OS MALIGNOS FRUTOS DA SALVAÇÃO PELO SENHORIO

UMA DETALHADA CRÍTICA AO SERMÃO DO PASTOR BENNY BECKUM: "VOCÊ É REALMENTE SALVO?"

ESCRITO POR JOHN MARK CHARLTON

cheryljm@brktel.on.ca

Esta obra é uma análise de três sermões pregados pelo pastor Benny Beckum durante o acampamento de junho de 2003

Reimpresso sem revisão em agosto de 2004

Editado parcialmente pelo pastor D.A. Waite, Th.D., Ph.D.


VOCÊ É REALMENTE SALVO? PARTE 3 (Final)

O JOVEM RICO

 

Com certeza foi uma semana maravilhosa, maravilhosa. Foi uma noite maravilhosa, Amém? Uau! Todos esses testemunhos, pessoas que foram salvas pela maravilhosa graça de Deus. Garoto! Não é maravilhoso! Cerca de treze, eu acho, foram salvos. Desde que eu estive no Canadá, tenho visto vinte e quatro nascidos de novo. O que acha disso garoto? Eu estou me alegrando com você. Realmente, eu estou. Estou me alegrando do fundo do meu coração.

"treze [pessoas] foram salvos" como resultado de ouvir seu falso ensino nas duas noites anteriores. Seria seguro assumir que as onze pessoas restantes (da Igreja de Woodstock) que foram salvas antes das reuniões do acampamento, foram alimentadas pela mesma lavagem não bíblica do pastor Beckum.

Deixe-me chamar sua atenção esta noite para Mateus 19: 16-22. Esta é realmente, realmente a terceira parte de "Você é Realmente Salvo?", mas nós intitulamos este 'O jovem rico'. Vamos ficar de pé, por favor, vocês podem precisar ficar de pé, estão sentados há algum tempo. Estiquem as pernas. Nós tentaremos não pregar mais do que quatro horas esta noite. Amém! Todas essas pessoas sendo salvas, eu sei que você vai querer ficar aqui pelo menos quatro horas. Amém! Pessoas estavam sendo abençoadas até quase meia-noite de ontem à noite, e menino, a maioria Batista, rapaz, eles queriam estar participando por oito horas. Você não vai fazer isso esta noite. Amém. Mateus 19:16-17 diz: "E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos". Agora observe com atenção este jovem a quem Jesus está falando ..."Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho. Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo". Agora, ouça o que o jovem disse a Jesus ..."Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?" Disse-lhe Jesus: "Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me". Agora, ouça o próximo versículo. "E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades". Não é uma história triste? Oh, como é triste. Espero que isso não seja realidade para alguns de vocês hoje à noite. Vamos orar. Pai, mais uma vez quero agradecer, agradeço-lhe publicamente, e agradeço-lhe neste local de oração. Eu agradeci lá na casa de campo. E, Senhor, quero agradecer de novo por ter salvo estas pessoas. Senhor, obrigado pela alegria que ouço em suas vozes. Obrigado, Senhor, pelos sorrisos que vejo em seus rostos. Mas, acima de tudo, obrigado Senhor pela paz eterna que você lhes deu. Senhor, que a confiança de que se eles morrerem esta noite, eles vão acordar no céu. Obrigado, Senhor, por isso [pausa]. Agora Pai, eu percebo mais uma vez, a obrigação que tenho. Ó Senhor, eu oro para que eu seja sensível ao Espírito Santo, não diga nada, não faça nada, mas exalte o Senhor Jesus. Senhor, eu percebo que talvez já existam alguns que estão sob convicção; apenas por ouvir os testemunhos de seus amigos. E, Senhor, eu oro se eles estão, que eles simplesmente curvem suas cabeças no banco e venham ao altar e sejam salvos. Mesmo durante a pregação esta noite. Abençoa-me de novo, eu oro; em nome de Jesus, amém. Podem sentar.

