JOHN A. BROADUS
Por John R. Sampey, D. D. , LL.D.
Histórias de Vida de Grandes Batistas
Biblical Recorder, 1932
 
Dr. Thomas Armitage, na sua "História dos Batistas", estampa na capa uma foto de John A. Broadus como um representante Batista. Foi um gracioso elogio dignamente considerado. O doutor Broadus amava a grande irmandade Batista, e foi profundamente amado por Batistas em todas as partes do mundo.
 
John Albert Broadus pertencia a uma família que deu ao mundo muitos pregadores Batistas, alguns dos quais foram de grande influência. Ele nasceu no Condado de Culpepper, Virgínia, em 24 de janeiro de 1827. Morreu em Louisville, Kentucky, em 16 de março de 1895. Ele era filho do major Edmund Broadus, um cavalheiro de caráter e talento, que por muitos anos representou o seu condado na legislatura do estado da Virgínia. Major Broadus deu muita atenção para a educação de seus filhos, sendo ele próprio um professor de grande capacidade. John Albert Broadus era um aluno ambicioso e ao longo de sua vida escolar esteve à frente de seus colegas. Ele era prolífico e tinha uma grande capacidade de labutar incessantemente. Ele teve um excelente treinamento em latim em sua infância. Para garantir a John as melhores vantagens educacionais da época, seu pai obteve um cargo na Universidade da Virgínia como administrador para os estudantes do estado. O pai morreu dois dias antes da formatura de seu filho na universidade. O grau de mestrado na Universidade da Virgínia, em 1850, exigiu um trabalho mais difícil do que a graduação em qualquer outra instituição americana da época. Seus professores e colegas estudantes previram para ele um grande futuro.
 
John A. Broadus foi convertido em uma longa pregação, em maio de 1843, em Culpepper, Virgínia. Nesta comunidade do país os pregadores Batistas eram de notável habilidade. O reverendo Barnett Grimsley era um homem de grandes dons e eloquência incomum. Em uma reunião alguns meses após a conversão de John, o pregador sugeriu que os cristãos devessem falar de Cristo com seus amigos não convertidos. John nunca tinha feito nada parecido com isso, mas decidiu que ele poderia se aventurar a falar com um homem não muito inteligente, chamado Sandy Jones. Isso levou a conversão de Sandy. Posteriormente, sempre que Sandy iria atravessar a rua para encontrar o amigo que o levou a Cristo, dizia: "Como vai, John? Obrigado, John". Deste primeiro esforço de ganhar almas, doutor Broadus costumava acrescentar: "E quando eu chegar à casa celestial e andar pelas ruas de ouro, eu sei que a primeira pessoa a me encontrar será Sandy, chegando e dizendo novamente: 'Olá, John, obrigado John'".
 
Com a idade de dezenove anos, sob a influência de um poderoso sermão do reverendo A.M. Poindexter, o jovem Broadus foi levado a entregar a sua vida ao ministério cristão. Seu primeiro sermão foi pregado em uma igreja presbiteriana no condado de Albemarle, Virgínia, como informado pelo doutor William McGuffey, um de seus professores na Universidade. Uma senhora que ouviu o seu primeiro sermão diz: "Havia algo na sua forma de pregar muito suplicante, muito comovente, muito convincente". Após o sermão todos estavam ansiosos para descobrir o nome "do aluno que tinha ocupado de forma tão digna o lugar do instruído professor".
 
Em 1851, o senhor Broadus foi chamado para o pastorado da Igreja Batista em Charlottesville. A ele também foi oferecido o cargo de assistente de instrutor de línguas antigas na universidade. Ele aceitou ambos os cargos e tornou-se igualmente notável como pregador e professor. Durante dois anos, 1855-1857, o senhor Broadus foi capelão da Universidade da Virgínia.
 
Em maio de 1857, ele participou do Congresso Teológico em Louisville, Kentucky, o que levou à organização do Seminário Teológico Batista do Sul em Greenville, na Carolina do Sul, dois anos depois.
 
