MULTIDÕES DE JOVENS NÃO ESTÃO SENDO SALVOS ATRAVÉS DA MÚSICA GOSPEL?

Por David Cloud

Promotores da música gospel afirmam que Deus a está abençoando e que muitos jovens estão sendo salvos por meio dela. O cantor de rock Mylon LeFevre chegou a afirmar que dezenas de milhares de jovens decidiram aceitar a Jesus em seus shows: “Cerca de 52 mil pessoas decidiram assinar um pequeno cartão que dizia: ‘nessa noite, pela primeira vez, eu entendi quem é Jesus e como Ele faz  as coisas, e eu quero que Ele seja o meu Senhor’”  (LeFevre, cited by John Styll, “Mylon LeFevre: The Solid Rocker,” CCM Magazine, March 1986).

Esta é uma estatística incrível por qualquer padrão, especialmente a luz do fato que LeFevre admitiu que não andava nos caminhos do Senhor até 1980 e a declaração acima foi feita em 1986.

Muitos outros artistas gospel afirmam que pessoas estão sendo salvas por meio de seus ministérios. O 12º Festival Rock of Ages em Napa County, California, em outubro de 2010, relata que 250 pessoas foram salvas.

O livro Soul 2 Soul contém testemunhos de grupos de música gospel como 4 Him e DC Talk. Eles dizem que pessoas foram até mesmo resgatadas de cometer suicídio através de suas músicas.


Eu sou grato a Deus por cada alma que é salva, independente se concordamos ou não em todos os pontos que envolvem a conversão. Eu acredito que alguns grupos gospel estão genuinamente interessados na salvação dos jovens através de suas músicas e apresentações, e eu acredito que alguns jovens estão sendo salvos no contexto da música gospel.

Porém, se pessoas estão sendo salvas através de um ministério, não significa, contudo, que isto seja uma ordem divina. Muitos foram salvos pelo ministério de Billy Graham, incluindo minha própria esposa e sogra, mas isto não quer dizer que devemos desconsiderar o seu nocivo e não bíblico evangelismo ecumênico, de orientar os seus novos convertidos a voltarem para a igreja católica e aos protestantes liberais. Jeosafá foi um rei piedoso e fez muitas coisas para glorificar a Deus durante sua vida e ministério, mas o profeta foi instruído a reprová-lo por sua desobediência em unir-se ao rei Acabe.


E Jeú, filho de Hanani, o vidente, saiu ao encontro do rei Jeosafá e lhe disse: Devias tu ajudar ao ímpio, e amar aqueles que odeiam ao SENHOR? Por isso virá sobre ti grande ira da parte do SENHOR. (2 Crônicas 19:2).

 

A desobediência de Jeosafá é semelhante ao dos evangélicos de hoje (incluindo músicos cristãos) que se recusam a praticar a separação bíblica. Só porque uma igreja ou ministério agrada a Deus em determinadas áreas não significa que Deus não vai repreendê-la por sua infidelidade em outras. As admoestações do Senhor às sete igrejas da Ásia em Apocalipse 2-3 ilustram isso. Jesus não negligenciou áreas de desobediência, mesmo na melhor das igrejas, e são os pregadores que Deus usa para repreender o erro hoje.Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. (2 Timóteo 4:2). Paulo não deixou passar a desobediência de Pedro em um assunto aparentemente insignificante, mas o repreendeu publicamente (Gálatas 2:11-13).

Eu quero lembrar aos defensores da música gospel que Deus nos diz como fazer evangelismo, e não existe absolutamente nada na Bíblia sobre evangelismo com o uso de música. O Evangelho é o poder de Deus para a salvação (Romanos 1:16) e a Bíblia também diz que Deus escolheu salvar as pessoas através da loucura da pregação (I Coríntios 1:21). Quando alguém é salvo no contexto da música gospel, eu não acredito que seja por causa dela, mas sim apesar dela.