Testemunhos são excelentes, se o seu conteúdo for verdadeiramente derivado do Espírito de Deus e não de falso ensino. O último resulta na incitação de outros a fazerem o mesmo (ser "re-salvo") com base em suas emoções que já foram despertadas pela libertação carismática do coração com histórias arrebatadoras, estatísticas infundadas e ensino não bíblico.

Quem sabe quantas pessoas são iludidas em acreditar que elas são salvas quando elas não são salvas. Eu sei de vinte e quatro deles no Canadá. Eles foram iludidos, até o ponto que eles acreditavam que tinham vida eterna. Mas eles não tinham. Mas glória ao Seu nome, esta noite eles têm, amém.

"Iludidas em acreditar que elas [eram] salvas quando elas não [eram] salvas"??!! O OPOSTO É QUE É VERDADE: pastor Beckum é quem ILUDIU muitos cristãos verdadeiramente nascidos de novo a serem "re-salvos" para a vergonha de nosso Deus (Hebreus 5:11 e 6:12). Eu provei esse fato ao expor seu ensino não bíblico e sua óbvia agenda. Dizer que aqueles que foram "salvos" no acampamento (muitos dos quais eram membros e líderes de longa data) foram "iludidos, até o ponto que eles acreditavam que tinham vida eterna" é absurdo. Como já expliquei e provei, essa afirmação não tem absolutamente nenhuma importância e não faz nenhum sentido bíblico quando você para e analisa o que ele implica!!! Antes que o pastor Beckum comece a pregar seu terceiro sermão intitulado "O Jovem Rico", que conclui sua série de sermões sobre o tema "Você é Realmente Salvo?", eu quero mostrar exatamente o que a Palavra de Deus diz em relação à história de "O Jovem Rico". Por favor, preste muita atenção ao contexto deste relato literal.

Eis Mateus 19:16-24:

E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?

E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos.

Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho;

Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?

Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.

E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades.

Deve-se notar que há outros dois relatos desse diálogo entre Jesus e o jovem rico; eles são encontrados em Lucas 18:18-29 e Marcos 10:17-27.

