O DEVER DOS BATISTAS DE ENSINAR SEUS DISTINTIVOS
 
Por John A. Broadus
 
Sermão pregado em 1880 na reunião da American Baptist Publication Society, Filadélfia, Pensilvânia
 
"Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado".  Mateus 28:20

 
As coisas que ele mandou incluem os elementos internos e os eternos da piedade cristã. Do último, incluem instrução ética bem como diretrizes quanto à conduta de sociedades cristãs. Essas diretrizes foram mais tarde complementadas pelos apóstolos inspirados por meio de instruções quanto à constituição e governo de sociedades cristãs, ou igrejas, e as cerimônias características que deveriam ser observadas. Essas questões que submeteram as sociedades cristãs são certamente não tão importantes quanto os elementos internos e espirituais da piedade ou como princípios e preceitos éticos, mas ainda são importantes. Podemos ter certeza que são pelo fato de que Cristo e seus apóstolos deram correção em relação a eles; e podemos ver porque são tão importantes.
 
É impossível manter a saúde mental se o corpo for abusado ou negligenciado, pois as condições físicas têm efeito sobre as da mente. A tendência da natureza humana é de normalmente não negligenciar as aparências externas da religião, mas as exagerar ou as perverter. O Novo Testamento nos fornece um padrão muito simples sobre esses aspectos; organização simples, governo simples, cerimônias simples. Mas os homens cedo começaram a aumentar a sua importância e a mudar seu caráter e aplicação.           
  
OS PRIMEIROS JUDAIZANTES E SEUS SUCESSORES
 
Você já considerou o que aconteceu aos judaizantes que causaram tantos problemas a Paulo? Quando continuamos a observá-los ao longo da história, em conexão com o registro da última visita de Paulo a Jerusalém, eles são de fato vencidos, mas ainda numerosos e ativos. Quando no segundo século mais uma vez temos uma visão clara dos primeiros cristãos, os judaizantes parecem reduzidos a um mero punhado. Mas essa tendência tinha realmente desaparecido? Não; ela estava começando a atingir completamente o cristianismo de então, e dessa época em diante uma lamentavelmente grande porção da cristandade tem sido apenas um cristianismo judaizado.    
 
Quando homens começam a exagerar a importância das aparências, eles logo começam a mudar seu caráter. Vindo a crer que batismo traz regeneração e é indispensável para salvação, eles obviamente iriam querer batizar tão cedo em vida quanto possível, e tornar o batismo viável para os doentes e os moribundos. Começando a imaginar que o pão e o fruto da vide realmente se tornam o corpo glorificado e sangue do Salvador que ascendeu, eles não estranhamente começaram a negar o cálice aos leigos, temendo que a inabilidade deles derramasse algumas gotas do líquido sagrado, o que teria sido profanação. E além dessas tendências, as instituições da Roma imperial e o gênio romano de governo centralizado levaram os cristãos a pensar sobre a necessidade de que suas sociedades devessem ter um governo imperioso.   
  
A OPOSIÇÃO DOS BATISTAS ÀS INFLUÊNCIAS JUDAIZANTES
 
Em oposição a tudo isso, os Batistas insistem em manter a constituição primitiva, governo e cerimônias das sociedades cristãs, ou igrejas; e isto sobre o princípio do reconhecimento da autoridade religiosa, senão as próprias Escrituras, e da estrita observância de tudo o que o Salvador tem mandado. Agora, o Salvador diz em nosso texto que devemos ensiná-los a guardar todas as coisas que ele tem mandado. Esses mandamentos incluem assuntos já mencionados, relativos ao povo que se permitiu ser chamado de Batistas, que diferem em muito das grandes porções do mundo cristão, e são convencidos de que suas próprias posições são mais bíblicas, mais de acordo com os mandamentos do Senhor. Eles devem, portanto, se sentir na obrigação de ensinar essas coisas assim como outras. Dessa forma, o texto coloca em nós o dever do qual eu tenho sido solicitado a falar, o dever dos Batistas de ensinar seus distintivos.
 
DISTINTIVOS DAS IGREJAS BATISTAS
 
Pode ser apropriado declarar sucintamente o que eu entendo serem os mais importantes distintivos das igrejas Batistas. O fato de que alguns desses são mais ou menos compartilhados por outros será comentado posteriormente.
 
1. Cremos que a Bíblia, por si só, é uma autoridade religiosa; e no que diz respeito às instituições cristãs, a autoridade direta é, naturalmente, o Novo Testamento.
 
2. Cremos que uma Igreja Cristã deve consistir somente de pessoas que tenham uma profissão crível de conversão, de fé em Cristo. Essas podem incluir crianças, mesmo comparativamente crianças novas, pois Deus se agrada que essas muitas vezes dêem crível evidência de fé em Cristo! Mas na própria natureza do caso, não podem incluir infantes.
 
A noção que infantes podem ser membros da igreja porque seus pais o são parece para nós totalmente estranho ao gênio do cristianismo não apenas por não ter suporte no Novo Testamento, mas por estar em conflito com seus princípios essenciais; e não nos surpreendemos ao observar que nossos irmãos cristãos entre os quais essa teoria prevalece são incapazes de sustentá-la consistentemente; incapazes de decidir em qual sentido os assim chamados "filhos da igreja" são realmente membros dela e sujeitos a sua disciplina.      
 
A outra noção, que infantes podem ser membros da igreja porque os chamados "padrinhos" fazem profissões e promessas para eles, nos parece uma mera ficção legal, concebida para dar alguma base para uma prática que cresceu sobre muitos outros motivos. Sustentando que ninguém deva ser recebido como membro da igreja a menos que dêem crível evidência de conversão, também cremos na teoria de que não deva ser mantido na membresia quem não leva uma vida piedosa; que se um homem não consegue mostrar sua fé pelas obras, ele deve cessar de fazer profissão de fé. Alguns de nosso próprio povo parecem às vezes esquecer que a estrita disciplina da igreja é uma parte necessária da posição Batista quanto à membresia da igreja.    
 