O comitê para elaborar os planos para a nova instituição consistia de: James P. Boyce, John A. Broadus, Basil Manly Jr., E.T. Winkler e William Williams, todos os quais foram eleitos, mais tarde, para lecionar na nova instituição. Com a exceção de Winkler, estes homens constituíram a faculdade original do novo Seminário.
 
Isso custou a John A. Broadus uma luta árdua para sair do pastorado em 1859 para se tornar professor no Seminário do Sul. Ele foi ensinar duas grandes disciplinas: Interpretação do Novo Testamento (inglês e grego), e Homilética. Ele tornou-se um mestre nas duas disciplinas. Seus padrões de trabalho eram muito altos e sua saúde foi afetada no meio de sua primeira sessão como professor no Seminário. Seus colegas generosamente cuidaram de seu trabalho durante várias semanas. Em suas "Memórias de James P. Boyce", o doutor Broadus conta como ele foi convidado para acompanhar o doutor Boyce em sua primeira visita a Charleston, Carolina do Sul: "A viagem começou às quatro da manhã e continuou até por volta da meia-noite, mas ele envolveu seu amigo em uma maravilhosa cobertura, "um verdadeiro milagre de brandura e cordialidade", e quando chegamos em Charleston levou-o em seus próprios braços da carruagem ao seu quarto no hotel. Ele parecia forte como um gigante, e terno como uma mulher".
 
A Guerra de Secessão eclodiu durante o segundo ano do novo Seminário em Greenville. A instituição fechou suas portas no meio do terceiro ano e permaneceu fechada até o outono de 1865. No verão de 1865 o doutor Broadus serviu por cerca de três meses como missionário no exército do general Lee. Um de seus ex-alunos, que era capelão no exército da Virgínia do Norte, assim descreve seu ministério aos soldados: "Ele atraía grandes multidões e quando olhava para os olhos daqueles homens endurecidos por causa de tantas batalhas e percebia que eles ponderariam ele os convocava a qualquer momento para outra batalha, para a eternidade; sua alma era agitada dentro dele, e eu nunca o ouvi pregar com tão bela simplicidade e poder penetrante do antigo Evangelho, que ele tanto amava. Uma e outra vez faria as vastas congregações se comoverem sob o poder do grande pregador, e os homens 'desabituados de se comoverem' iriam chorar de emoção incontrolável". General Robert E. Lee chegou a ter uma elevada consideração do doutor Broadus como pregador e convidou-o a pregar o sermão de formatura no Washington College, em junho de 1867.
 
Quando os quatro jovens professores no Seminário do Sul reuniram-se em Greenville, no final do verão de 1865 a possibilidade de reabertura da instituição era uma séria questão. Após um intenso debate, doutor Broadus disse: "Suponha que resolutamente concordemos que o seminário possa vir a morrer, mas nós morreremos primeiro". Eles se curvaram em oração, e permaneceram juntos para o resto de suas vidas. A luta foi longa e difícil, mas cada homem manteve sua promessa, e assim eles lançaram as bases para a maior escola teológica Batista do mundo. Durante o período de 1865-66, havia apenas sete estudantes no seminário, um dos quais era um homem cego. Doutor Broadus lecionou para este cego em Homilética. Estas aulas, cinco anos depois, apareceram em forma de livro como "Sobre a Preparação e Entrega de Sermões". Este trabalho admirável sobre a pregação ocupou seu lugar por mais de sessenta anos, como a abordagem mais popular e útil da divina arte da pregação.
 
Quando a saúde do doutor Broadus foi abalada em 1870, ele convenceu os administradores a conceder-lhe licença de um ano na Europa, com salário continuado e dinheiro para despesas de viagem. Durante este ano no exterior doutor Broadus teve a oportunidade de ouvir o senhor Spurgeon, Canon Liddon e outros grandes pregadores e formar amizades pessoais com grandes estudiosos como Bispo Ellicott, Professor J.B. Lightfoot e doutor B.F. Westcott. Ele passou seis semanas na Terra Santa, e inspirou-se no estudo de pinturas, estátuas e arquitetura na Europa. Ele era qualificado por seus estudos anteriores para apreciar tudo o que viu e ouviu, e foi muito enriquecido em mente e coração por este ano no exterior.
 
