francês chegaram e cercaram La Balsiglia por todos os lados. Em 29 de outubro, um ataque foi feito sobre a posição valdense, que foi repelido com grande matança do inimigo, e nenhuma perda para os defensores. As primeiras neves do inverno começaram a cair, e o general francês achou melhor adiar a missão de capturar La Balsiglia ainda na primavera. Destruindo todo o milho que os valdenses tinham recolhido e armazenado nas aldeias, começou a sua retirada de San Martino, e, tendo uma despedida lacônica dos valdenses, ele dissera que teria paciência até à Páscoa, quando voltaria a visitá-los [Monastier , p. 304-5].
Durante todo o inverno de 1689-1690, os valdenses permaneceram em suas fortalezas nas montanhas, descansando após as marchas, batalhas e cercos dos meses anteriores e se preparando para o prometido retorno dos franceses. Quando Henri Arnaud mudava seu arraial, também se erguia um altar, e se do topo da montanha era dado o grito de batalha, dele também subia, de manhã e à noite, a oração e o salmo. Além das devoções diárias, Henri Arnaud pregava dois sermões semanais, um no domingo e outro na quinta-feira. Às vezes, ele ministrava a Ceia do Senhor. Nem a intendência foi esquecida. Traziam da ceifa uvas, castanhas, maçãs, e outros frutos, que o outono, agora próximo, os tinha amadurecido totalmente.  Um forte destacamento fez uma incursão no vale francês de Pragelas e Queyras, e retornou com sal, manteiga, algumas centenas de cabeças de ovelhas e uns poucos bois. O inimigo, antes de partir, destruiu seus estoques de grãos e como os campos desde então estavam há longo tempo colhidos, eles perderam as esperanças de serem capazes de reparar suas perdas. E ainda assim o pão não faltou para eles durante todo o inverno; foi provido de uma forma tão maravilhosa que os convenceu de que Aquele que os alimentara o fez como as aves do céu. Amplos estoques de grãos estavam em torno de seu acampamento, apesar de desconhecidos para eles. A neve naquele ano começou a cair mais cedo do que o habitual, e encobriu o milho amadurecido, que os habitantes papistas não tiveram tempo de colher, quando a aproximação dos valdenses os obrigou a fugir. Deste inesperado depósito a guarnição tomou o que tinha necessidade. Mal sabiam os camponeses papistas que ao plantarem a semente na primavera as mãos valdenses colheriam a safra.

O milho tinha sido provido para eles, e, aos olhos dos valdenses, quase que miraculosamente foi como o maná para os israelitas, mas onde encontrariam os meios de beneficiá-lo para consumo? Quase ao pé do Balsiglia, no fluxo do Germagnasca, está um pequeno moinho. O proprietário, M. Tron Poulat, três anos antes, quando saía para o exílio com seus irmãos, atirou a pedra de moinho no rio, "pois", disse ele, "ela ainda pode ser necessária". Foi necessária agora, e sendo feita a busca, foi descoberta, retirada do córrego, e o moinho voltou a operar . Havia um outro e mais distante moinho, na entrada do vale, em que a guarnição recorreu quando os arredores junto ao La Balsiglia foram ocupados pelo inimigo, e  os moinhos mais próximos não estavam disponíveis. Estes moinhos existem até hoje; os seus telhados de cor castanha podem ser visto pelo visitante, olhando-se através da folhagem luxuriante do vale, a grande roda, e a torrente que o faz girar à toa passado em uma saraivada de água.

Com o retorno da primavera, o exército da França e do Piemonte reapareceu. La Balsiglia agora estava completamente investida, a força combinada era de 22 mil no total - 10 mil franceses e 12 mil piemonteses. As tropas foram comandadas pelo célebre De Catinat, tenente-general dos exércitos da França. Os “quatrocentos” valdenses olharam para baixo, de seu "acampamento de rocha" para o vale abaixo deles, e viram que reluzia como aço durante o dia e brilhava com fogueiras à noite. Catinat não tinha dúvidas que um único dia de luta lhe permitiria capturar o lugar, e que a vitória, que ele via como já ganha, poderia ser prontamente comemorada, ordenou que quatrocentas cordas fossem enviadas junto com o exército, a fim de amarrar cada um dos quatrocentos valdenses, e aos habitantes de Pinerolo preparar uma celebração de agradecimento pelo seu retorno da campanha. O quartel-general dos franceses estava na Grande Passagem, assim chamada em oposição à pequena passagem, situada a uma milha inferior do vale. A Grande Passagem conta cerca de trinta moradias, e está colocada sobre uma imensa laje de pedra que se projeta para fora do pé do Monte Guinevert, cerca de 800 metros acima do córrego, e em frente ao La Balsiglia. Nos flancos desta borda rochosa ainda podem ser vistos os sulcos feitos ​ ​pelos canhões e carroças de bagagem do exército francês. Não pode haver dúvida de que estas marcas são os memoriais do cerco, pois nenhum outro veículo de rodas jamais foi visto no meio destas montanhas.*

* O autor foi conduzido ao local, e tinha todos os memoriais do cerco apontados por ele por dois guias confiáveis ​ ​e inteligentes - M. Turim, então pastor de Macel, cujos antepassados estavam entre aqueles do "retorno glorioso", e o falecido Sr. Tron, síndico da comunidade. Os antepassados ​de M. Tron voltaram com Henri Arnaud, e recuperaram suas terras no Vale de San Martino, e aqui tinha a família de M. Tron vivido desde então, e os pontos específicos onde os acontecimentos mais marcantes da guerra tinham tomado lugar haviam sido transmitidos de pai para filho.

