A PESSOA DE CRISTO: O FUNDAMENTO DE TODO O CONSELHO DE DEUS

(Tradução do capítulo 4 do livro Christologia de John Owen)

A pessoa de Cristo é o fundamento de todos os conselhos de Deus, até mesmo de Sua própria glória eterna na vocação, santificação e salvação. Minha intenção é a mesma que o apóstolo Paulo expressou em Efésios 1:9-10: "Descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra".

Os mistérios da Sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em Si mesmo – são os Seus conselhos relativos a Sua própria glória eterna, na santificação e salvação da Igreja aqui nessa terra, para ser unida com Ele nos céus. A absoluta originalidade disso está em Seu próprio beneplácito, ou a soberania agindo a partir de Sua sabedoria e vontade. Mas por ser tudo efetivado em Cristo – que o apóstolo repete duas vezes: ele deveria congregar todas as coisas em Cristo, em si mesmo – nEle somente. 

Deste modo é dito dEle, com respeito a sua futura encarnação e obra de mediação, que o Senhor o possuiu no começo de seu caminho, antes de suas obras; que Ele foi estabelecido para a eternidade, desde o princípio, ou  desde antes do começo da terra: Pv 8:21-23. A existência pessoal do Filho de Deus é admitida nessas expressões como eu tenho alhures provado. Sem isso, nenhuma dessas coisas pode ser afirmada sobre Ele. Mas aqui é considerada, ambas, sua futura encarnação e o cumprimento do conselho de Deus por meio dela. Em relação a essa parte "O SENHOR me possuiu no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras", Deus O possuiu eternamente com Sua sabedoria – como Ele era eterno, e é eterno, no seio do Pai, no mútuo e inefável amor do Pai pelo Filho, em eterno vínculo pelo Espírito Santo. Mas Ele evidentemente o possuiu "no princípio de seus caminhos" – como Sua sabedoria, agindo na produção de todo o caminho e obra que era publicamente dEle.

O "princípio dos caminhos de Deus", antes de Suas obras, são Seus conselhos em relação à Ele (Cristo) –como nossos conselhos são os princípios de nossos caminhos, com respeito até as futuras obras. E Ele foi "ungido desde a eternidade", como o fundamento de todos os conselhos de Sua vontade, e por meio de quem Ele executou e concluiu.

Assim é expresso nos versículos 30 e 31: "Então eu estava com ele, e era seu arquiteto; era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;Regozijando-me no seu mundo habitável e enchendo-me de prazer com os filhos dos homens". Assim é adicionado que desse modo estava antes da fundação do mundo, ou o mundo a ser formado – isto é, antes do mundo ser criado.Não somente estava se alegrando perante o Pai, mas Seu deleite era no mundo habitável entre os filhos dos homens – antes da criação do mundo. O motivo, a eterna perspectiva da obra que Ele tinha para fazer para os filhos dos homens é intencionada aqui. E com Ele, Deus estabeleceu o fundamento de todos os Seus conselhos em relação ao Seu amor pelos filhos dos homens. E duas coisas podem ser observadas aqui:

1. Que a pessoa do Filho "estava com Ele", ou exaltada nesse lugar. "Eu estava com Ele", disse Ele, "desde a eternidade". Isto não pode ser falado absolutamente da pessoa do próprio Filho – a divina natureza sendo incapaz de ser assim estabelecida. Mas aqui estava uma peculiar glória e honra pertencendo a pessoa do Filho, como designada pelo Pai na execução de todo o conselho de Sua vontade. Consequentemente era essa Sua oração sobre a Sua obra: João 17:5, "E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse".

Supor que o Senhor Jesus orava, nessas palavras, para de tal modo ter uma real explanação das propriedades da natureza divina no homem como deveria submeter-se imensamente, oniscientemente e irrestritamente em qualquer espaço – é pensar que Ele orava para destruição e não para a exaltação. Para essa suposição deve ser necessário perder todas as Suas próprias propriedades essenciais e conseqüentemente a vida.  