3. Cremos que os oficiais, governo, e cerimônias de uma sociedade cristã, ou igreja, devem ser tais, e somente tais, como o Novo Testamento prescreve. Quanto às cerimônias, o Novo Testamento ordena o mínimo delas; são apenas duas, e ambas são muito simples em natureza e significado. Insistimos que o batismo deve ser simplesmente o que Cristo praticou e ordenou. Não nos importamos com o modo de batismo, a maneira de batizar, se somente existe um batismo real de acordo com as claras indicações da Escritura.          
 
Quanto ao significado da cerimônia, entendemos que ela envolve três coisas: o elemento empregado representa purificação; a ação realizada representa sepultamento e ressurreição, dando uma imagem do sepultamento e ressurreição de Cristo, e simbolizando a morte do crente para o pecado através da fé em Cristo e sua ressurreição para caminhar em novidade de vida; e realizando a cerimônia no nome do Senhor Jesus, no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, faz com que seja como um juramento de fidelidade, um voto de devoção ao Senhor Jesus Cristo, o trino Deus. Os primeiros cristãos romanos tinham uma boa palavra para esta ideia, se somente a palavra pudesse ter permanecido inalterada em seu uso: eles a chamavam sacramentum, um juramento militar. Como o soldado romano em seu juramento se unia para obedecer absolutamente ao seu general, assim, no batismo solenemente fazemos votos de devoção e obediência. Mas, infelizmente, a palavra "sacramento", como muitas outras palavras na história cristã passou a ser empregada em sentidos completamente estranhos ao seu uso original. 
 
Quanto à segunda cerimônia cristã, cremos que não somente o pão, mas o copo também deve ser dado, instando, como todos os protestantes fazem, e Batistas são protestantes em certo sentido, ainda que em outro sentido distinto de protestantes, pois nosso Senhor nos ordenou fazer ambos, e ninguém tem o direito de modificar Suas ordenanças. E o significado do pão e o fruto da vide são entendidos por nós ser, não transubstanciação, nem consubstanciação, nem real presença em qualquer sentido, nem mesmo de acordo com a visão calvinista, que uma benção especial espiritual por ordem divina está ligada a recepção do crente desses elementos, mas simplesmente de acordo com a visão de Zuínglio, que esses são mementos, lembranças de Cristo, e que, tomando-as em memória dele, podemos esperar ter os efeitos naturais de tal lembrança abençoada para nosso bem espiritual.    
 
Quanto à ordem das duas cerimônias, acreditamos que o Novo Testamento indica que a segunda deve ser observada por aqueles que previamente observaram a primeira e estão andando corretamente. Isto em si não é uma visão distinta dos Batistas, pois eles a compartilham com quase todo o mundo cristão por séculos. A combinação desta opinião geral cristã, o Novo Testamento exige o batismo como precedente à Ceia do Senhor, com a nossa posição Batista quanto ao que constitui o batismo, leva a uma restrição prática, que muitos consideram como a marca de todos os nossos distintivos; enquanto que para nós é apenas incidental, embora logicamente inevitável, resulta desse princípio com o qual compartilhamos com quase todos aqueles de quem ela cerimonialmente nos separa.
 
4. Cremos que essas sociedades chamadas igrejas, foram planejadas como mostrado no Novo Testamento para serem independentes. Elas não têm o direito de controlar umas as outras. Ampla permissão existe para operação em benevolência e de consultas a respeito de questões da verdade e do dever, mas sem assumir primazia para legislar ou em qualquer sentido para governar outras. E elas devem ser independentes do que chamamos de Estado quanto à sua organização, fé, adoração e disciplina, enquanto que, é claro, obediente ao Estado, se este não violar as moralidades que são essenciais para o bem-estar público; nem elas devem ser dependentes do Estado, no sentido de receber dele apoio pecuniário.
 
Agora, repito que não consideramos esses fatores externos intrinsecamente tão importantes quanto os elementos espirituais, ou até mesmo éticos do cristianismo. Mas eles são importantes, porque expressam o espiritual e incidem sobre ele saudável ou danosamente, e porque o Autor do Cristianismo, pessoalmente ou através de seus apóstolos inspirados, lhes nomeou e ordenou. E consideramos isto uma questão de grande importância que deve ser praticado de acordo, e não contrário ao seu desígnio, que, na linguagem de seu texto, seus discípulos devem observar e conservar (pois a palavra inclui as duas idéias) todas as coisas que ele lhes ordenou. Estamos contentes que quanto a um ou outro desses distintivos alguns dos nossos irmãos cristãos de outras denominações concordam conosco em maior ou menor grau. Congratulamo-nos com toda essa concorrência, e não é agora necessário investigar se eles defendem essas opiniões com consistência lógica. Pois nós mesmos não temos a pretensão de praticar totalmente esses distintivos, mas queremos fazê-lo, reconhecendo-nos censuráveis na medida em que falhamos; e desejamos, não obstante a nossa deficiência na prática, mantê-los na devida proeminência diante de nós mesmos e aos outros. Eu desejo agora, em primeiro lugar, apresentar as razões pelas quais os Batistas devem ensinar seus distintivos, e, então, observar os meios e métodos de realizar este dever.
 