 
Além do mais, eu tenho sérias dúvidas sobre as estatísticas que são apresentadas dos grandes números de pessoas sendo salvas através da música gospel e estas são as seguintes razões das minhas dúvidas:   


PRIMEIRO, AS DECISÕES SÃO SUSPEITAS POR CAUSA DA MENSAGEM EMBUTIDA NAS COMPOSIÇÕES

 

A salvação é somente através de arrependimento e fé no único e verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo. A salvação é somente através da sã doutrina. A salvação não ocorre através de uma falsa doutrina do Evangelho. Observe a seguinte Escritura cuidadosamente:

 

Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, OBEDECESTES DE CORAÇÃO À FORMA DE DOUTRINA A QUE FOSTES ENTREGUES. (Romanos 6:17).

                                                       

As seguintes passagens nos lembram que a salvação é através de ouvir e crer nas PALAVRAS do Evangelho:

O qual te dirá PALAVRAS COM QUE TE SALVES, TU E TODA A TUA CASA. (Atos 11:14).

Em quem também vós estais, depois que ouvistes a PALAVRA DA VERDADE, O EVANGELHO DA VOSSA SALVAÇÃO; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa” (Efésios 1:13).

 

Por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual já antes ouvistes PELA PALAVRA DA VERDADE do evangelho, Que chegou a vós, como também está em todo o mundo; e já vai frutificando, como também entre vós, desde o dia em que ouvistes e conhecestes a graça de Deus em verdade” (Colossenses 1:5-6).

 verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo está sumarizado na I Coríntios 15:

Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”.  


Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. Porque, se alguém for pregar-vos OUTRO JESUS que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou OUTRO EVANGELHO que não abraçastes, com razão o sofreríeis. (2 Coríntios 11:3-4).

Os gálatas foram duramente reprovados por terem passado rapidamente para um falso evangelho:

Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para OUTRO EVANGELHO; O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. (Gálatas 1:6-7)


À luz desses alertas da Bíblia, devemos levantar algumas sérias questões sobre as afirmações do movimento de música gospel. Qual evangelho, qual doutrina de salvação está sendo pregada? A resposta é que o Evangelho é raramente claro e correto no contexto de um show de música gospel. Há exceções, é claro, mas alguns deste movimento admitem que isto é geralmente verdade. 

 

“Uma das minhas críticas àqueles de nós que usam música no evangelismo é quanto a natureza e o conteúdo do “evangelho” que é pregado. COM DEMASIADA FREQUÊNCIA, UM TIPO SUPERFICIAL DE CRENÇA É OFERECIDA, junto com promessas de grandes porções de amor, alegria e paz” (Graham Kendrick, CCM musician and organizer for British rock festivals, Pop Goes the Gospel, p. 142).

 

“Uma análise das letras da MAIORIA das composições gospel indica uma VISÃO DA SALVAÇÃO MUITO SUPERCIAL bem como do cristianismo” (Garth Hewitt, CCM musician, Pop Goes the Gospel, p. 142).

Stan Moser foi o primeiro diretor da Word Records e CEO da Star Song Records.
Ele foi um dos pioneiros e mais importantes executivos da música gospel americana. Também foi o responsável por lançar a cantora Amy Grant. Em 1995, depois de 25 anos atuando no mercado gospel, ele deixou esse movimento e expressou seu desgosto com o que ele se tornou. Observe seu testemunho sobre o conteúdo doutrinário da música gospel:

"Mas, para ser sincero, A MAIOR PARTE DA MÚSICA GOSPEL QUE EU OUÇO HOJE É SEM SENTIDO. ... Eu provavelmente estaria mais inclinado a chamá-la de "indústria da música gospel", em vez de "música cristã contemporânea" (Stan Moser, “We Have Created a Monster,” Christianity Today, May 20, 1996, p. 27).

Kerry Livgren, ex-guitarrista e compositor do grupo de rock secular Kansas, afirmou que muitas pessoas foram salvas através de uma música que ele escreveu antes de se tornar um cristão! "Mais pessoas foram levadas a Cristo [com a música "Dust in the Wind"] do que com qualquer outra coisa que eu já escrevi. Essa canção não menciona Jesus, mas eu não era cristão na época. Apenas passou a ser uma verdade que a música enfatizou" (Kerry Livgren, CCM Magazine, Feb. 1989, p. 8).

