JOHN MACARTHUR E O LIBERALISMO CULTURAL

  Por David Cloud

A primeira parte deste artigo está no site da Middletown Bible Church, Middletown, Connecticut (sem data): http://www.middletownbiblechurch.org/separate/macrock.htm

John MacArthur foi o anfitrião de uma conferência de jovens chamada "Resolved Conference". Milhares de jovens participaram e ouviram letras cristãs ao som da batida dos tambores do rock. Não há dúvida de que a música rock é aceita e aprovada por John MacArthur e sua igreja. Isto pode ser verificado no site do ministério “Resolved”: [http://www.resolved.org/].  
 
Peter Masters, pastor do famoso Tabernáculo Metropolitano em Londres, onde Spurgeon pregou, escreveu um artigo intitulado "The Merger of Calvinism with Worldliness" [A Fusão do Calvinismo com o Mundanismo]. Eis um trecho:   
 
"Quando eu era um jovem e recém salvo, parecia que o principal objetivo de todo cristão zeloso, quer fosse calvinista ou arminiano, era a consagração. Sermões, livros e conferências enfatizavam isso no espírito de Romanos 12:1-2, onde a súplica do apóstolo conclama os crentes a apresentarem seus corpos em um sacrifício vivo e não ser conformado com este mundo. O coração era desafiado e estimulado. Cristo era para ser o Senhor da vida de cada um, e eu deveria me entregar no altar do serviço dEle".   
 
"Mas agora, ao que parece, há um novo Calvinismo, com novos calvinistas, que tem lançado os antigos objetivos para longe. Um recente livro, Young, Restless, Reformed, de Collin Hansen conta a história de como um pretenso ressurgimento calvinista tem capturado as imaginações de milhares de jovens nos Estados Unidos, e este livro tem sido examinado com grande entusiasmo em bem conhecidas publicações no Reino Unido, tais como Banner of Truth, Evangelical Times e Reformation Today. Este escritor, entretanto, foi muito decepcionante de ler, porque descreve um Calvinismo seriamente distorcido, que pende para longe, muito longe de uma autêntica vida de obediência a um Deus soberano. Se este tipo de Calvinismo prosperar, então a genuína piedade bíblica estará sob ataque como nunca antes. O autor do livro é um jovem (por volta de 26 anos quando o escreveu) que cresceu em uma família cristã e foi treinado no jornalismo secular. Somos gratos a ele pela pesquisa acessível e de grande alcance que fornece sobre este novo fenômeno, mas o panorama desenhado por ele certamente não é feliz".     
 
"O autor começa ao descrever a ‘Paixão’, conferência em Atlanta, em 2007, onde 21.000 jovens apreciavam a música gospel, e ouviam palestrantes como John Piper a proclamar sentimentos calvinistas. E esta imagem é repetida muitas vezes ao longo do livro – grandes conferências sendo descritas como o sincretismo de mundanismo, sentimento de agitação, altos decibéis, música rítmica, sendo misturada com doutrina calvinista". 
 
"Falamos de música ensurdecedora, milhares de mãos levantadas, letras de rap e hip-hop 'cristão' (os exemplos parecem absurdos e impraticáveis na estrutura do texto) unindo as doutrinas da graça com as imorais formas de música induzidas pelas drogas do mundanismo cultural. Resoluta [N.T.: em alusão ao título da conferência] é a mente criativa de um membro da equipe pastoral de John MacArthur, reunindo milhares de jovens anualmente, e se caracterizando pela usual mistura de Calvinismo e adoração ao estilo carismático extremo. Jovens são encorajados a sentir a mesma sensação nervosa impactante da pesada música rítmica no corpo que eles experimentariam em um grande e mundano concerto pop, com a mesma iluminação e atmosfera replicadas. Ao mesmo tempo eles refletem sobre a predestinação e a eleição. O mundanismo cultural provê o sentimento físico, emocional, em que pensamentos cristãos são infundidos e espalhados. Sentimentos bíblicos são aproveitados para o entretenimento carnal" (As imagens desta conferência em seu site evidenciam a atmosfera totalmente mundana, de um show business criado pelos organizadores).      
 
"Verdadeiramente proclamada, a soberania de Deus deve incluir consagração, reverência, obediência sincera a Sua vontade, e separação do mundo".
 

"Você não pode ter soteriologia puritana sem santificação puritana. Você não deve atrair as pessoas para a pregação calvinista (ou qualquer outra) usando como isca o mundanismo. Esperamos que os jovens neste movimento venham a compreender as implicações das doutrinas melhor do que aqueles que os ensinam, e abandonem o seu comprometimento com o mundo. Mas há um desastre iminente na promoção desta nova forma de Calvinismo" (Peter Masters).     