I. RAZÕES POR QUE OS BATISTAS DEVEM ENSINAR SEUS DISTINTIVOS
 
1. É um dever que temos para com nós mesmos. Devemos ensinar estes distintivos, a fim de sermos consistentes em mantê-los. Porque estes nos distinguem dos outros cristãos, em organizações separadas, dos cristãos a quem nós cordialmente amamos e temos prazer em trabalhar em conjunto. Não temos o direito, portanto, de nos distanciarmos, a menos que as questões de diferença tenham importância real; e se eles são realmente importantes, nós certamente devemos ensiná-los.
 
Nós, às vezes arriscamos dizer aos nossos irmãos de outras denominações que se pontos de diferença denominacionais cristãos evangélicos fossem tão absolutamente insignificantes como eles nos dizem continuamente, então eles não tem desculpa para ficar separados uns dos outros, e nenhum direito de exigir de nós ficarmos separados deles, a menos que nós renunciemos, ou praticamente desprezemos nossos distintivos. Mas tudo isso se aplica a nós também, a menos que consideremos os pontos de diferença como tendo um valor substancial e importância prática como uma parte do que Cristo ordenou, e, neste caso, é uma parte do que ele nos ordena ensinar.
 
E esse ensinamento é a única maneira de corrigir excessos entre nós. Alguns de nossos irmãos Batistas lhe parecem extremistas em seu denominacionalismo, violentos, amargos? E você espera ser correta tal tendência, indo para o extremo oposto? Você está tão triste, chocado, revoltado com o que você considera um tratamento pouco amável de assuntos controversos que você encolhe diminuí-los em tudo. Bem, as pessoas que você tem em vista, se há tais pessoas, se defendem e se fortalecem ao apontar para você.
 
Essas pessoas diriam: "Estou queixoso de tamanha acusação de extremismo e intolerância. Olhe para essas pessoas lá, que quase nunca fazem a menor menção aos característicos princípios Batistas, que são fracos, com medo de ofender os pedobatistas, ou terrivelmente ansiosos para cortejar o favor deles pelo silêncio suave: você quer que eu seja um Batista como esse?" Assim, um extremo promove outro.
 
A maior queixa que tenho contra o que são chamados de pregadores "sensacionais" não é por causa do mal que eles fazem diretamente, mas porque eles levam uma infinidade de outros pregadores para o outro extremo, fazendo com que eles tenham tanto medo de parecer sensacional aos seus próprios olhos, ou aos olhos de alguns ouvintes exigentes, que evitam dizer coisas ousadas e marcantes que poderiam dizer, e deviam dizer, e tornaram-se triviais e mansos. E assim é um grande mal se alguns extremistas na controvérsia levam muitos homens a evitar esses temas polêmicos que todos nós sob obrigação os discutimos. A única cura, meus irmãos, para o extremismo denominacional é um denominacionalismo saudável.
 
2. Ensinar nossos distintivos é um dever que temos para com os nossos irmãos cristãos. Tome os católicos romanos. Estamos sempre dizendo muito sinceramente que os Batistas devem fazer causa comum com os protestantes contra as agressões do catolicismo. Insiste-se, especialmente em algumas localidades, que devemos colocar as nossas diferenças denominacionais em segundo plano e ficar ombro a ombro contra o papado.
 
Muito bem; mas o tempo todo, parece-nos que a melhor maneira de se opor e resistir ao catolicismo é tomar a posição Batista; e se, ao fazer causa comum contra ele, abandonamos ou desprezamos nossos princípios Batistas, temos que ter cuidado para que não façamos mal em ambas as direções. Além disso, a nossa é a melhor posição, pensamos, para ganhar católicos à verdade cristã. Nossos irmãos das grandes confissões protestantes são todos aderentes de alguma forma "desenvolvida" de cristianismo, não tão desenvolvida como o papado, e alguns deles muito menos desenvolvidos do que outros, mas todos tendo acrescentado algo, na fé ou governo ou ordenanças, na simplicidade primitiva.
 
Os católicos sabem disso, e habitualmente os insultam com as mudanças tolerantes que as denominações protestantes tem feito enquanto negam a autoridade da igreja romana, e às vezes dizem-lhes que os Batistas são os únicos consistentes na oposição à igreja romana. Podemos dizer que existem apenas dois tipos de cristianismo; cristianismo eclesiástico e cristianismo bíblico. Se católicos bem intencionados se tornam insatisfeitos por confiar tudo à autoridade da igreja e começam a olhar para a Bíblia como a sua única autoridade, o que não é provável, em seu zelo e sinceridade, não acabam em uma casa de recuperação, mas vão adiante, para a posição daqueles que realmente se edificam sobre a Bíblia somente.
 
Ou eles mesmos se assumem protestantes. Nossos estimados irmãos são muitas vezes notavelmente ignorantes dos nossos distintivos. Um distinto ministro, autor de elaborados trabalhos sobre a história da igreja e os credos da cristandade, e de comentários, etc, e que fazia de muitas maneiras associações com homens de todas as denominações, é relatado que recentemente perguntou se os Batistas praticam trina imersão. Um senador dos Estados Unidos, de um dos estados do sul, e ex-aluno de uma famosa universidade estava visitando, cerca de vinte anos atrás, um amigo em outro estado, que casualmente comentou que ele era um Batista.
 
"A propósito", disse o senador, "que tipo de Batistas são pedobatistas?"
 
Não muitos anos atrás, um cavalheiro de Nova York que tinha sido ministro do governo dos Estados Unidos em um país estrangeiro, publicou no New York Tribune um comentário de uma obra, na qual ele disse (substancialmente), "o autor afirma que ele é um pastor Batista. Nós não sabemos se ele é um pedobatista ou se pertence estritamente aos Batistas". Agora, é claro que esses são casos excepcionais; mas exemplifica o que é realmente uma generalizada e muito grande ignorância quanto aos Batistas. E os nossos amigos de outras denominações muitas vezes nos fazem grande injustiça, porque eles não entendem os nossos princípios e nos julgam pelos seus próprios.
 