O sermão subsequente do pastor Beckum é mais um exemplo de como ele torce o significado da Palavra de Deus para torná-la adequada à sua agenda. Ele tenta convencer seus ouvintes (ao torcer a Escritura) de que o jovem rico veio a Cristo para ter a verdadeira salvação bíblica, mas não conseguiu porque não deixaria de lado seu orgulho e culpa. Este ensino completamente errôneo e especificamente construído se encaixa perfeitamente na agenda do pastor Beckum de fazer com que os cristãos sejam "re-salvos". Se ele pode convencer as pessoas de que o jovem rico queria aceitar a Cristo como seu Salvador, mas não poderia, porque ele amava seu dinheiro demais ou tinha muito orgulho, então ele sabe muito bem que isso colocará novamente a dúvida na mente de muitos cristãos presentes. Seus ouvintes perceberão que eles também tiveram muitos pecados que ainda estavam "segurando" quando foram salvos há muito tempo e, portanto, estarão tentados a concluir que não deve ter sido uma experiência de salvação real/verdadeira. Esta dúvida que já foi alimentada por histórias dramáticas, estatísticas falsas e testemunhos emocionais é substanciada no coração e mente do cristão com falsos ensinamentos da Palavra de Deus misturados com um pouco de verdade. Em vez de esporadicamente expor Mateus 19 durante todo o sermão transcrito do pastor Beckum, tentarei lhe dar uma visão completa do relato antes de analisar o restante de seu sermão. Acredito que isso aliviará a confusão. Em Mateus 19:16-26, Jesus está fazendo a clara distinção entre fé e obras; este relato não tem nada a ver com alguém que quer a salvação através da obra consumada de Jesus Cristo, mas não pode ser salvo, porque ele não vai "desistir" de seu orgulho. É precisamente isso que o pastor Beckum ensina falsamente neste sermão. Sim, o jovem era orgulhoso, mas este fato não tem aplicação para uma pessoa não salva que deseja colocar sua fé e confiança na obra consumada de Jesus Cristo. Se o jovem  rico desejasse colocar sua fé e confiança em Cristo (o que ele claramente não fez), ou mesmo se acreditasse na divindade de Jesus Cristo (o que ele claramente também não fez), ele teria feito uma pergunta completamente diferente. Por que ele iria ao Deus-manifesto-em-carne e perguntaria que bem (boa obra) que ele tinha que fazer para entrar no céu? Isso seria ridículo; em vez disso ele teria feito uma pergunta como "o que devo fazer para ser salvo?", não "que boa obra devo fazer para ser salvo?". O jovem rico tinha plena intenção de alcançar o céu através de sua justiça própria, e ele pensou que este "bom homem" Jesus poderia ter a chave das boas obras que garantiria o seu lugar no além. O versículo 16 diz: "E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?". Você notará que o jovem se dirige a Jesus como "Bom Mestre". Isso é indicativo do fato de que ele não acreditava na divindade de Jesus Cristo. Esta incredulidade é aludida por Jesus no próximo versículo. O jovem rico apenas pensava que Jesus era um homem moralmente correto e justo que tinha descoberto como garantir a vida eterna através de Sua vida justa, e o jovem rico queria saber o que mais Ele (ele mesmo) tinha que fazer para atingir o mesmo. Versículo 17 diz: "Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos". Reconhecendo o fato de que o jovem rico não O viu como Deus manifestado em carne, mas apenas um homem justo, nosso Senhor imediatamente lhe pergunta porque ele está se referindo a Ele como "bom". Essencialmente, Jesus está dizendo: "Deus é o "único" que é "bom", e eu sei que você não acredita que eu sou Deus, então por que você está me chamando de "bom"?". Jesus, em sua infinita sabedoria, começa a conduzir este homem por um caminho de diálogo engenhoso que o forçará a ver quão completamente distorcida é a sua ideia de alcançar a vida eterna. Cristo continua "mas, se entrares na vida, guarda os mandamentos", sabendo que o jovem rico pensa realmente que pode guardar todos os mandamentos. Nos versículos 18 e 19 lemos: Disse-lhe ele: "Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho; Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo". No versículo 18, o jovem rico responde à declaração de Jesus sobre ter que guardar todos os mandamentos para alcançar a vida eterna, ao perguntar quais mandamentos específicos que ele deve guardar. Jesus responde (versículo 19), dando-lhe uma seleção de mandamentos que lidam com o relacionamento do homem para com o homem. Cristo menciona especificamente os mandamentos que lidam com as inter-relações do homem porque ele conhecia a resposta piedosa e auto-justificada que Ele receberia do jovem. Observe que Jesus não menciona os mandamentos que lidam com o relacionamento do homem com Deus como "você não terá outro Deus antes de mim" ou "amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, alma e mente". Ele não mencionou estes mandamentos porque Ele sabia que a motivação do jovem era somente sobre boas obras, e estes mandamentos teriam servido pouco ou teriam nenhum propósito em sua mente. O jovem rico estava interessado em mandamentos que resultassem em ações tangíveis. Ele não entendia o que significava "amar a Deus com todo o seu coração, alma e mente" ou o que significava "não ter outro Deus antes do Altíssimo". As riquezas do jovem eram um deus para ele, mas ele obviamente não entendia esse fato e assim Cristo nunca mencionou tais mandamentos; o jovem rico nunca teria entendido. Jesus tinha um propósito muito específico para não mencionar aqueles mandamentos que tratavam do relacionamento do homem com Deus, como você verá no versículo seguinte. O versículo 20 diz: "Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?". O jovem responde (assim como Jesus sabia que o faria), alegando piedosamente que ele tinha realmente guardado todos esses mandamentos (durante toda a sua vida). Esta declaração demonstra o