Livgren está dizendo que muitos foram salvos através de uma canção de rock que foi escrita por um homem não salvo, que não menciona Jesus e não descreve o evangelho de Sua morte, sepultamento e ressurreição. Isso é ridículo e anti-bíblico.
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro NOME há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos. (Atos 4:12).  Este é o Evangelho da morte, sepultamento e ressurreição de Jesus Cristo que é o poder de Deus para a salvação através da fé (Rm 1:16).

 

O nome de Jesus Cristo não aparece uma vez sequer em três álbuns de Michael Smith: Change Your World, I’ll Lead You Home, e Live Your Life. As letras dos álbuns contêm mais de 6000 palavras, mas o nome de Jesus Cristo não aparece nenhuma vez. A Bíblia diz que não há outro NOME debaixo do céu dado entre os homens pelo qual devamos ser salvos (Atos 4:12). É impossível pregar o Evangelho claramente sem citar o nome de Cristo Jesus.

 

Esta é a descrição de uma testemunha ocular em um show gospel:

Quando chegou o momento da 'pregação', os membros do ministério se revezavam falando sobre amor e vitória e de não ser um "covarde". Nada sobre o arrependimento. Nada sobre a salvação ou a separação do mundo. Em vez disso, o que aconteceu foi uma espécie de ritual, onde todos os presentes foram instruídos a gritar ao mesmo tempo por Jesus (Jeff Godwin, What’s Wrong with Christian Rock? pp. 225, 226).

Eis o relato de uma testemunha ocular da mensagem apresentada pela banda americana News Boys durante sua turnê de 1997, “Take Me to Your Leader”. Essa turnê foi escolhida a “número 1” pela CCM Magazine:
“Então a música parou e o que era para ser a mensagem do Evangelho tinha começado. Um dos integrantes da banda foi escolhido para este propósito, dizendo que deveríamos ter uma paixão por nossa fé, que as pessoas deveriam ver que éramos diferentes, que deveríamos ser o sal da terra, que deveríamos dizer aos nossos amigos o que Jesus fez em nossas vidas e como Deus nos mudou. Ele disse como o sal preservava, e como deveríamos ajudar a parar com a decadência e corrupção do mundo; se perdêssemos essa capacidade de sermos como o sal, não prestaríamos para mais nada... Em suma, ele disse para os que não conheciam a Jesus que perguntassem para aqueles que vieram ou alguém que os acompanhava sobre o que Jesus fez em suas vidas antes de voltar a tocar a sua música rock”.
(John Beardsley, “The Invasion Begins: A Review of the News Boys Take Me to Your Leader Tour,” The Christian Conscience, 1997).


Essa foi a única mensagem dada. A esses jovens não foi dito nada sobre a sua condição caída. Eles não foram alertados sobre o inferno eterno. A eles nada foi dito sobre o Evangelho. Não lhes foi explicado como serem salvos. Devemos lembrar, também, que as letras dessa banda de rock gospel eram vagas. Além do mais, as letras são quase impossíveis de se entender por cauda da turbulenta música.

Até mesmo a crítica especializada de uma publicação secular notou a falta de clareza da mensagem durante a turnê Take Me to Your Leader dos New Boys. “Ainda que a maior parte dos refrões sejam honestos, OS VERSOS SÃO DIFÍCEIS DE ENCAIXAR, UMA FALHA QUE SERVE PARA TRIVIALIZAR A MENSAGEM DESSA BANDA CRISTÃ, que tendo letras que possuem buracos demais para serem preenchidos, A MENSAGEM DA BANDA ACABA POR SE PERDER EM ALGUM LUGAR NO CAMPO DA MÚSICA ALTERNATIVA” (Rapid City Journal, Rapid City, South Dakota, May 13, 1997).

 
A coletânea “WOW” de 1998 contém as 30 composições que alcançaram o topo das paradas americanas naquele ano, nos abrindo uma janela para o mundo da música gospel. A capa do CD diz: “Esta é a música que pode fazer uma diferença eterna”, porém, não há uma clara apresentação do Evangelho em nenhuma das músicas. Como então pode fazer uma diferença eterna?   

Poderíamos dar incontáveis outros exemplos disto, mas para mim é óbvio que uma grande porcentagem das “decisões” feitas no contexto da música gospel são suspeitas porque a mensagem que está sendo apresentada não é clara ou escancaradamente não é bíblica. Existem exceções, claro, mas exceções não são a regra.