Quanto à "comunhão limitada", por exemplo, os protestantes são aliados da opinião de Calvino sobre a Ceia do Senhor, e por isso pensam que estamos egoisticamente negando-lhes uma participação na bênção espiritual ligada a esta observância; enquanto que, com a nossa visão zuingliana, não temos tal pensamento ou sentimento. Essas coisas certamente mostram que é muito desejável que devemos trazer nossos irmãos cristãos para junto de nós a fim de conhecer os nossos distintivos, para que possam, pelo menos, impedi-los de ofender-nos através da ignorância.
 
Se houvesse alguém que não se importasse de saber, que estivesse disposto a ser privar de uma acusação particular contra nós, então nossos esforços seriam em vão. Mas a maioria das pessoas que encontramos são realmente boas pessoas, porém preconceituosas, e não desejam ser injustas; e se eles não se dão ao trabalho de procurar informações sobre nossos distintivos reais, eles não vão estar dispostos a recebê-los quando adequadamente apresentados. A caridade cristã pode, assim, ser promovida, corrigindo a ignorância. E, além disso, podemos esperar que, pelo menos, será conduzida para investigar os assuntos sobre os quais diferem. Oh, que os nossos honrados irmãos venham a investigar!
 
Uma senhora da mais alta educação da igreja episcopal, alguns anos atrás, em uma de nossas grandes cidades, através de um longo e paciente exame e sem ajuda alguma, salvo um trabalho episcopal em favor do batismo infantil, por fim chegou a firme convicção de que ele não tem base na Escritura, e tornou-se uma Batista. Ela depois disse: "Estou convencida de que milhares de pessoas inevitavelmente poderiam fazer o mesmo, se somente examinassem".
 
Mas por que deveríamos querer tornar Batistas nossos irmãos protestantes? Não são muitos deles cristãos nobres, não poucos deles entre os excelentes da terra? Se com as suas opiniões são tão devotos e úteis, por que desejar que adotem outras opiniões? Sim, há entre eles muitos que tem a nossa alta admiração por seu belo caráter cristão e de vida; mas tem um cuidado sobre suas inferências deste fato. O mesmo é verdadeiro, mesmo de muitos católicos romanos, no passado e no presente; ainda se duvida que o sistema romanista como um todo é desfavorável para a produção dos melhores tipos de piedade?
 
E isso não é necessariamente uma coisa arrogante e presunçosa em nós se nos esforçamos para trazer honrados companheiros cristãos a visões que honestamente acreditamos serem mais bíblicas e, portanto, mais saudáveis. Apolo era um homem eloquente e poderoso nas Escrituras, e Áquila e Priscila eram pessoas humildes, que sem dúvida o admiravam; e ademais, lhe ensinaram o caminho do Senhor mais perfeitamente, e, sem dúvida, muito se alegraram de que ele estava disposto a aprender. Aquele que tenta conquistar as pessoas de outras denominações para os seus próprios pontos de vista pode ser um fanático sectário, mas ele também pode ser um cristão humilde e amoroso.
 
3. Ensinar nossos distintivos é um dever que temos para com o mundo incrédulo. Queremos que os descrentes aceitem o cristianismo; e parece-nos que eles são mais propensos a aceitar quando apresentado em sua simplicidade primitiva, como os apóstolos o ofereceram para os homens de seu tempo. Para atender as investidas dos infiéis, pensamos que a nossa posição é a melhor.
 
Aqueles que insistem que o cristianismo é hostil às investigações científicas quase sempre apontam para os romanistas; eles não podem com o mínimo de plausibilidade dizer isso dos Batistas. E quando um cético honesto e sério de espírito é convidado a examinar conosco esta que pretende ser uma revelação de Deus, não temos que colocar ao lado dela outro livro como determinando de antemão o que temos de encontrar na própria Bíblia. Confissões de fé nós temos, algumas antigas e outras um pouco mais recentes, que nós respeitamos e consideramos úteis; mas salvo através de um excepcional e voluntário consentimento não estamos vinculados a elas.
 
Podemos dizer ao inquiridor cético, "Venha e traga toda a luz realmente constatada que foi derivada de estudar o mundo material, a história do homem, ou a mais alta filosofia, e teremos o prazer de usar isto para ajudar a interpretar o que acreditamos ser a palavra de Deus"; e podemos mudar nossos pontos de vista de seu significado se a luz real de outras fontes nos obrigar a fazê-lo.
 
Há, certamente, nessa liberdade uma pequena vantagem por ser o investigador verdadeiramente racional. Mas, enquanto livres para selar as Escrituras, os Batistas são eminentemente conservadores em todo o seu tom e espírito, e por uma razão. Seu reconhecimento das Escrituras como única autoridade religiosa, e o esforço que eles colocam na exata conformidade com os requisitos da Escrituras fomentam um sentimento instintivo de que eles devem permanecer ou cair com a verdade real e a verdadeira autoridade da Bíblia. A união da liberdade e do conservadorismo é algo mais saudável e esperançoso.
 
4. Existe ainda outra razão, cheia de graça solene: Ensinar nossos distintivos não é apenas uma cantiga para nós mesmos e para com nossos irmãos cristãos, e para o mundo incrédulo, mas um dever que temos para com Cristo; é uma questão de simples lealdade a ele.
 
Sob as mais solenes circunstâncias ele proferiu a expressa proibição. Ele se reuniu com os onze discípulos em uma montanha na Galiléia; provavelmente, mais de quinhentos de quem Paulo fala estavam presentes também: "E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado".
 