quão justo aos seus próprios olhos e iludido este jovem rico realmente era. O versículo 21 diz: "Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me". Aqui está o clímax desta história. Jesus estava bem ciente da crença desse jovem rico de que ele poderia alcançar o céu em/e através de sua justiça própria, e assim Jesus engenhosamente "colocou-o" para revelar inequivocamente um pecado na sua vida que ele não tinha ideia de que estava cometendo. A revelação deste pecado mudaria fundamentalmente a aspiração da justiça própria do jovem rico e sua visão sobre como alcançar a vida eterna. O diálogo de Cristo com o jovem foi realizado perfeitamente não apenas para revelar o estado pecaminoso do jovem rico, mas também para plantar uma semente da verdade dentro de seu coração (que discutirei em breve). Cristo diz: "Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens ...", e nos outros dois relatos desta história registados em Marcos e Lucas, ele diz: "Ainda te falta uma coisa: vai, vende tudo quanto tens ... . ".É vital entender que Jesus NÃO ESTAVA DIZENDO que o jovem tinha que desistir de seu amor ao dinheiro (vendendo tudo o que possuía e dando tudo para os pobres) para alcançar a vida eterna ou a salvação!!! Essa é uma interpretação errônea que leva a graus variáveis ​​da extremamente perigosa e não bíblica doutrina da Salvação pelo Senhorio, que eu já discuti em detalhes. Esta falsa doutrina, naturalmente, leva a uma miríade de outras doutrinas heréticas que eu discuti anteriormente; por exemplo, a ideia de que um verdadeiro cristão nunca pode duvidar de sua salvação e da ideia de que é preciso passar por uma turbulência/luta emocional ou "desistir de tudo" para alcançar a salvação, etc. Cristo estava apenas mostrando ao jovem (pelas suas próprias palavras) que ele nunca poderia ser perfeito. Jesus fez isso usando sua proposta orientada pelo propósito de pedir ao jovem que ele desse todas as suas riquezas. Dar todo o seu dinheiro aos pobres era um exemplo muito revelador de perfeição que o jovem não conseguiria fazer. Isso efetivamente provou ao jovem que ele nunca seria perfeito. Cristo sabia que essa percepção nunca seria alcançada simplesmente dizendo-lhe isso; o jovem teve de vê-lo por si mesmo, e o propósito de Jesus de dialogar com o jovem conseguiu exatamente isso. A propósito, não há um lugar em toda a Escritura onde somos ordenados a fisicamente "desistir" de qualquer pecado, a fim de vir a Cristo para a salvação; o pecador é comandado a ter um desejo de desistir ou de deixar sua vida de pecado, e este desejo se tornará uma realidade através do poder do Espírito Santo, uma vez que ele é salvo (que é o arrependimento em poucas palavras). O pecador não tem absolutamente nenhum poder em si mesmo para "volver" de qualquer um seus pecados antes da salvação; isso é impossível. Tudo o que um incrédulo pode fazer é reconhecer que ele é um pecador, desejar sinceramente abandonar seus pecados, colocar sua fé e confiança em Cristo e aceitar a salvação de Deus como o dom que é. Também é importante reconhecer que na maioria dos casos, fé e arrependimento são sinônimos no coração do pecador (incluindo a maioria dos relatos de salvação na Bíblia). Eu creio que é por isso que Deus especifica a necessidade de arrependimento em Sua Palavra muito menos do que a necessidade de fé Nele porque as duas devem andar de mãos dadas. Contudo, reconhecendo o "desejo de ter tudo ao mesmo tempo" ou a mentalidade egoísta da humanidade, creio que Cristo especificamente menciona a necessidade de arrependimento para resolver o problema da crença fácil ou oração fácil que tem atormentado o cristianismo desde a sua criação. O arrependimento é biblicamente definido como "uma mudança de coração que resulta em uma mudança de ação"; é imperativo entender que a mudança de ação nunca ocorre antes da salvação; ao invés, é por causa da salvação que a mudança sempre ocorre na vida do novo convertido. Por esta razão, devemos ser muito cuidadosos em como definimos verbalmente o arrependimento quando testemunhamos para pessoas perdidas. Não devemos tentar travar nossa própria guerra contra a crença fácil, fazendo o arrependimento soar como se fosse uma mudança na ação que ocorre antes da salvação, garantindo a nós mesmos que a potencial profissão de fé do convertido seja genuína. Tal ação não é nossa parte como embaixadores de Cristo, pois é contrário à Palavra de Deus. Cristo falou dessa forma para mostrar a este jovem que ele não podia ser perfeito. Jesus graciosamente "o prepara" para que o jovem rico finalmente perceba que, apesar de seus melhores esforços, seria impossível para ele alcançar a vida eterna por seus próprios méritos. Jesus essencialmente diz "se você pensa que é perfeito, então venda todos os seus bens e dê o dinheiro aos pobres". Jesus não estava fazendo dessa ação uma condição de salvação do jovem rico!!! Cristo sabia que o jovem não iria querer desistir de suas riquezas, e efetivamente provou que ele de fato amou seu dinheiro demais para dá-lo aos pobres, e, portanto, ele percebeu que ele não era perfeito. O jovem percebeu que se ele fosse perfeitamente justo, então teria sido disposto a dar todo o seu dinheiro aos pobres; mas a realidade era que ele não conseguia fazer isso. Cristo estava apenas dirigindo para o ponto de que "NÃO, jovem rico, você não é perfeito, e você nunca será; você precisa colocar a sua fé e confiar em Mim para ter a vida eterna, e não nas suas próprias obras". A maioria das pessoas percebe que não são perfeitas, mas este jovem foi tão obtuso com relação a seu estado perdido que Cristo foi forçado a manifestar a imperfeição do jovem através de um pecado aparentemente óbvio como seu amor ao dinheiro. Mesmo que o jovem vendesse tudo o que tinha e entregasse o dinheiro aos pobres, ele ainda não seria perfeito. Cristo simplesmente usou este exemplo