Ele não deu a impressão de orar somente para a manifestação de Sua natureza divina, que estava eclipsada em sua aparência na forma de um servo. Não necessitava expressar isto pela "glória que tinha com o Pai antes que o mundo existisse". E isto não era outra mas aquela exaltação especial que Ele tinha com Deus-Pai quando disse "desde a eternidade", como o fundamento dos conselhos de Deus, para a salvação da Igreja. Essa eternal operação que estava entre o Pai e o Filho com respeito a Sua encarnação e mediação – ou Sua incumbência em executar e completar o eterno conselho da sabedoria e graça do Pai – estava na glória especial que o Filho tinha consigo – a "glória que Ele tinha com o Pai antes da criação do mundo". Para a manifestação aqui Ele agora orava para que a glória de Sua bondade, graça e amor – em Sua particular tarefa da execução do conselho de Deus – poder ser tornar visível. E este é o principal propósito do Evangelho. Esta declaração, como a graça de Deus Pai, conforme o amor, graça, bondade e compaixão do Filho, na incumbência desde a eternidade de cumprir o conselho de Deus, na salvação da Igreja. E aqui expôs os pilares da terra, ou suportou sua criação inferior, o qual, de outra maneira, com seus habitantes, deveriam por causa de seus pecados serem dissolvidos. E esse de quem a eterna, divina pré-existência, na forma de Deus – antecedendo sua encarnação – é negada, o faz um mentiroso em despojar toda a Sua glória que Ele tinha com o Pai do mundo a ser criado.

Assim temos nisso a totalidade de nosso desígnio. "...no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras" que é Seu conselho eterno em relação aos filhos dos homens, ou a santificação e salvação da Igreja – a possessão do Senhor, a alegria do Filho, como Sua sabedoria eterna – e com quem Ele estava e por quem Ele cumpriria, no que Seu deleite era com os filhos dos homens.