As coisas das quais temos falado não são, admitimos, a mais importante das verdades e deveres religiosos, mas fazem parte de todas as coisas que Jesus ordenou; o que deve impedir-nos, o que poderia nos escusar, de observá-las nós mesmos e ensiná-las a outros? O soldado romano que tinha feito o sacramentum não ficou em seguida a escolher entre as ordens de seu general: deve o crente batizado escolher quais mandamentos de Cristo ele vai obedecer e quais negligenciar e quais alterar? E, observe, eu não citei tudo:
 
"Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos". Devemos nós negligenciar ensinar como Ele exigiu, e então clamar a promessa de Sua presença e ajuda e benção?
 
II. MEIOS E MÉTODOS PARA CUMPRIR ESSE DEVER
 
1. Uma das melhores formas de ensinar nossos distintivos para os outros é a instrução completa do nosso próprio povo. Irmãos de outras denominações não precisam ser repelidos ou ofendidos se nos encontram tomando ocasião adequada nas pregações do púlpito para ensinar nossos jovens membros o que os Batistas crêem, e por quê. Se eles percebem que não estamos os atacando através de nossos membros, mas com simplicidade e sinceridade alimentando nosso rebanho, eles podem até ouvir com interesse. E então, se eles escolherem tomar essas coisas para si mesmos por sua própria iniciativa e sob sua responsabilidade, por isso, tanto melhor, é claro. Mas os nossos membros mais jovens precisam muito dessas instruções para seu próprio bem, e isso é muitas vezes gravemente negligenciado.
 
Em uma ocasião recente, uma moça culta afirmou que nunca em sua vida ouviu uma palavra do púlpito sobre a relação entre o batismo e a Ceia do Senhor, e ainda assim ela era a filha de um conhecido pastor Batista, e seus pastores tinham sido homens de capacidade marcante e Batistas sinceros. Você acha que isso é um caso raro? Você pode encontrar casos iguais aos milhares. E devemos ensinar essas coisas, em sua medida, não só para os nossos membros jovens, mas em casa para a juventude de nossas famílias.
 
Permita outro fato para ilustração: Certa vez conheci um rapaz de dezesseis anos, bem instruído para sua idade, cujo pai era um zeloso e bastante influente leigo Batista e seu pastor um ministro capaz e eloquente. O menino foi batizado, e com grande alegria e tremor tinha sentado ao lado de seu pai e tomado pão e vinho em memória de Jesus. Algumas semanas depois, um pregador metodista veio através do país, uma coisa rara naquela região, e depois de pregar, ele com muito carinho, convidou todos os cristãos a vir à mesa do Senhor. O menino queria tomar parte na ceia e não sabia de nenhuma razão para que não fosse, mas pensou que deveria esperar até que seu irmão mais velho e irmãs fossem para a frente e, como não o fizeram, ele perguntou a caminho de casa o por quê, e ao chegar em casa perguntou a seu pai sobre isso. O argumento ficou claro o suficiente, mas era tudo novo para ele. Pastores e pais nunca tinham pensado que era necessário explicar esse assunto com alguém.
 
Eu menciono estes incidentes caseiros com a esperança de despertar esses Batistas até onde a minha voz pode chegar para refletir em quem possa em suas casas e igrejas. Também não se deve negligenciar esta instrução em nossas escolas bíblicas dominicais. O sistema atual de aula pode, naturalmente, fazer nenhuma provisão imediata de tal instrução, mas deixa um amplo espaço para ele dando aulas que abrangem as questões controvertidas, e calcula que em cada denominação esta lição de ajuda irá explicar estas questões de acordo com seu viés.
 
É claro, então, que as escolas bíblicas dominicais relacionadas com igrejas Batistas devem usar ajuda Batista para o estudo das lições. Se algumas publicações não denominacionais são muito valiosas para os professores de modo a serem desejadas também, devem ser apenas utilizadas em adição àquelas que explicam de acordo com as crenças Batistas. Não retemos a instrução em outros ensinamentos de nosso Senhor até que o aluno tornou-se um crente? E por que devemos os reter quanto aos mandamentos relativos aos membros da igreja e as ordenanças?
 
Três benefícios devem seguir de ensinar, assim, a nossa juventude:
 
Primeiro, irá impedi-los de ir futuramente para outras denominações por ignorância. Algumas das razões para essa mudança não podem ser tocadas pela instrução. Mas não poucos dão esse passo, porque eles nunca foram ensinados no costume da base bíblica Batista, e por isso eles facilmente caem na idéia plausível de que "uma igreja é tão boa como outra, se o coração está certo". Não pode haver dúvida de que pessoas bem-intencionadas têm sido, desta forma, perdidas por nós, de quem a instrução precoce pode ter sido retida.
 
Em segundo lugar, podemos, assim, torná-los melhores cristãos. Eu concordo com um eminente pastor presbiteriano que recentemente disse: "Nós fazemos as pessoas melhores cristãos, tornando-os melhores presbiterianos, melhores metodistas, batistas, episcopais". Existem algumas excelentes pessoas do nosso tempo que pensam que é um mérito ser totalmente não denominacional, e que proclamam que "amam uma igreja, bem como outra". Mas, onde não iludidas, essas pessoas são poucas e bastante excepcionais, e em geral, os cristãos mais verdadeiros, mais devotados, e mais úteis são fortes em suas convicções e ligações denominacionais. Repito, então, que por instrução adequada em nossos pontos distintivos vamos realmente fazer nossos jovens melhores cristãos.
 
E, em terceiro lugar, assim os preparamos para explicar e defender estes distintivos em uma conversa, uma coisa o qual muitas vezes são chamados, e quando bem gerida pode ser muito útil.
 