SEGUNDO, AS DECISÕES FEITAS NO CONTEXTO DA MÚSICA GOSPEL SÃO SUSPEITAS POR CAUSA DA ATMOSFERA CRIADA PELA MÚSICA EM SI


Não somente as estatísticas de conversões do meio gospel são suspeitas por causa da mensagem obscura, elas são também suspeitas por causa da atmosfera criada pela música em si. Uma música envolvente pode produzir decisões emocionais, mas salvação bíblica não é produto de uma decisão emocional. Ela é o resultado do Espírito Santo produzindo arrependimento e fé no Senhor Jesus Cristo através da pregação do Evangelho.

 
Veja os seguintes alertas de homens que tem um grande conhecimento sobre música:

 

“O elemento da impiedosa batida na música rock aumenta O PERIGO DE UMA RESPOSTA RASA, EMOCIONAL E IMPENSADA, feita em um nível errado e por razões erradas” (John Blanchard, Pop Goes the Gospel, p. 23).

 

“Ao colocar em nossos programas evangelísticos música manipulativa, não estamos aumentando grandemente OS RISCOS DE PRODUZIR ”CONVERSÕES" QUE SÃO MAIS PSICOLÓGICAS DO QUE ESPIRITUAIS? O arranjo não poderia ser mais perfeito. Jovens impressionáveis podem, sem dúvida, ser tão condicionados pela música ao ponto de se tornarem muito mais propensos a aceitar tudo o que o pregador diz. Acrescente um bom comunicador e as chances de se produzir 'decisões' em grande número serão impressionantes. Entretanto, O PERIGO É QUE ESSAS 'DECISÕES' SÃO O RESULTADO DE CONDICIONAMENTO MUSICAL EM VEZ DE CONVICÇÃO ESPIRITUAL” (John Blanchard, Pop Goes the Gospel).

 

“Um dia conversei com um pastor que havia sido encarregado de fazer o acompanhamento de novos convertidos após uma campanha evangelística em uma grande cidade. O “rock cristão” foi a música usada durante as reuniões. Várias centenas de jovens tinham respondido ao convite de tomar uma decisão por Cristo no final dos encontros. Eis o que ele relatou: "Poucas semanas após as reuniões eu tinha dificuldade em encontrar qualquer jovem que havia tomado a decisão. Não havia nenhum jovem nas igrejas, nenhum participando de estudos bíblicos, NENHUM TENDO UMA VIDA CONSAGRADA AO SENHOR". Ele concluiu que OS JOVENS ESTAVAM RESPONDENDO A MÚSICA MAIS DO QUE A MENSAGEM” (Lowell Hart, Satan’s Music Exposed, p. 180)

 

“Aqui está o testemunho de Phil, um jovem que foi salvo de uma banda de rock: “Em 1973 eu me tornei cristão depois de tocar com bandas de rock e de estar envolvido profissionalmente com a música por cerca de sete anos. ... Alguns cristãos bem intencionados me encorajaram a "usar meus talentos para o Senhor”, então formamos um grupo para tocar o que considerávamos ser o novo som cristão. Era nada mais do que rock secular com palavras cristãs. Pensamos que o tipo de música que tocávamos, o comprimento dos nossos cabelos e a forma como nos vestíamos seria mais eficaz para atingir outros jovens. Dávamos nosso testemunho com música suave, lenta, de fundo. Quando fazíamos o convite para vir à frente, por vezes, uma centena ou mais de adolescentes vinham. Eram estas conversões genuínas? Decidimos começar um acompanhamento. Ficamos chocados ao descobrir que quase todos tinham voltado aos seus velhos hábitos. Eu não consigo lembrar de uma pessoa sequer que eu poderia mostrar-lhe hoje como fruto do nosso ministério. PERCEBO AGORA QUE ESTAVAM RESPONDENDO À MÚSICA, NÃO AO ESPÍRITO SANTO” (Phil Wilson, June 1978, quoted in Satan’s Music Exposed, pp. 180, 181).