A tolerância e a aprovação de MacArthur da música rock em sua própria igreja é um embaraço à luz das excelentes declarações que ele já fez no passado contra este estilo de música:  

"Nossa música não pode ser como a música do mundo, porque nosso Deus não é como os seus deuses. A maior parte da música do mundo reflete o estilo do mundo, os padrões do mundo, as atitudes do mundo, os deuses do mundo. Tentar usar tal tipo de música para alcançar o mundo é rebaixar o evangelho para o espalhar. Se o mundo ao ouvir nossas músicas perceber que não são muito diferentes das suas, será também inclinado a acreditar que o caminho da vida cristã não é muito diferente dos seus" (The MacArthur New Testament Commentary (1986)discussion of Ephesians 5:20, p. 260).

"A associação de hard rock com violência, blasfêmia, sadomasoquismo, imoralidade sexual e perversão, álcool e drogas, misticismo oriental e o ocultismo não é casual. Eles são alimentados pela mesma fonte ímpia. Um famoso cantor de rock uma vez disse: 'O rock sempre foi a música do diabo. Ele nos deixa nos mais baixos níveis'. Colocando uma mensagem cristã nessa forma de música [estilo rock] não a eleva, mas rebaixa a mensagem ao nível já estabelecido na cultura por esse meio" (The MacArthur New Testament Commentary,  discussion of Ephesians 5:20, p. 261).
 
"Deve ser observado que muitos artistas contemporâneos que pensam estar usando sua música ao estilo rock para evangelizar os perdidos estão fazendo nada mais do que contribuir para o enfraquecimento da igreja. Evangelizar com música contemporânea tem muitas falhas sérias. Isso tende a criar orgulho nos músicos ao invés de humildade. Torna o evangelho uma questão de entretenimento quando não há nenhuma coisa nele que seja para entreter. Faz com que se tornem proclamadores públicos do cristianismo aqueles que são populares e talentosos aos olhos do mundo, ao invés daqueles que tem o dom e são piedosos pregadores da verdade de Deus. Ao usar os gêneros de música do mundo, torna indistinto o espaço entre os valores da música satânica e da divina. Isso tende a negar o poder da simplicidade do evangelho e a soberana obra de salvação do Espírito Santo. Cria um grande abismo entre as gerações na igreja, contribuindo assim para a desunião e falta de relacionamento na comunhão de todos os crentes. Leva a propagação da má ou fraca teologia e arrasta o nome do Senhor para o nível do mundo. A música do evangelho certamente não é um meio legítimo de fazer dinheiro ou de buscar fama, e nunca deve ser permitido baratear o que é precioso, ou trivializar o que é profundo" (The MacArthur New Testament Commentary, discussion of Ephesians 5:19, p. 257).

"A música rock, com sua atonalidade bombástica e dissonância, é o reflexo da incorrigível, anormal, despropositada filosofia que rejeita tanto Deus quanto a razão e vagueia sem orientação em um mar de relatividade e desenfreada auto-expressão. A música não tem progressão lógica porque vem de uma filosofia que renuncia a lógica. Ela viola o cérebro porque a sua filosofia viola a razão. Ela viola o espírito porque a sua filosofia viola a verdade e a bondade. E ela viola a Deus, porque sua filosofia viola toda a autoridade fora de si" (The MacArthur New Testament Commentary, discussion of Ephesians 5:19-20, p. 261).
   
"Ela [a música rock] faz isso ao alimentar o orgulho, sendo baseada na emoção, ao apelar para a carne, ao diluir a mensagem, ao enviar uma falsa impressão da natureza do evangelho, e ao baratear a vida cristã" [http://data.bereanwife.com/ccm_pdf.pdf].
 
"Agora eu acredito que basicamente falando, a música rock em si é problemática. E eu creio que por muitas razões. Uma é: a música rock é um produto de uma geração desorientada, sem esperança, relacionada com drogas e louca por sexo. Não há dúvida quanto a isso. O primeiro cantor de rock foi Elvis Presley, que morreu pelas drogas e que teve várias mulheres, você sabe, continuamente. E ele deu surgimento a toda uma geração do rock. Ele foi o primeiro, e todas as suas atitudes foram sexuais, sensuais, você sabe; era terrível. Hoje em dia achamos que ele foi cômico porque estamos longe daquela época. Mas o linguajar da música rock neste ponto em particular representa uma geração que eu tenho real problema em identificar. E o que acontece é que se você coloca uma mensagem cristã nesse linguajar, eu acho que o cristianismo sofre imensamente porque eu não acho que você pode pegar esse tipo de mídia e usá-la para propagar uma mensagem cristã" [Transcribed from the tape, GC 1301-R, titled "Bible Questions and Answers Part 20."].
   