Durante a longa luta pela vida do Seminário entre 1865 e 1877 o doutor Broadus foi o mais proeminente professor no seminário. Não esquecemos o seu testemunho a respeito de seu talentoso colega, o doutor William Williams: "Ele é um homem nobre, de grande capacidade, e é o melhor professor que eu já conheci". Doutor Toy e Whitsitt também estavam fazendo trabalho acadêmico da mais alta ordem. Doutor Broadus e Williams eram os pregadores proeminentes deste grupo. Os alunos vinham de longe de uma pregação realizada por qualquer um desses querendo saber como outro homem poderia igualar o sermão que tinham ouvido.
 
Convites para importantes pastorados e para a presidência de instituições de ensino vinham ao doutor Broadus com crescente frequência do mesmo modo que o mundo vinha apreciar sua erudição perfeita e sua eloquência inigualável no púlpito. Ele colocava silenciosamente a sua cátedra no Seminário como a obra para o qual havia sido chamado pela providência de Deus. Ele nunca esqueceu o pacto entre ele e seus colegas de dedicar suas vidas ao Seminário do Sul. Ele não cometeu nenhum erro ao doar-se através de uma vida longa para o trabalho de ensinar e inspirar as crescentes classes de jovens que estudavam para o ministério. Ele vive em centenas de vidas que foram enriquecidas por sua instrução e seu exemplo.
 
Em 1877 o Seminário foi transferido para Louisville, Kentucky, e continuou a crescer em números e recursos até que ele se tornou o maior seminário evangélico do mundo. John A. Broadus foi o maior professor que já lecionou o Seminário. Os homens que estavam sentados na sua sala de aula nunca esqueceram suas palestras inspiradoras e sua capacidade de estimular os alunos a realizar o seu maior esforço. Ele era um sábio conselheiro e um amigo fiel. Se um de seus alunos pudesse medir tudo o que o doutor Broadus esperava dele, ele estaria completamente satisfeito. O grande mestre deixou um exemplo de prolixidade e trabalho até o fim de sua vida. Ele sempre fez o seu melhor, e o emprego de seus conhecimentos foi melhor do que o de qualquer outra pessoa.
 
Em 1886, doutor Broadus completou seu comentário sobre Mateus. Uma obra de grande erudição e ao mesmo tempo um dos comentários mais lidos que já existiram. É raro que um professor possa se destacar em duas grandes áreas. Os alunos do Seminário nunca quiseram que o doutor Broadus desistisse da Homilética ou do Novo Testamento. Nos anos posteriores, os jovens ajudaram-no em todas as suas classes, mas ele manteve a posição de chefe instrutor em ambas as disciplinas.
 
Entre os livros publicados pelo doutor Broadus podemos citar "A Harmony of the Gospels""Sermons and Addresses""Lectures on the History of Preaching", e "Jesus of Nazareth". Aqueles que ouviram o doutor Broadus no púlpito nunca podem esquecer a sua maneira, os tons de sua voz e o magnetismo com que se encantava seu público. Podemos imaginar-nos, na verdade, ao ouvi-lo como se lê um de seus sermões ou discursos. Poucos de seus sermões foram escritos na íntegra antes da entrega. O público e a ocasião sempre faziam alguma contribuição para cada sermão. O pregador era estimulado e inspirado pelo público ao qual ele ministrava. Em uma atmosfera de adoração a plenitude de sua cultura e sabedoria era trazida sob tributo e seus maravilhosos poderes de persuasão encontravam expressão. A alma do pregador encontrava as almas dos seus ouvintes e despertava em suas aspirações a uma vida mais elevada e mais rica de comunhão com Cristo. Na presença de uma personalidade magnética e franca, os homens rendiam-se ao seu domínio com plena certeza de que suas vidas seriam enriquecidas sob sua instrução e apelo. Homens não habituados com a manifestação de emoção muitas vezes eram poderosamente movidos pela mensagem do pregador. O sermão escrito, no caso do doutor Broadus, não podia se igualar em imponência com a palavra falada. Os pensamentos do pregador eram sempre bem arranjados, mas havia muito da espontaneidade e novidade nas palavras que fluíam de seus lábios na presença de um público receptivo. Esses mesmos elementos apareciam em suas palestras diante de seus alunos. Estes, muitas vezes, estavam tão completamente sob o encanto do professor que era difícil de escrever o pensamento como ele os apresentou. Os corações dos homens batiam mais rápido sob o encanto de sua entrega. Ele sabia como sentir os princípios essenciais do assunto sobre o qual ele estava falando, e ele era sempre preciso e sucinto em comunicar.
 