2. Se ações falam mais alto que palavras, podemos praticamente ensinar nossos distintivos por tudo que fortalece em nossas igrejas o caráter cristão e promove a sua legítima influência. Batistas são, em alguns aspectos, colocados em séria desvantagem em consequência de tentar fazer o seu dever. Eles não têm restringido seu ministério para homens que tenham um certo grau determinado de educação, mas encorajaram todos a pregar a quem se sentir movido a fazê-lo, e cujas igrejas estejam dispostas a ouvir. Dessa forma, eles têm ajudado muito a conhecer a grande demanda em nosso país, e ganhado uma poderosa influência sobre as massas.
 
O que teria acontecido com os milhões espalhados neste novo país, se não tivesse sido pelos metodistas, batistas, e alguns outros que buscaram um caminho igual? Mas o resultado é que temos uma grande quantidade de ministros e membros relativamente incultos. Além disso, nossos irmãos episcopais e presbiterianos trouxeram sobre o mar a influência social derivada de uma igreja estatal, e essa superioridade social eles têm facilmente mantido em muitas das nossas cidades, particularmente como seu ministério, que era ao mesmo tempo restrito a homens com educação considerável. O resultado é que, enquanto os Batistas têm muitas famílias de excelente posição social e influência, e muitos ministros de alta cultura, ainda, em virtude de ter um grande número de pessoas que estão nesses aspectos comparativamente desprovidas, eles têm que suportar, como denominação, o ódio da inferioridade social e educacional.
 
Eu não lamento isso, no que diz respeito ao nosso passado. Eu acho que o nosso princípio quanto ao ministério está correto, e eu me alegro de que temos sido reconhecidos da multidão. Mas devemos nos esforçar sinceramente para melhorar esta situação, no futuro, firmemente levantando este grande grupo de pessoas tão rápido quanto pudermos. O que quer que eleve a condição educacional de nossa denominação ou dê mais influência social, desde que não seja adquirida por conformidade mundana, vai ajudar a garantir o respeito e atenção aos nossos distintivos. E um efeito será produzir o crescente desenvolvimento da benevolência entre nossas igrejas, e por uma repercussão completa do que é realmente feito.
 
3. Se quisermos ensinar nossos distintivos a outros, é necessário compreender aqueles a quem nos propomos alcançar. Lembro-me de um professor de línguas modernas que muitas vezes elaboradamente explicava algum idioma francês ou alemão ou outro com o qual não tinha nenhuma dificuldade, e então ignorava, como não necessitando explicação, a muitos uma frase que não conseguíamos entender. Ele conhecia a linguagem que estava ensinando, mas não estava bem familiarizado com a linguagem de seus alunos.
 
Se queremos de alguma forma ensinar de eficazmente, devemos conhecer as coisas relacionadas às pessoas a quem nos dirigimos; devemos conhecer os seus pontos de vista. Agora, Batistas não são, em geral, tão ignorantes sobre as opiniões denominacionais de outros cristãos como eles são das nossas, porque nossas circunstâncias obrigaram-nos a dar alguma atenção a esse assunto. No entanto, precisamos de uma melhor convivência com eles, se quisermos falar com qualquer finalidade em público ou privado. Eu respeitosamente peço a todos os ministros e membros inteligentes de ambos os sexos que eles devem estudar, através da leitura e investigação pessoal, cada um dos principais grupos religiosos que conhecem; devem estudá-los em três aspectos:
 
(a) Informe-se quais são as características peculiares deste corpo de cristãos que os diferencia dos outros, e, se possível, as opiniões fundamentais que são responsáveis ​​por essas peculiaridades. (b) Considere em quais aspectos particularmente eles merecem a nossa admiração e, com as adaptações necessárias, a nossa imitação. Denominação enfatiza certos aspectos da verdade ou ministérios de serviço, e no que diz respeito a estes apresentam um modelo muito instrutivo e inspirador. (c) Esforçar-se para verificar como eles consideram princípios, práticas e espírito. Quais coisas em nós que eles não gostam especialmente, e com o que eles podem facilmente sentir simpatia.
 
Essas indagações vão nos ajudar de várias maneiras. Elas podem conter a tendência de reagir ao que consideramos como erros dos outros em um extremo oposto, como os protestantes têm feito com referência a alguns erros do papado, e muitos Batistas com referência a dominação de prelados ou de pastores, ao favorecimento de clérigos, etc. Elas podem verificar a adoção inconsciente ou imitação de opiniões, sentimentos, ou frases que são inconsistentes, ou pelo menos incongruentes, em nós.
 
Alegramo-nos que "o progresso dos princípios Batistas" entre pedobatistas que o livro do doutor Curtis tão bem descreve, e talvez falhe ao indagar se não houve uma contra-influência que merecesse atenção, e que pode não ser totalmente benéfica. E então, este estudo de outras denominações nos permitirá melhor nos adaptar àqueles a quem nós queremos influenciar. Quando você se dirige aos metodistas em um artigo adequado para altos clérigos, ou vice-versa sobre o que você está pensando?
 
4. Devemos estudar o tratamento inteligente de temas controvertidos. Sobre este ponto eu me aventuro a oferecer várias sugestões práticas para que eles sejam úteis.
 
(a) Anos atrás eu perguntei ao agora falecido doutor Jeter como ele lidava sobre os assuntos em disputa entre nós e outras denominações. Sua resposta foi, em resumo: "Eu nunca saio do meu caminho para evitar este tipo de assuntos, e nunca saio do meu caminho para encontrá-los. Quando naturalmente sugerido pelo meu assunto ou as circunstâncias, eu falo deles, e eu tento falar sem medo de ser tímido ou ofender e sem veemência feroz, como se tomando a hostilidade por concessão, mas apenas tratar estas questões, na medida em que posso, no mesmo tom com que falo de outras coisas".
 