na vida desse jovem em particular porque sabia que o faria perceber que sua ideia de perfeição e justiça própria era, de fato, INALCANSÁVEL. Esta história é toda sobre a distinção entre a fé em Cristo e os resultados ineficazes de obras de justiça própria; é isso. NÃO TEM NADA A VER COM TER DE "DESISTIR" DE CERTOS PECADOS (como o orgulho ou o amor ao dinheiro), A FIM DE ALCANÇAR A SALVAÇÃO; é heresia torcer esta história para transmitir tais ideias. O versículo 22 diz: "E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades". Não é dito se este jovem veio a ter um conhecimento salvífico de Jesus Cristo; entretanto, uma coisa é certa, Jesus plantou uma semente no coração desse jovem. Ele "retirou-se triste", percebendo que nunca poderia ser perfeito, porque ele nunca conseguiria vender tudo o que tinha, apenas para dá-lo aos pobres. Suas esperanças e sonhos de finalmente ser capaz de falar com este homem justo (Jesus) e obter a peça final para o seu quebra-cabeça de justiça própria intitulado "Boas Obras Necessárias para Alcançar a Vida Eterna" foram destruídos. Ele agora sabia que nunca foi ou nunca poderia ser perfeito. Mas Jesus, é claro, ainda lhe dá uma resposta para seu desejo oculto de alcançar a vida eterna no versículo 21, quando Ele diz: "vem e segue-me" e o livro de Marcos registra Suas palavras como "vem, toma a cruz, e segue-me". Agora, pela primeira vez na vida deste jovem rico, ele recebeu o Evangelho bendito; Jesus diz: "suas boas obras não o levarão ao céu, mas coloque sua fé e confiança em Mim e eu lhe darei a vida eterna". Talvez o jovem rico ainda não compreendesse completamente a mensagem do Evangelho, mas pelo menos a semente foi plantada em seu coração, e ele já não tinha a falsa esperança de que poderia alcançar a salvação através de suas próprias obras ou seus esforços para manter todos os Mandamentos. Os versículos 23 e 24 dizem: "Disse então Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que é difícil entrar um rico no reino dos céus. E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus". Nesses versículos, Jesus resume o problema fundamental na vida do jovem e alude a um fato que é comum entre os ricos da sociedade; essencialmente Ele diz que a riqueza tem a estranha capacidade de criar um falso sentimento de poder e independência em seu dono, especialmente quando o indivíduo está em uma posição alta em sua hierarquia social. Tal pessoa assume que pode usar sua afluência de bens e poder social para construir seu caminho para o céu; por conta própria. Ela não precisa de Jesus Cristo. Ela acha quase impossível "se abaixar" para admitir que todo seu dinheiro e poder social não significam nada em relação ao seu estado eterno e que ele precisa depender unicamente de Cristo, através da fé na Sua obra consumada para a sua vida eterna (aparte de qualquer mérito que ela possa sentir em poder contribuir). Portanto, os ricos têm muito mais dificuldade de chegar a tal ponto em sua vida, do que alguém que tem pouco dinheiro e não foi atingido por seu poder de independência fictício e intoxicante. Os versículos 25 e 26 lemos: "Os seus discípulos, ouvindo isto, admiraram-se muito, dizendo: Quem poderá pois salvar-se? E Jesus, olhando para eles, disse-lhes: Aos homens é isso impossível, mas a Deus tudo é possível". Os discípulos respondem à referência de Jesus à dificuldade inerente que as pessoas ricas têm ao admitirem que precisam de um salvador, perguntando (com espanto): "Quem poderá pois salvar-se?" Jesus igualmente responde de forma espantosa a esta indagação afirmando que: "aos homens é isso impossível; mas a Deus tudo é possível". Jesus estava mostrando que aos homens merecer a salvação é absolutamente impossível porque a salvação é uma obra de Deus APENAS ......... MAS ..."a Deus TUDO é possível"!! [Isso conclui meu exame formal, sequencial do referido texto]. Devo confessar que este sermão, em particular, é mais difícil de analisar do que os dois anteriores porque a base do pastor Beckum, da qual construiu este sermão, é feita sobre areia molhada. Ele baseia todo o sermão na suposição falsa e imprecisa de que o jovem rico acreditava que Jesus era Deus manifesto em carne e, portanto, tinha o poder de lhe conceder a vida eterna. Isto não é o que a Bíblia diz, como observei na minha explicação acima do relato de Mateus 19. É claro que Jesus tinha o poder de conceder ao jovem rico a vida eterna, mas o jovem não tinha ideia de que fosse esse o caso. Ele não tinha intenção de "seguir" a Jesus e, o mais importante, não acreditava na divindade de Jesus. Ele só queria um conselho dAquele que afirmava ter as chaves da vida eterna. Este sermão não faz sentido quando comparado ao que Cristo está ensinando. Porque as afirmações que o pasto Beckum faz neste sermão são baseadas em bases completamente inexatas (observado no parágrafo acima), torna-se muito difícil articular o que o pastor Beckum está tentando dizer. O falso ensino que se baseia em uma verdade, mas é torcido para ensinar o erro é muito mais fácil de identificar e explicar do que o falso ensino que sequer se baseia em uma verdade bíblica. Alguns dos pontos do pastor Beckum parecem fazer algum sentido bíblico, mas eles não têm relevância para o verdadeiro contexto da história ou para o ponto que Cristo está fazendo. Tão confuso quanto tentar explicar a partir de uma perspectiva lógica e coerente o que o pastor Beckum está tentando dizer, deve ser feito para provar e expor o erro. Como você vai ver, o pastor Beckum tenta convencer seus ouvintes (ao torcer as escrituras) de que o jovem veio a Cristo para a verdadeira salvação bíblica, mas não conseguiu entender porque ele tinha muito orgulho. Este ensino completamente errado e feito de propósito se alinha com a agenda do pastor Beckum para que os cristãos sejam "re-salvos". Agora, continuarei com o sermão do pastor Beckum.