TERCEIRO, AS DECISÕES FEITAS NO CONTEXTO DA MÚSICA GOSPEL SÃO SUSPEITAS POR CAUSA DA SUA FALTA DE CLAREZA QUANDO EXECUTADA

                                                                 
Uma grande parte da música gospel é tão barulhenta e estridente que as palavras são difíceis de entender. Como pode o Evangelho ser apresentado como poder de salvação se as próprias palavras não são claras! Isto expõe a hipocrisia dos defensores da música gospel. Eles sabem que as mensagens frequentemente não são claras, ainda que afirmem que a mensagem que é importante e que a música é insignificante! Se eles fossem honestos, eu creio que eles seriam forçados a admitir que o que é preeminente para eles é seu amor pela música sensual.

 

Um homem que esteve em um show das bandas Audio Adrenaline e DC Talk em Rapid City, Dakota do Sul, afirmou que: “As músicas eram tão pesadas que se alguém conseguisse ouvir as palavras não conseguiria entender a mensagem dela; por isso, a reação era para a batida do rock e não para as palavras” (John Beardsley, “DC Talk Examined,” The Christian Conscience, June 1996).


Eu passei pela mesma experiência quando assisti a um show de rock promovido por uma igreja batista do sul, em Oklahoma City, em 2001. A música era tão barulhenta e maçante e os músicos cantavam de forma tão estridente que era impossível entender as letras.

 

Veja a seguinte descrição de um show de Sheila Walsh, e ela não é conhecida particularmente por ser uma cantora de rock cristão. “Para alguns de nós, entretanto, a comunicação acabava quando ela cantava, porque, frequentemente, a banda tocava de forma tão estridente que era impossível entender as palavras” (Pop Goes the Gospel, p. 159).

Quando eu estava em Nashville, Tennessee, alguns anos atrás, a caminho de uma pregação, eu ouvi a rádio ‘WAY” FM, que proclamava ser uma “rádio de hits cristãos”. Eu estava completando minha pesquisa em preparação para escrever o livro Contemporary Christian Music under the Spotlight. A certa altura eles tocaram uma gravação onde os locutores zombavam de se usar temos bíblicos para alcançar a atual geração, alegando que ninguém pode entender termos tais como “justificação”, “santificação” ou “graça”. Ao invés, esta “rádio de hits cristãos” afirmava comunicar plenamente em um nível em que as pessoas pudessem entender. Depois disso, ouvi cuidadosamente música após música para ver qual era a mensagem que eles apresentavam. Ainda que eu ouvisse por várias horas, nenhuma das composições deu uma clara mensagem do Evangelho. Nem mesmo houve algum tipo de mensagem bíblica, de qualquer tipo. Na verdade, as palavras da maioria das canções eram difíceis e até mesmo impossíveis de se entender. Cheguei a conclusão de que mesmo que fosse verdade o fato de que eles não estavam usando termos difíceis da Bíblia, também é verdade que eles não estavam comunicando uma mensagem bíblica clara, assim, sua orgulhosa pretensão é sem sentido.



QUARTO, AS DECISÕES FEITAS NO CONTEXTO DA MÚSICA GOSPEL SÃO SUSPEITAS POR CAUSA DOS FRUTOS NA VIDA DOS SUPOSTOS CONVERTIDOS

Se a música gospel é de Deus, então haverá fruto de genuína salvação, santidade, perseverança na fé, sã doutrina, discipulado cristão. Em poucas palavras, o fruto será obediência à Bíblia.

E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. (1 João 2:3-4).

Confessam que conhecem a Deus, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda a boa obra” (Tito 1:16)

As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem (João 10:27).

E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro. (1 João 3:3).

Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Coríntios 5:17).

Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus. (João 8:47).

John Blanchard pesquisou 13 agências missionárias na Grã-Bretanha para ver quantos de seus candidatos foram convertidos em shows de rock cristão. Nenhum foi encontrado. A seguinte resposta era comum nas agências: “eu não consigo lembrar de ninguém que foi convertido através deste tipo de evangelismo e que consequentemente veio a participar das nossas atividades” (Pop Goes the Gospel, pp. 110-112).

Quando decisões tomadas em shows de rock cristão na Grã-Bretanha foram mais tarde acompanhadas, verificou-se que poucas eram genuínas. Por exemplo, de 200 decisões registradas em um encontro de jovens, apenas quatro participaram das reuniões seguintes. Dos 100 alunos que fizeram "decisões" em uma escola visitada por um artista gospel, apenas um mostrou mais tarde ainda "um leve interesse" nas coisas cristãs (Pop Goes the Gospel, p. 110).