Isto me pareceu então, e ainda parece, uma declaração admirável do rumo que é geralmente melhor para prosseguir. Alguns estão constantemente a sair de seu caminho para encontrar tais temas através de um amor nascido e criado na controvérsia ou um julgamento equivocado quanto à sua necessidade e benefícios. Outros saem do seu caminho para evitar todas as questões em disputa, e não querem ter nada a ver com a controvérsia, de qualquer espécie. Esta última classe pode ser aconselhada a estudar a história e registros de um homem chamado Paulo. Ele não se esquivava da controvérsia. Sim, e seu Mestre e o nosso é polêmico em cada página de seus discursos registrados, sempre golpeando algum erro ou má prática das pessoas ao seu redor.
 
(b) O plano do doutor Jeter pode ainda sugerir, o que eu penso que seja verdade, que geralmente é melhor tratar esses temas à medida que ocorrem em nossos discursos habituais. Adaptar sermões tem certa vantagem até mesmo em debates públicos e ainda podem ser úteis em algumas poucas medidas embora a maioria de nós pense que o seu tempo de utilidade já passou. Mas adaptar sermões previne nossos ouvintes que defendem opiniões diferentes a vir inclinados com armadura e viseira fechada observando se nenhum dardo vá alcançá-los; enquanto que algumas excelentes pessoas os tomam como um convite para ficar longe. São dúvidas por vezes apropriadas e úteis, mas em geral o outro rumo dificilmente pode provar ser melhor.
 
(c) Eu penso que é muito indesejável ligar polêmicas mordazes com a administração vigente das ordenanças. Não defender a nossa restrição da Ceia do Senhor, quando prestes a tomar o pão e o vinho. Tudo o que você pode dizer irá repelir alguns ouvintes e ofender profundamente a outros, enquanto tal discussão dificilmente prova a melhor preparação para o compartilhar. Tente o significado doce e abençoado da ordenança e o servir com despretensiosa reverência e solenidade, e isso vai ensinar a todos os interessados.
 
Eu penso que muitas vezes Batistas estragam a solenidade saudável da ordenança através da persuasão que eles possuem nesta ocasião para defender o seu convite restrito. E quando chegar ao batismo, em geral é melhor simplesmente ler as sabedorias do Novo Testamento que dão a história e o significado da ordenança e, então, com oração solene e uma administração cuidadosamente preparada e reverente do rito deixe que as Escrituras façam a sua própria impressão. Se em um discurso ou sermão são apresentadas as lições práticas do batismo, especialmente que devemos andar em novidade de vida, essa será mais conveniente, e muitas vezes mais convincente, do que discutir os próprios temas e ação apropriada do batismo. Naturalmente, qualquer sugestão de como isso deve ser está sujeito a exceção, mas estou certo de que geralmente será aprovado.
 
(d) Devemos usar principalmente argumentos extraídos das Escrituras e da experiência comum ou reflexão; apenas ocasionalmente aqueles que dependem de aprendizagem. Erudição é altamente desejável em ministros, e que possamos ter muito mais dela! Mas o mais alto emprego de erudição na pregação é levar resultados garantidos e torná-los simples para a compreensão geral, e certa evidência que o ignorante pode apreciar por completo. Se você derramar uma enxurrada de aprendizado sobre o seu ouvinte, e ele se lembrar de que dois domingos atrás houve uma torrente de aprendizado com o "doutor" do outro lado, então, como ele não entende e não pode julgar, ele está apto a concluir que  não vai acreditar em qualquer um de vocês. E vamos ter cuidado de usar argumentos duvidosos como se fossem conclusivos.
 
(e) Podemos tratar esses assuntos através por outros meios, bem como pela pregação. Muitas oportunidades irão ocorrer em uma conversa, para quem tem cultivado um tato social e habilidade de conversação, para mitigar um pouco o preconceito, desviar algum ataque, ou sugerir algum ponto para pesquisa ou reflexão, muito mais eficazmente do que ser feito no púlpito, e isso sem desagradavelmente impor tais assuntos ou de algum modo violando os delicados proponentes da vida. E folhetos, livros ou revistas cuidadosamente escolhidos muitas vezes reforçam o sermão ou a conversa, ou mesmo alcançam a alguns que não ouviriam a qualquer das palavras ditas públicas ou privadas. Temos já uma grande riqueza de boa literatura deste tipo, com as quais pregadores e membros inteligentes devem fazer-se tão completamente familiarizados quanto possível, então, de que maneira eles podem saber selecionar precisamente o mais adequado para cada caso? É uma questão da mais alta importância.
 
(f) Devemos sempre falar de assuntos controversos em um espírito amoroso. Batistas ocupam, necessariamente, uma posição polêmica; vamos sinceramente nos esforçar para mostrar que é possível manter uma posição polêmica no espírito do verdadeiro amor cristão. Isso realmente é uma boa política; e, que é dez mil vezes melhor, é certo.
 
5. Vamos cooperar de bom grado com os nossos irmãos cristãos de outras denominações na obra cristã em geral, tanto quanto pudermos, sem sacrificar as nossas convicções. Homens que pensam mal de nós às vezes são extremamente perplexos. Eles dizem: "Olhe para estes Batistas preconceituosos, tacanhos, de 'comunhão fechada'! Como eles trabalham zelosamente em nossa obra! Quão amorosos que parecem ser! Eu não entendo isso!"
 