Há sete coisas, se chegarmos a todas esta noite, sobre esse jovem que quero que você veja. Eu acredito que se você está perdido, você pode se ver neste jovem esta noite. E eu quero que você seja honesto hoje à noite, assim como esses vinte que foram honestos. Você será honesto esta noite? Eu quero que você seja honesto sobre a salvação. Vamos ver a primeira coisa sobre esse jovem. Ele tinha os motivos certos. Este jovem veio buscar a vida eterna.

Dizer que o jovem rico tinha os "motivos certos" é enganoso porque implica que ele estava vindo a Jesus porque ele acreditava que Jesus era Deus manifestado na carne e que ele entendeu que colocar sua fé em Cristo lhe daria vida eterna. Isso, é claro, não é o caso, mas é o que o pastor Beckum diz ao deduzir que o jovem "teve os motivos certos". Só porque o jovem rico tinha o "motivo certo" de desejar vida eterna é de pouca importância. Eu proponho-lhe que todo ser humano que acredite que tem uma alma ingênua nunca deseje herdar a vida eterna. Quem, em sã consciência, desejaria passar a eternidade em um lugar de tormento? Mesmo os adoradores de Satanás querem a vida eterna, e eles são "motivados" para "procurá-la" através da adoração de Satanás. Uma motivação para alcançar a vida eterna é o que levou vários homens a cometer os atos horríveis no 11 de setembro. Só porque o jovem rico veio a Cristo buscando a vida eterna, não significa que ele estivesse esperando encontrá-lo em e através Dele. A verdadeira intenção do jovem rico era alcançar a vida eterna através de sua própria justiça, e ele pensava que esse homem popular, controverso e justo poderia ter a chave das "boas obras" que lhe permitiria alcançá-la. Então, pergunta sem rodeios a Cristo: "Que coisa boa [ou boa obra] devo fazer, para que eu possa ter a vida eterna?". Sim, ele desejou algo bom (vida eterna), mas reconhecer a maneira não bíblica em que ele estava tentando obtê-la (através de boas obras), é a chave para entender o que Cristo está ensinando nesta passagem.