2. Havia inefável deleite entre o Pai e o Filho nesta Sua colocação ou exaltação. “Eu estava”, disse Ele, "cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo". Isto não é absolutamente o mútuo, eterno deleite do Pai e do Filho – resultando da perfeição da mesma divina excelência em cada pessoa – que é intencionado. Mas claramente tinha consideração aos conselhos de Deus em relação a salvação do gênero humano por Ele que é Seu poder e sabedoria para este fim. Este conselho de paz estava originalmente entre Jeová e seu Renovo (Zc 6:13) ou o Pai e o Filho – como Ele deveria encarnar. Por isso Ele era "conhecido, ainda antes da fundação do mundo" (I Pe 1:20), para ser um Salvador e libertador, por quem todos os conselhos de Deus foram executados; e pela Sua própria vontade e cooperação em deliberação com o Pai. E dessa maneira um fundamento foi o depósito da salvação da Igreja nesses conselhos de Deus – como efetuado entre o Pai e o Filho – que é dito que "vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos" (Tt 1:2). Apesar de que a primeira promessa formal foi dada depois da queda, ainda assim seria uma preparação da graça e vida eterna nesses conselhos de Deus, com Seu imutável propósito em nos comunicar que toda a fidelidade de Deus estava na pessoa de Cristo. "Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos". A vida eterna estava com o Pai – que em Seu conselho que está em Cristo e nEle posteriormente manifestou a nós: "Porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e nos foi manifestada". E mostrar a firmeza deste propósito e conselho de Deus com a infalível conseqüência de Sua atual promessa e cumprimento eficaz, "graça" é dito "que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos" (II Tm 1:9). E esses conselhos são os deleites de Deus – ou a pessoa de Cristo, como Sua eterna sabedoria em Seu plano e como o significado de seu cumprimento em Sua futura encarnação. Consequentemente Ele assim testifica dEle: "Eis aqui o meu servo, a quem sustenho, o meu eleito, em quem se apraz a minha alma; pus o meu espírito sobre ele; ele trará justiça aos gentios" (Is 42:1) como Ele também proclama o mesmo deleite nEle, desde o céu, nos dias em que esteve aqui pela primeira vez: Mt 3:17, 17:5. Ele é o deleite de Deus, como em quem está todo o Seu conselho para Sua própria glória, na redenção e salvação da Igreja foi o instituidor e o fundador: "Tu és meu servo; és Israel, aquele por quem hei de ser glorificado" (Is 49:3), que é, "para restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os preservados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra" (versículo 6). Não compreendemos corretamente os conselhos de Deus, quando refletimos nada mais além do que os seus efeitos e a glória que surgiu de seu cumprimento. Isto certamente é verdade, que tudo resultará em Sua glória e a demonstração disto deverá ser por toda a eternidade. A manifesta glória de Deus na eternidade consiste nos efeitos e cumprimento de Seus santos conselhos. O céu é o estado atual do cumprimento de todos os conselhos de Deus, na santificação e salvação da Igreja. Mas não é com Deus como é com o homem. Deixar os conselhos dos homens serem sempre do mesmo modo deve precisar diminuir de sua satisfação deles, por causa de suas conjecturas de seus efeitos e eventos são completamente incertos. Mas todos os conselhos de Deus tendo seu completo cumprimento através de revoluções de modo desconcertante e insuperável em toda a criação conhecida, encerrando nEle infalivelmente e imutavelmente a grande satisfação e deleite do divino ser nos Seus próprios conselhos. Deus se deleita no atual cumprimento de Suas obras. Ele não fez este mundo, nem qualquer coisa nele, por seu próprio motivo. Muito menos fez Ele esta terra para ser um teatro para o homem agir sua concupiscência – o uso o qual é agora imputado e sob sofrimentos. Mas Ele "fez todas as coisas" (Pv 16:4, Ap 4:11), que é não somente por um ato de soberania, mas por Seu próprio deleite e satisfação. E um duplo testemunho  Ele deu até agora em relação as obras da criação. Na aprovação que deu a tudo que viu: "E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom" (Gn 1:31). Essa foi a impressão de Sua divina sabedoria, poder e bondade sobre tudo, como manifestou Sua glória; em que Ele estava profundamente satisfeito. Para imediatamente após isso todas as criaturas capazes de ter noção e compreender sua glória (Jó 38:6-7). Em que Ele descansou de Suas obras – mas um descanso da complacência e deleite do que Ele tinha feito – do que Deus fizera. Mas o principal deleite e complacência de Deus estão em Seus eternos conselhos. Todo o Seu deleite está em Suas obras, nos efeitos dessas divinas propriedades de quem primitivamente e principalmente exercita a si próprio em Seus conselhos, de onde Ele emana. Especialmente é assim como nesses conselhos do Pai e do Filho, como para a redenção e salvação da Igreja, em que Ele se deleita, e mutuamente regozija reciprocamente na Sua importância. Eles são todos os eternos atos da sabedoria, bondade e amor eterno de Deus – um deleite e complacência em que não é pequena parte da divina bem-aventurança. Essas coisas são absolutamente inconcebíveis e inefáveis a nós; não podemos encontrar o todo-poderoso fora da perfeição. Porém, certamente é, das noções que temos da divindade e Sua excelência e da revelação que Ele faz de si mesmo, que há infinito deleite em Deus – no eterno ato de Sua sabedoria, bondade e amor – em que de acordo com nossa débil e escura compreensão das coisas, podemos seguramente não ter uma pequena porção da divina bem-aventurança. Auto-existência do próprio imenso ser – por essa razão a auto-suficiência em Si mesmo em todas as coisas – e nessa auto-satisfação – é a principal noção que temos da divina bem-aventurança.

1. Deus se deleita nos Seus eternos conselhos em Cristo – como são os Seus atos de infinita sabedoria, ela é a superior instância em que Ele exerce Sua própria vontade. Consequentemente no cumprimento desses conselhos, de Cristo é enfaticamente dito ser a "sabedoria de Deus" (I Co 1:24), Ele é o conselho de quem Sua sabedoria é completada. E nEle a sabedoria de Deus se faz conhecida: Efésios 3:10. Essa infinita sabedoria sendo de tal modo parte de Sua divina natureza, pelo que todas estas ações são dispostas e reguladas, satisfaz a Sua própria glória em toda a Sua divina excelência. Mesmo entre os homens – de quem a sabedoria comparada com a de Deus é loucura – não obstante é nada nesse particular em que Ele tem uma verdadeira e racional complacência, adequada aos princípios de Sua natureza, mas em tais ações dessa sabedoria que Ele tem (e como tem!) está a relação do próprio objetivo de Sua obra. Como muito mais fez Deus deleitar-se em Si mesmo na infinita perfeição de Sua própria sabedoria e eterna realização para a representação de toda a excelente glória de Sua natureza!      
Tais são os Seus conselhos concernentes a salvação da Igreja por Jesus Cristo e por estarem todos nEle e com Ele, por essa razão se diz dEle (Cristo) ser o Seu deleite "antes que o mundo existisse". Isto é o proposto como o objeto de nossa admiração (Rm 11:33-36).