Tendo inspecionado a tropa, Catinat ordenou o ataque (1º de maio de 1690). Somente nesse lado de La Balsiglia onde um córrego escorre das montanhas, e que oferece uma inclinação gradual, em vez de uma parede de pedra como em todos os outros lugares, o ataque poderia ser feito com alguma chance de sucesso. Mas nesse ponto Henri Arnaud teve o cuidado de fortificar com uma paliçada. Quinhentos homens escolhidos, apoiados por sete mil mosqueteiros, avançaram para invadir a fortaleza [Monastier, p. 369,370]. Eles avançaram com grande ímpeto; se jogaram em cima da paliçada, mas descobriram que era impossível derrubá-la, pois era formada por grandes troncos, presas por poderosas pedras. Reunidos por trás da defesa estavam os valdenses, os homens mais jovens carregando os mosquetes, e os veteranos atirando, enquanto os sitiantes estavam caindo em dezenas a cada salva de tiros. Os atacantes começaram a vacilar, e os valdenses fizeram um feroz ataque, espadas na mão, e cortaram em pedaços aqueles cujos mosquetes estavam na reserva. Das cinco centenas de soldados escolhidos apenas alguns sobreviveram para se juntar ao corpo principal que tinham sido espectadores de sua derrota total. Por incrível que pareça, não estamos certos de que seja um fato, que nenhum valdense foi morto ou ferido: nenhuma bala tinha tocado um deles. Os fogos de artifício que Catinat tinha sido tão providente quanto à oferta aos homens de Pinerolo para a preparação para celebrar a sua vitória não eram mais necessários naquela noite.

Desesperados em destruir a fortaleza por outros meios, os franceses trouxeram canhões, e não foi até o dia 14 de maio que tudo estava pronto, e que o último e grande ataque foi feito. Do outro lado da ravina em que o conflito que acabamos de descrever teve lugar, um imenso outeiro se projeta para fora, no mesmo nível de igualdade com as trincheiras mais baixas dos valdenses. Para esta rocha os canhões foram içados para atingirem a fortaleza. [Balas de canhão são ocasionalmente, encontradas nos arredores de Balsiglia. Em 1857, o autor mostrou uma no Presbitério de Pomaretto, que havia sido desenterrado um pouco antes.] Nunca antes havia o som de artilharia abalado as rochas de San Martino. Era a manhã de Pentecostes, domingo, e os valdenses estavam se preparando para celebrar a Ceia do Senhor, quando o primeiro tiro da bateria do inimigo se abateu sobre os seus ouvidos [Monastier, p. 371]. Por todo o dia os canhões continuaram, e os seus barulhos terríveis, ecoavam de rocha em rocha, e iam para cima das cúpulas do Col du Pis e do Guinevert, foi ainda mais intensificada por milhares de mosqueteiros que estavam estacionados em volta de todo o La Balsiglia. Quando a noite caiu as muralhas dos valdenses estavam em ruínas, e foi visto que não seria mais possível manter a defesa. O que poderia ser feito? O bombardeio tinha cessado por um momento, mas certamente a madrugada iria ver o ataque de novo.