Ele sabia o que queria e sabia que não tinha. Ele tinha quase tudo na vida, mas ele não tinha a vida eterna. Ele não tinha o que o levaria para chegar ao céu quando morresse. NADA [grita] estava errado com sua motivação. É bom desejar a vida eterna, não é?

Sua motivação e seu "desejo [por] vida eterna" são duas coisas completamente diferentes. Afirmar que "nada estava errado com sua motivação" é enganoso e errôneo, como eu discuti acima. Ao contrário do que o pastor Beckum afirma, a motivação do jovem rico estava ERRADA, como já havia discutido. Seu desejo de vida eterna foi bom, mas não é relevante para entender o significado ou intenção deste relato. Como já mencionei, quem, em sã consciência, não desejaria a vida eterna? O fato desse jovem rico desejar a vida eterna não tem influência no principal significado desse relato.

Certamente, este jovem percebeu que a vida eterna valia mais do que toda a riqueza que ele possuía.

O que? Isso é completamente falso. Não tenho ideia de por que o pastor Beckum faria tal afirmação (talvez simplesmente tenha falado erradamente); no entanto, devo contestar a sua imprecisão. Como a história retrata inequivocamente, o jovem rico, de fato, sentiu que sua riqueza valia mais do que a vida eterna (pelo menos durante a duração da história que é dita).                                                     

Mas Jesus disse, e olhe em Mateus capítulo 6 e versículo 33; Ele diz: "Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas". Não é essa a Palavra de Deus? De acordo com Mateus 19 e versículo 20, este homem era um jovem. No versículo 22, aprendemos que ele era um homem rico. Em Lucas 18:18 nós soubemos que ele era um príncipe. E isso provavelmente significava que ele era um dos principais da sinagoga. Assim, parece que ele era um líder judeu e religioso. Como alguns de vocês foram. Líderes do ministério de louvor, esposas de diáconos, esposas de pregadores. Líderes religiosos na igreja local, mas você não nasceu de novo, não é? Não senhor.