2. Eles são os atos de infinita bondade, sobre o qual a divina natureza está infinitamente deleitada nEle. Como a sabedoria é o princípio que dirige todas as ações divinas, assim a bondade é o princípio da comunicação que é efetuado nEle. Ele é bom, e tudo faz bem – sim, Ele fez tudo bom porque Ele é bom e por nenhuma outra razão – não da necessidade da natureza, mas pela intervenção de um livre ato de Sua vontade. Sua bondade é absolutamente infinita, essencialmente perfeita em si mesma; o qual não poderia ser se não fosse dEle, naturalmente e necessariamente, agir e comunicar de si mesmo a qualquer criatura sem Deus por si. A divina natureza é eternamente satisfeita com esta bondade; mas este princípio que é a fonte imediata de toda a comunicação do bem é pelo livre ato da vontade de Deus. Assim, quando Moisés desejou ver a glória de Deus, Ele lhe disse: "Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e proclamarei o nome do SENHOR diante de ti; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me compadecerei de quem eu me compadecer" (Ex 33:19). Todas as operações divinas– nas graciosas comunicações de Deus – são provenientes de Sua bondade, pela intervenção de um livre ato de Sua vontade. E o grande exercício e emanação da bondade divina, estão nesses santos conselhos de Deus para a salvação da Igreja por Jesus Cristo. Ao passo que em outros atos de Sua bondade Ele concede de Sua própria conta, nesse assunto Ele concede de Si mesmo, tomando nossa natureza sobre Si. E por esta razão, como Ele expressou o motivo da queda do homem, repreendendo-o por sua insensatez e ingratidão, "Eis que o homem é como um de nós" (Gn 3:22), podemos com toda a humildade agradecer, expressando o sentido de nossa restauração, "Eis que Deus é como um de nós", como o apóstolo Paulo declara em Filipenses 2:6-8. Esta é a natureza da sincera bondade – mesmo em um grau mais baixo – acima de todos as outras formas de vida ou princípios da natureza, conceder um deleite e complacência a mente no seu próprio exercício e na comunicação de suas ações. Um homem regenerado deleita-se em fazer o bem, e tem abundante recompensa pelo que faz e no que faz. E é o que devemos entender em relação a eterna, absoluta, infinita, perfeita, bondade genuína, que de si atua no mais elevado exemplo que se pode dar! Desse modo são os conselhos de Deus concernentes ao Seu Filho e a salvação da Igreja por meio dEle. Nenhum coração pode entender, nenhuma língua pode expressar a menor porção desse inefável deleite do santo Deus, nesses conselhos, em que Ele agiu e expressou a máxima essência de Sua própria bondade. Deveria então um homem de mente liberal maquinar coisas liberais, porque ele está correto em sua inclinação? Deve um homem regenerado encontrar um secreto refrigério e satisfação no exercício do que é baixo, fraco, imperfeito, impuro, porque sua velha natureza ainda está embutida com ele? E não deve Ele, de quem a bondade é sua essência – de quem é constituído, e em quem é o princípio imediato da Sua comunicação– estar infinitamente deleitado na suprema ação sobre o qual a divina sabedoria se fizera mostrar? O efeito desse eterno conselho de Deus na glória futura é reservado para aqueles que crêem; e nisso será a manifestação da glória de Deus a eles, quando Ele "for glorificado em seus santos" e eternamente "admirado por todos os que crêem". Mas o deleite e satisfação de Deus, era, e é, nos seus próprios conselhos, como Ele age Sua infinita sabedoria e bondade. Consequentemente, o Senhor Jesus é o Seu "deleite continuamente antes da fundação do mundo" – pois nEle estavam depositados todos esses conselhos e através dEle tudo seria cumprido. A constituição de Sua pessoa era o único meio por onde a divina sabedoria e bondade poderiam atuar e comunicar de si a humanidade – em tais atos estão o eterno deleite e complacência da divindade.