Nunca antes a destruição parecia pairar tão inevitavelmente sobre os valdenses. Permanecer onde estavam era morte certa, mas para onde eles poderiam fugir? Atrás deles se levantavam os precipícios inescapáveis do Col du Pis, e abaixo deles ficava o vale cheio de inimigos. Se eles esperassem até a manhã romper seria impossível passar do inimigo sem ser visto; e mesmo agora, embora sendo noite, as inúmeras fogueiras que ardiam sob eles tornava o lugar quase tão claro como o dia. Mas a hora da sua extrema angústia foi o tempo da oportunidade de Deus. Muitas vezes antes foi visto ser assim, mas talvez não tão surpreendente quanto agora. Enquanto eles olhavam este e aquele caminho, e quando descobriram que não havia nenhum escape da rede que os cercava, a névoa começou a se reunir nos cumes das montanhas ao redor deles. Eles sabiam que era o velho manto que foi lançado em torno de seus pais na hora do perigo. E rastejou para baixo e ainda mais abaixo nas grandes montanhas. Agora tocou o pico supremo de La Balsiglia.
Será que vai zombar suas esperanças? Será que só vai tocar, mas não cobrir o seu acampamento nas montanhas? Mais uma vez ele está em movimento; rolando abaixo suas ondas felpudas brancas, e agora ele paira em apriscos abrigados envolta de fortalezas de guerra e seu punhado de heróicos defensores. Eles não ousaram ainda tentar escapar, pois ainda as fogueiras queimavam no vale. Mas foi só por alguns minutos mais. A neblina manteve o seu curso descendente, e agora tudo estava escuro. Uma escuridão semelhante ao tártaro encheu o desfiladeiro de San Martino.
Neste momento, em que a guarnição estava muda, ponderando sobre estas coisas que estavam a acontecer, o capitão Poulat, um nativo destas regiões, quebrou o silêncio. Pediu-lhes que tivessem bom ânimo, pois ele conhecia os caminhos, e iria conduzi-los além das linhas francesas e piemontesas, por uma trilha que só ele conhecia. Rastejando com as mãos e joelhos, e passando perto das sentinelas francesas, ainda escondidos deles pela neblina, desceram pelos assustadores precipícios, e fizeram a sua fuga. "Quem não viu esses caminhos", diz Arnaud em sua Rentrée Glorieuse, "não pode conceber o perigo deles, e será inclinado a considerar o meu relato da marcha uma mera ficção. Mas é rigorosamente verdade. E devo acrescentar, o lugar é tão terrível que mesmo alguns dos valdenses ficaram aterrorizados quando viram pela luz do dia a natureza do lugar que tinham passado na escuridão". Quando o dia amanheceu, todos os olhos na planície estavam voltados para La Balsiglia. Naquele dia, tanto as quatrocentas cordas que Catinat tinha trazido quanto a celebração em Pinerolo estavam prontas. Qual foi sua surpresa ao encontrar La Balsiglia abandonada! Os valdenses haviam escapado e se foram, e podiam ser vistos sobre as montanhas distantes, subindo a neve longe do alcance dos seus captores. Bem, agora eles podiam cantar —

"Nossa alma escapou como um pássaro do laço dos passarinheiros.
O laço foi rompido, e nós escapamos"

Seguiram-se vários dias, durante o qual vagaram de monte em monte, ou se esconderam nas florestas, sofrendo grandes privações e enfrentando vários perigos. Por fim, eles conseguiram chegar a Pra del Tor. Para seu espanto e alegria, ao chegar a este celebrado e santificado ponto, eles encontraram os representantes de seu príncipe, o duque de Sabóia, esperando-os com um tratado de paz. Aos valdenses parecia um sonho. Um tratado de paz! Como isso? Uma coalizão de países, incluindo Alemanha, Inglaterra, Holanda e Espanha, havia sido formada para verificar a ambição da França, e três dias tinham sido dados a Victor Amadeus para dizer de que lado ele iria juntar-se, a esta Liga ou a Luis XIV. Ele resolveu romper com Luis e tomar parte com a coalizão. Neste caso, a quem ele poderia muito bem confiar as chaves dos Alpes senão aos seus fiéis valdenses? Daí o acordo que os esperava em Pra del Tor. Sempre prontos para se reunir em torno do trono de seu príncipe, o momento em que a mão da perseguição foi retirada, os valdenses aceitaram a paz oferecida. Suas cidades e terras foram restauradas; suas igrejas foram reabertas para o culto; seus irmãos, ainda na prisão em Turim, foram libertados, e os seus conterrâneos na Alemanha receberam passaportes para retornar aos seus lares; e assim, após um triste intervalo de três anos e meio, os vales foram novamente povoados com a sua antiga raça, e ressoava com suas antigas canções. Então, se encerrou o famoso período de sua história, que, em relação as maravilhas, podemos dizer aos milagres, que os acompanhavam, podemos comparar apenas com a marcha do povo eleito através do deserto para a Terra Prometida.

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte:  Providence Baptist Ministries

História dos Valdenses:
Prefécio e Introdução
Capítulo 1:
Os Valdenses, seus Vales
Capítulo 2:
Os Valdenses, suas Missões e Martírios
Capítulo 3:
Suas Primeiras Perseguições
Capítulo 4:
A Expedição de Cataneo Contra os Crentes do Dauphine e Piemonte

Capítulo 5:
O Fracasso da Expedição de Cataneo
Capítulo 6:
Sínodo nos Vales Valdenses
Capítulo 7:
Perseguições e Martírios
Capítulo 8:
Preparativos para Uma Guerra de Extermínio

Capítulo 9:
A Grande Campanha de 1561
Capítulo 10:
Colônias Valdenses na Calábria e Apúlia
Capítulo 11:
Extinção dos Valndenses na Calábria
Capítulo 12:
O Ano da Praga
Capítulo 13:
O Grande Massacre
Capítulo 14:
Façanhas de Gianavello - Massacre e Pilhagem em Rora
Capítulo 15:
O Exílio
Capítulo 16:
O Retorno aos Vales

Último Capítulo:
As Condições dos Valdenses desde 1690

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net