Isso é bom para aumentar esta perplexidade. Ao mesmo tempo, não devemos permitir que as nossas diferenças de consciência sejam menosprezadas. Às vezes, em um serviço de união você vai ouvir um homem caloroso bem-intencionado e começar a falar com arroubo, até que finalmente fala com desprezo das futilidades que nos dividem. Neste caso pode-se encontrar algum meio de desviar a mente de queridos irmãos para outro tópico, e em público ou privado informá-lo que nessa conversa não há muito o que se fazer.
 
Na verdade, isso veio ocorrer para ser melhor compreendido agora do que foi o caso de alguns anos atrás. Na Associação Cristã de Moços, por exemplo, raramente se encontra agora os discursos insensatos a este respeito, que antes eram algo um tanto comum. Devemos nos apoiar em como distinguir entre o abandono de princípios e de meras concessões práticas, a fim de conciliar, uma distinção bem ilustrada por nós em Atos 15 e na ação de Paulo a Tito bem como a Timóteo. No caso de Tito, o apóstolo não iria ceder uma polegada, não daria lugar nem por um momento, porque uma distinção do princípio foi feita, e pouco tempo depois ele fez voluntariamente, o caso de Timóteo, o que ele tinha antes recusado, havendo agora nenhuma questão de princípio.
 
Às vezes pode ser difícil fazer a distinção, mas essa é uma dificuldade a qual não podemos fugir. Um dos grandes problemas práticos da vida cristã, especialmente em nossos tempos, é se posicionar de forma justa pela verdade e honestamente contra o erro, e ainda amavelmente ter caridade para com os cristãos que diferem de nós. Isso certamente pode ser feito. A mais verdadeira e doce caridade cristã é realmente mostrada por alguns dos que estão mais firmemente firmados em seus distintivos.
 
6. Finalmente, vamos cultivar a unidade entre nós mesmos. Os Batistas deste vasto país são, de fato, unidos. Doutor Barnas Sears, que teve oportunidades excepcionais de observação, falou-me muito antes de sua morte, o fato de que os nossos seminários teológicos estão ensinando as mesmas doutrinas, sem qualquer autoridade central para mantê-los unidos. E o fato é mais geral. Apartes de meras excrescências, Batistas americanos são maravilhosamente concordantes, maravilhosamente, se você lembrar do alcance do consenso e como tem se mantido em perfeita liberdade.
 
Essa unidade se torna mais evidente a qualquer um na proporção em que ela ganha um conhecimento mais amplo. Por exemplo, perdoe a minha escolha de nomes locais para ilustrar, há muitos como um irmão no Mississipi sem nenhum conhecimento da Nova Inglaterra, que, se ele passar algumas semanas em Boston, ficaria surpreso ao encontrar-se completamente rodeado de verdadeiros Batistas. E se alguns irmãos da Nova Inglaterra estivessem entre os terríveis Landmarkers, que eles tão severamente tem censurado pelos jornais que parecem não saber nem mesmo o significado do termo, eles concluiriam que a maioria dos ditos Landmarkers são realmente muito parecidos com eles mesmos, e não terríveis em tudo.
 
O doutor Fuller gostava de contar uma história do senhor William Jay. O senhor Jay saiu um dia, em uma densa névoa inglesa. Num instante, ele viu aproximando-se dele um objeto enorme e monstruoso que o fez sobressaltar. À medida que se aproximava assumiu a forma de um homem gigantesco, e quando eles se conheceram, era seu próprio irmão John.
 
E Batistas americanos estão se tornando cada vez mais unidos agora. Alguns anos atrás houve em alguns lugares um movimento em direção a propagação da "comunhão aberta", que, a certa distância despertou preocupação. Mas estimáveis irmãos ​​engajados nesse movimento se foram em paz ou pacificamente acalmaram-se em silêncio. E em alguns outros lugares extremistas estão perdendo influência, e irmãos que uma vez os seguiram parecem agora dispostos de forma alguma a abandonar qualquer princípio, mas evitar lançar diferenças entre nós em ocasião de perturbação denominacional. Assim, a perspectiva geral é agora muito encorajadora.
 
Vamos cultivar, eu digo, esta unidade entre nós. A fim de fazer isso, nossas palavras de ordem devem ser a liberdade, a tolerância, a paciência. Não pode haver unidade restritiva entre nós. O gênio de nossas idéias e instituições proíbe bastante isso. Toda publicação, seminário, ou sociedade que está comprometido a convencer Batistas americanos a se unirem em breve se cansará da tarefa.
 
Temos de ser tolerantes e pacientes, e não se desencorajar por muitas coisas que, dadas as circunstâncias são observadas. Revistas concorrentes e outras instituições podem se levantar em uma brisa ocasional; cada grande cidade pode mostrar também um interesse exclusivo nas sociedades lá localizadas: o que é natural, se não sábio; rivalidades pessoais podem por vezes curiosamente complicar eles mesmos com questões de princípio e de conveniência geral: pode causar pesar, mas não precisa causar assombro; leste e oeste podem se separar em alguns aspectos, como Norte e Sul, até mesmo as "mentes celestes" de nossas nobres mulheres nem sempre podem perfeitamente concordar sobre organizações; nós cooperamos plenamente em alguns assuntos, parcialmente em alguns, talvez trabalhemos separadamente em outros, mas com bondade fraternal saudável, mas vamos cultivar a liberdade, a tolerância, a paciência, e nós seremos unidos substancialmente mais e mais.
Esta unidade crescente entre nós faz aumentar o poder de impressionar nossas opiniões denominacionais sobre os outros, e quanto mais zelosamente nos esforçamos para ensinar nossos distintivos para os outros, mais seremos unidos entre nós.

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte: Baptist History Home Page

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net