3. Amor e Graça têm a mesma influência nos conselhos de Deus, como sabedoria e bondade. E a noção das Escrituras sobre isso fortalece a bondade nesta consideração – que o seu objeto são os pecadores e indignos. Deus universalmente comunicou de Sua bondade a todas as Suas criaturas, porém de modo especial em relação àqueles que crêem. Mas como Seu amor e graça, como são peculiares a Sua eleita – a Igreja escolhida em Cristo antes da fundação do mundo – assim Ele considera primeiramente como um perdido, arruinado pela condição do pecado. "Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores", Rm5:8. Deus é amor, diz o apóstolo. Sua natureza é essencialmente assim. E a melhor concepção da nova natureza agindo nos santos, é o amor; e todos os atos disso são seu total deleite. Este é como o âmago de todos os eternos conselhos de Deus, que rende a Sua complacência inefavelmente nEle. Por esta razão Ele tão maravilhosamente expressa Seu deleite e complacência agindo Seu amor em relação a Igreja: "O SENHOR teu Deus, o poderoso, está no meio de ti, ele salvará; ele se deleitará em ti com alegria; calar-se-á por seu amor, regozijar-se-á em ti com júbilo" (Sf 3:17). A razão do porque na salvação da Igreja Ele se regozija com júbilo e com alegria – a suprema expressão da divina complacência – é porque Ele repousou em Seu amor, e assim está satisfeito no exercício destes atos. Mas devemos voltar a particular manifestação de como todos esses conselhos de Deus foram depositados na pessoa de Cristo – para qual fim as seguintes coisas podem ser distintamente consideradas.
  1. Deus fez todas as coisas, no início, boas, extraordinariamente boas. A totalidade de Suas obras foi disposta em perfeita harmonia, beleza e ordem, condizente com a manifestação de Sua própria glória que Ele intentou nela. E como todas as coisas têm sua própria existência individual e funcionamento apropriado, a sua existência é suscetível de um fim, um repouso, ou uma bem-aventurança, conforme a sua natureza e funcionamento – assim, nas várias relações que Ele tem em Seu mútuo apoio, assistência e cooperação, Ele visa a um resultado final – Sua glória eterna. Para desse modo em Sua existência ser o efeito do poder infinito – de maneira que Seu mútuo respeito e fim esteja disposto em infinita sabedoria. Nisso está o eterno poder e sabedoria de Deus glorificado nEle; único em Sua realização, de outra maneira em Sua disposição em Sua ordem e harmonia. O homem é uma criatura feita por Deus, que por Ele poderia receber a glória que Ele almejava e por toda a criação inanimada – tanto as da terra, que era para seu uso, como as de cima, que eram para sua contemplação. Este era o objetivo de nossa natureza em seu estado original. A fim de que sejamos novamente restaurados em Cristo: Judas 18, Rm 1:20
  2. Deus permitiu a entrada do pecado tanto no céu quanto na terra, por meio do qual toda a ordem e harmonia foram perturbadas. Ainda há características do poder divino, sabedoria e bondade restando nas obras da criação e são inseparáveis de sua constituição. Mas a glória primitiva que redundava em Deus – especialmente como em todas as coisas na terra – provinha da obediência do homem, que era quem estava sob sujeição. Seu bom estado dependia de sua subordinação a Deus de um modo natural, como fez Deus um modo de obediência moral, Gn 1:26-28, Sl 8:6-8. O homem como foi dito, é uma criatura feita por Deus, que por ele Deus pode receber a glória que almeja e em toda a criação inanimada. Este era o objetivo de nossa natureza em seu estado original. Para o qual somos novamente restaurados em Cristo: Tiago 1:18. Mas a entrada do pecado lançou toda esta ordem em confusão, e levou todas as coisas para a queda. Com isto ele foi privado de seu estado original em que era declarado excelentemente bom e foi lançado fora como algo sem valor – sob a carga de quem estava sobrecarregado e assim tem sido todos os dias de sua vida: Gn 3:17-18, Rm 8:20-21.
A divina natureza de nenhum modo se surpreendeu com esse desastre. Deus tinha, desde a eternidade passada, se provido de conselhos para a regeneração de todas as coisas em um melhor e mais seguro estado do que esse que se perdeu pelo pecado. Isto é, a revificação, a restituição de todas as coisas, Atos 3:19-21, ou ajuntando todas as coisas nos céus e terra em uma nova pessoa, Cristo Jesus, Ef 1:10. Apesar de que, isto pode ser mais curiosidade do que edificação em uma escrupulosa inquirição aos métodos ou ordens dos eternos decretos de Deus e a disposição deles em uma subserviência recíproca; porém isto é necessariamente da sabedoria infinita, presciência e imutabilidade de Deus – que Ele não se surpreende com nada, que Ele não lança nenhum novo conselho, por quaisquer eventos nas obras da criação. 
Todas as coisas foram dispostas por Ele nesses modos e métodos – e desde a eternidade – o qual a conduz e certamente resulta nessa glória que é enfim intencionada.