Durante os anos em que a vida do Seminário muitas vezes estava incerta houve momentos em que o doutor Broadus lançava uns breves discursos de apelo os quais comoviam profundamente seus ouvintes. Homens descobriam que era impossível não responder com colaboração. Sem a ajuda do doutor Broadus, seu talentoso colega que fundou o Seminário do Sul não poderia tê-lo mantido vivo durante o período que se seguiu a Guerra de Secessão. A amizade entre Boyce e Broadus era como a de Davi e Jônatas. Eles se amavam e admiravam um ao outro, e cada um iria crescer de forma eloquente falando de seu companheiro e amigo.
 
Doutor Broadus sobreviveu a seus três colegas. Ele presidiu a cerimônia fúnebre de Williams, Boyce e Manly. Pareceu a alguns de seus amigos que o doutor Broadus trazia em sua própria personalidade as melhores coisas do caráter de seus grandes colegas como eles repassaram ​​para a vida além. Enquanto Broadus viveu, seus três amigos e colegas viveram nele e através dele.
 
Doutor Broadus fez muito para trazer Batistas do norte e do sul juntos em comunhão. Ele poderia falar de pessoas do sul para o público do norte, e das pessoas do norte para o público do sul. Seu conhecimento da irmandade Batista na América e em todo o mundo permitiu-lhe falar a seus irmãos de uma região e país para os de outras regiões e países. Ele era um grande pacificador.
 
Por 17 anos o Doutor Broadus foi membro do Comitê Internacional de Escolas Bíblicas Dominicais. Perto do fim de sua vida foi considerado por seus colegas do Comitê como seu maior estudioso e seu líder mais sábio na seleção das aulas para as escolas dominicais da América do Norte. Ele foi convidado pela Comissão para fazer o primeiro esboço das lições, e o trabalho foi tão bem feito que somente pequenas alterações de sua obra foram feitas por toda a comissão. Na seleção de aulas que foram usadas por milhões de alunos e professores, ele prestou um serviço notável para o cristianismo evangélico.
 
Na Convenção Batista do Sul o Doutor Broadus chegou a ter um lugar bastante singular. Ele não foi apenas o maior pregador entre os Batistas do Sul, mas também um dos líderes mais sábios. Os irmãos estavam sempre felizes quando ele se levantava para falar sobre qualquer assunto, e eles iriam seguir suas palavras com a respiração suspensa. Em certas crises na vida da Convenção, foi Broadus quem mostrou a saída. Homens simples e sem instrução podiam compreendê-lo, e eles vieram a confiar nele como um líder seguro. Ele estava consciente das deficiências da nossa vida denominacional ultrademocrática, mas ele acreditou em nossas doutrinas e política Batistas. Ele manteve a confiança e lealdade da irmandade Batista até o fim de sua vida. Nosso mundo parecia ser diferente, quando ele se foi. Em tempos de perplexidade homens encontraram-se perguntando "O que o doutor Broadus diria disso? O que ele nos aconselharia a fazer?". Perdemos muito dele como os primeiros cristãos devem ter perdido com o apóstolo Paulo, quando ele partiu "para estar com Cristo".
    

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net