Estas citações de MacArthur são excelentes e concordamos plenamente com essas fortes declarações contra a música rock. Entretanto, ao tolerar e permitir música rock em sua própria igreja, MacArthur está demonstrando que está em uma área em que ele não pratica aquilo que prega. A única possibilidade que resta é que MacArthur tenha mudado sua posição sobre a música, e não mais acredita naquilo que uma vez pregou.
   
CONCLUSÃO POR DAVID CLOUD

De fato, John MacArthur está diante de dois caminhos em relação a heresia do "liberalismo cultural". De um lado ele reprova os emergentes "novos calvinistas" por seu mundanismo, enquanto se engaja em muita coisa do outro. 
 
Em uma entrevista com Alex Crain da christianity.com, que está postada no YouTube, em 18 de agosto de 2011, MacArthur disse:   

"O temor é que o poder da atração do mundo vá sugar esses caras e toda a geração após eles mais e mais para a cultura, e vamos ver um reverso do reavivamento da Reforma... Meu medo é que além disso esta coisa vá tentando acomodar a cultura, a menos que ela esteja sendo capaz de se agarrar no núcleo da doutrina" ("MacArthur Predicts Reversal of the Reformed Revival - Part 1", http://youtu.be/xYhmo5gabQU). 
  
MacArthur, que corretamente alerta que a heresia do liberalismo cultural coloca a próxima geração em risco, está se referindo a filosofia popular que foi proclamada por Mark Driscoll como a combinação de "conservadorismo teológico com liberalismo cultural" que não é uma coisa nova, mas tem sido sempre um elemento principal do Novo Evangelicalismo. Isso acarreta em coisas como rock cristão, bebedeiras, festas dançantes regadas a champagne, lições acompanhadas de cerveja, noitadas com jogos de azar, "adoração" com dança havaiana, análise de filmes censurados para "edificação", e concertos de música rock no contexto de "adoração".     

O que MacArthur diz sobre o perigo do liberalismo cultural é verdade, mas a condenação que ele faz é grosseiramente ineficaz e hipócrita porque ele é culpado por ela.
 
O 'Camp Regeneration', um acampamento de jovens onde MacArthur recebe "igrejas de toda a nação a cada mês de julho", é cheio do liberalismo cultural.

Meninos e meninas vestidos imodestamente, participando de atividades questionáveis (tais como meninas se cobrindo com lama molhada na presença de meninos), e música rock e rap executada por artistas de hip-hop tatuados e com brincos nas orelhas em uma atmosfera de auditório escuro, luzes intermitentes e fumaça.  

O Master's College, que é dirigido por MacArthur, recebeu um concerto de hip-hop em dezembro de 2011, onde se apresentaram: Lecrae, Trip Lee, Tadashii, Sho Baraka, DJ Official, e THI’SL. Os estudantes do Master’s College produzem vídeos de pop/rap/country rock com todos os esbaforidos passos de dança e covers de canções rock. Eles recebem um evento no final do outono que é extremamente mundano. Em 2011 o tema era "Unrestricted Reality" e os estudantes vestiam trajes imitando personagens de Star Wars, personagens de ficção cientifica, super heróis, e da cultura pop em geral. Isso cai como uma luva nas mãos da fascinação da cultura com a fantasia e o uso dela pelo diabo para corromper a mente humana. Os jovens não desejariam se vestir dessa maneira, a menos que suas mentes e corações já estivessem amando Hollywood.
 
A semana anual de boas vindas do Master's College's se caracteriza por atividades de veraneio e festas na piscina com meninas em trajes de banho pequenos e apertados (Tudo isso é evidente das fotos colocadas no Flickr de propriedade do acampamento e da escola e de clipes do YouTube. Veja: http://www.pccmonroe.org/2011/10.htm 

Alguém pode me dizer como MacArthur está liderando o caminho contra a adaptação da sensual cultura pop e por que ele é um seguro "conservador" para se seguir? Ele está correto em observar que o liberalismo cultural irá arruinar a juventude e eventualmente destruir a sã doutrina, e seu próprio rebanho será prova disso, como os rebanhos de todo pastor tolo que segue seus passos.

Muitos Batistas fundamentalistas estão no mesmo caminho de destruição, como temos documentado no eBook gratuito "Biblical Separatism and Its Collapse Among Fundamental Baptists". Veja em www.wayoflife.org/freebooks  

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte:  Way of Life

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net