A fim de sermos cuidadosos em declarar os eternos decretos de Deus e a atual operação de Sua providência, por esta razão como a liberdade da vontade do homem, como a causa seguinte as suas ações morais, não seja assim infringida – portanto, convém sermos cuidadosos para se referir a tal liberdade injuriosa a vontade de qualquer criatura, como que Deus deva ser surpreendido, na imposição, ou mudar por qualquer de suas ações. Para "fazer conhecidas todas as suas obras desde a fundação do mundo", e em quem não há "variação nem sombra de mudança".
  1. Aqui estão, portanto os eternos conselhos de Deus, em que Ele dispôs todas as coisas em uma nova ordem, em Sua própria glória, na santificação da Igreja. E duas coisas podemos considerar: (1) Sua origem; (2) O desejo de seu cumprimento.
(1). Seu surgimento ou origem foi da divina vontade e sabedoria somente, sem qualquer relação com causas externas. Nenhuma razão pode ser dada, nenhuma causa poder ser apontada, desses conselhos, mas a vontade de Deus somente. Conseqüentemente Ele é chamado ou descrito como "o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo" (Ef. 1. 9;) "o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade" verso 11. "Porque quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém." Rm. 11. 34–36.

A encarnação de Cristo e Sua mediação, não foram a causa desse eterno conselho de Deus, mas os efeitos dela, como as Escrituras constantemente declaram. Mas, o desígnio de seu cumprimento estava na pessoa do Filho somente. Como Ele é a essência da sabedoria de Deus, todas as coisas foram primeiro criadas por Ele. Mas vendo a ruína de tudo por causa do pecado, Deus viria por Ele — como ele foi pré-ordenado para encarnar — restaurou todas as coisas. Todo o conselho de Deus neste objetivo está centrado nEle somente. Consequentemente de seu fundamento é corretamente dito ser depositado nEle , e é declarado assim pelo apóstolo: Ef 1:4. Para o surgimento da santificação e salvação da Igreja na eleição, o decreto de quem abrangeria os conselhos de Deus relativos a Ele.

Portanto, Deus ter "elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade" (2 Ts. 2. 13;) que é o único objetivo que Ele designou, o outro, o seu sentido e modo. Mas isso Ele fez em Cristo; "ele nos escolheu antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor"; que é "para a salvação, em santificação do Espírito".
E nELE não estávamos verdadeiramente, nem pela fé, antes da fundação do mundo; ainda estávamos então escolhidos nEle, como o único fundamento da execução de todos os conselhos em relação a nossa santificação e salvação. Desse modo todas as coisas foram originalmente feitas e criadas por Ele, como Ele é a essencial sabedoria de Deus – assim todas as coisas são renovadas e regeneradas por Ele, como Ele é a provisional sabedoria de Deus, pela Sua encarnação.