O diabo tem provido muitas alternativas ao novo nascimento e existem muitos tipos de falsas declarações de salvação. Veja os seguintes alertas da Bíblia:


* Uma pessoa pode crer em Deus, e não ser salva. (Tiago 2:19).

* Uma pessoa pode orar a Jesus, e não ser salva (Mateus 7:22-23).
* Uma pessoa pode profetizar em nome de Jesus, e não ser salva (Mateus 7:22-23).
* Uma pessoa pode fazer maravilhas em nome de Jesus, e não ser salva (Mateus 7:22-23).
* Uma pessoa pode ter um zelo por Deus, e não ser salva (Romanos 10:2-3).
* Uma pessoa pode ter um zelo para fazer prosélitos para Deus, e não ser salva (Mateus 23:15).
* Uma pessoa pode ser muita interessada em Jesus Cristo, e não ser salva (Mateus 19:16-22).

* Uma pessoa pode professar conhecer a Deus, e não ser salva (Tito 1:16).
* Uma pessoa pode seguir a Jesus por um tempo, e não ser salva (João 6:66).

* Uma pessoa pode servir como um apóstolo de Cristo, e não ser salva (João 6:70).
* A pessoa pode até crer no nome de Jesus, e não ser salva (João 2:23-24).

E, estando ele em Jerusalém pela páscoa, durante a festa, muitos, vendo os sinais que fazia, creram no seu nome. Mas o mesmo Jesus não confiava neles, porque a todos conhecia (João 2:23-24).


A razão dessas pessoas não terem sido salvas foi porque não creram em Jesus como Senhor e Salvador do pecado, mas como seu messias mundano que supriria todas as suas necessidades e os libertaria de seus inimigos políticos (João 6:26).

 


QUINTO, AS DECISÕES FEITAS NO CONTEXTO DA MÚSICA GOSPEL SÃO SUSPEITAS POR CAUSA DA ESCASSA ÊNFASE NO EVANGELHO

 

Tenho investigado a música gospel por 35 anos e atentamente por mais de uma década. Já ouvi e li as letras de centenas de músicas, visitei centenas de sites produzidos por músicos gospel e seus fãs, ouvi estações de rádio gospel em várias partes do país, etc.

Minha conclusão é que existe alguma pregação feita pelos artistas gospel, mas esta definitivamente não é a principal ênfase desse movimento. De fato, o evangelismo tem uma prioridade baixa, de um modo geral.

Considere as próprias composições. Somente uma pequena porcentagem das músicas gospel apresenta o Evangelho de forma clara.

 

Considere os sites. A maioria dos sites de artistas gospel ou de seus fãs não contém uma mensagem do Evangelho ou um desafio para o não salvo.

 

A maioria das biografias ou entrevistas de artistas gospel não contém um claro testemunho de salvação ou qualquer desafio para o não salvo.


Como vemos, é comum em shows gospel NÃO haver uma clara mensagem do Evangelho. Há exceções, mas estamos falando aqui em um sentido geral.

 

Charlie Peacock entrevistou 35 dos mais populares artistas gospel americanos e pediu-lhes “para estimar o número de mensagens recebidas de não-cristãos sobre a extensão de suas carreiras". Ele concluiu: “... mais de 50% deu dez ou menos como resposta. ... devemos fazer uma séria consideração quanto à possibilidade de que estamos produzindo muito pouco evangelismo e penetração cultural para a causa de Cristo”. (Peacock, At the Crossroads, p. 184).

Quando todos esses elementos são combinados (falta de pregação do Evangelho, letras vagas, música estridente, pouca ênfase no evangelismo), é impossível acreditar que jovens em grande número estejam sendo genuinamente salvos através da música gospel.

Decisões emocionais e experiências, fé vaga em Deus, reforma moral, compromissos religiosos, reconstrução da auto-estima - nenhuma dessas coisas se somam para a salvação bíblica. Salvação bíblica é um novo nascimento sobrenatural, e ele vem através da fé no Evangelho. 


Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira 

Fonte: Way of Life


Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net