Portanto, todas essas coisas são ajuntadas e comparadas em Sua glória. Ele "é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência". (Cl 1:15-18)
Duas coisas, como o fundamento atribuídas ao Senhor Jesus Cristo na exposição desse raciocínio, são declaradas: verso 15, que Ele é "a imagem do Deus invisível" e que Ele é "o primogênito de toda a criação"; coisas que parecem muito distantes de si mesmas, mas gloriosamente são unidas e centradas em Sua pessoa.

Ele é a "imagem do Deus invisível" ou como é expressado em outras passagens, Ele é "em forma de Deus" – Sua forma essencial, não há nenhuma outra forma na divina natureza – e "o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa".
Ele é chamado aqui de o "Deus invisível", não absolutamente em relação a Sua essência, ainda que seja verdade – a divina essência sendo absolutamente invisível e de tal modo equivalente, se considerar como no Pai ou no Filho – mas Ele é chamado assim em relação aos Seus conselhos, Sua vontade, Seu amor e Sua graça. Por essa razão ninguém jamais o viu em qualquer época; mas seu único primogênito, que está no seio do Pai, declara dEle: João 1:18.

Como Ele é assim essencialmente, a eterna imagem do Deus invisível, Sua sabedoria e poder – a eficiência da primeira criação e esta existência consistente, é descrita nEle: "Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis".
E por causa do grande conceito e compreensão que de certo modo então havia no mundo – especialmente entre os judeus, de quem o apóstolo tinha consideração nesta epístola – da grandeza e glória da parte invisível da criação no céu, ele menciona-os em particular, sob a glória máxima que qualquer posição poderia ter, ou de então, descreve-a – "Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele" – a mesma expressão é empregada por Deus em Rm 11:36 e Ap 4:11.

Acrescentando até agora outros trechos para este propósito, João1:1-3, Hb 1:1-3 e esses que não estão sob a eficácia das obsessões espirituais, não podem mas ficam perplexos ante a capacidade do descrente, de sua ignorância e cegueira das mentes e a astúcia de Satanás, nos que negam a divina natureza de Jesus Cristo.
Pelo que o apóstolo plenamente afirma, essas obras da criação demonstram o eterno poder e divindade dEle por quem eles foram criados; (Rm 1;19-20) e não somente por esta razão, mas é indiscutivelmente evidente à luz da natureza: esta criação sendo diretamente, expressamente, freqüentemente afirmada que todas as coisas, absolutamente e em suas divisões nos céus e terra com as coisas contidas respectivamente nelas foram feitas e criadas por Cristo – é a suprema rebelião contra a luz e ensinos de Deus, não acreditar em Sua divina existência e poder.

Novamente é acrescido que Ele é "o primogênito de toda a criação"; que principalmente relaciona a nova criação como é declarada (vers. 18) "E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência". Para nEle estar todos os conselhos de Deus depositados para a recuperação de todas as coisas em si mesmo – quando encarnou. E o cumprimento desses conselhos de Deus por Ele, o apóstolo declara extensivamente em diversos versículos. E essas coisas são ambas unidas e integradas neste ponto. Como Deus Pai nada fez primeiro na criação mas através do Filho – como Sua eterna sabedoria (John 1:3, Hb 1:2, Pv 8) assim Ele não intencionou nada na nova criação, ou restauração de todas as coisas em Sua glória, mas nEle – como Ele havia sido encarnado. Para que em Sua pessoa fossem depositados todos os fundamentos dos conselhos de Deus para a santificação e salvação da Igreja.

Nisso Ele é glorificado e em um modo extraordinariamente inexprimível toda a glória que há nEle da primeira criação, tinha todas as coisas permanentes em sua primitiva constituição.

SUA PESSOA, POR ESSA RAZÃO, É O FUNDAMENTO DA IGREJA – O GRANDE MISTÉRIO DA DIVINDADE, OU A CRENÇA QUE PROFESSAMOS – A GENUÍNA VIDA E ALMA DE TODA VERDADE ESPIRITUAL – EM QUE OS CONSELHOS DE SABEDORIA, GRAÇA E BONDADE, PARA A REDENÇÃO, VOCAÇÃO, SANTIFICAÇÃO E SALVAÇÃO DA IGREJA SEJAM TODOS POSTOS NELE E POR ELE TUDO VENHA A SER CUMPRIDO.

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte: Livro Christologia

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net