Aqui vamos nós novamente. Porque a Palavra de Deus diz que o jovem rico era um "príncipe", o pastor Beckum afirma que "isso provavelmente significava que ele era um dos principais da sinagoga. Assim, parece que ele era um líder judeu e religioso". Esta teoria (e é tudo o que isso é) foi inventada pelo pastor Beckum para que ele possa alimentar o fogo que ele criou no que diz respeito aos diáconos da igreja, aos professores, aos pregadores ("líderes religiosos" como o jovem rico) e suas famílias sendo "re-salvas". Ele sabe que, se conseguir que esses indivíduos/líderes altamente respeitados sejam "re-salvos", geralmente os membros impressionáveis irão seguir o exemplo, resultando em "números maiores".

Observe algumas coisas sobre esse jovem. Ele era devoto, ele era honesto. Ele disse: Senhor, eu tenho guardado todas essas coisas, o que me falta? Ele era rico, ele era proeminente, ele era altamente respeitado. Aqui está um jovem, sem dúvida perturbado, como alguns de vocês esta noite. Toda sua religião e obras não lhe deram confiança. Ele veio a Jesus quebrantado. Ele veio a Jesus procurando ... ele estava motivado, [gritando], mas ele não tinha essa confiança. Ele não tinha a paz. Ele não tinha essa alegria, essa paz, que alguns de vocês falaram hoje à noite. Ele não tinha essa esperança [gritando] Ele tinha tudo menos Jesus Cristo. Alguns de vocês podem ter tudo esta noite, mas você não tem Jesus Cristo. Oh, ouça-me ... você precisa dele, [quase sussurrando] . Há uma inquietação em sua alma, e ele sentiu a ausência de segurança em seu coração, e ele veio com base em uma profunda, profunda, uma necessidade sentida em seu coração e ele disse Jesus, o que eu tenho que fazer para herdar a vida eterna? O que posso fazer para obtê-la? [gritando] ele teve a motivação certa.

Mais uma vez, ele não teve "a motivação certa". Seu desejo de vida eterna era uma "coisa boa", mas sua motivação era descobrir quais outros atos justos ele tinha que fazer para alcançar o céu.

Isso parece ser o que o jovem rico queria, certo? Ele veio a Jesus, não? Certo. Aparentemente ele percebeu uma necessidade de andar com Deus, não é? Para comungar com Deus; mas havia alguma outra coisa que faltava na vida desse jovem ... um motivo certo.

Típico de um pregador que tem uma agenda que não é paralela à Bíblia, o pastor Beckum torce essa história para tentar justificar sua interpretação errônea e então se contradiz no processo. O pastor Beckum afirma: "Aparentemente ele [o jovem rico] percebeu a necessidade de caminhar com Deus, não é? Para comungar com Deus, Não é?". O jovem rico pensou que Jesus era apenas mais um homem justo que descobriu como viver uma vida digna o suficiente para garantir que chegasse ao céu e queria conhecer seu segredo. O jovem rico não tinha nenhuma inclinação de que Jesus era Deus manifestado na carne e Jesus aponta para a sua ignorância no versículo 17, quando ele diz: "Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus" em resposta ao jovem rico que se dirigiu a Cristo como "bom Mestre". O pastor Beckum afirma que o jovem rico "percebeu uma necessidade de caminhar com Deus ... para comungar com Deus"; isso é totalmente falso!
O pastor Beckum então diz que "havia alguma outra coisa que faltava na vida desse jovem ... um motivo certo". Ele recém ficou REPETIDAMENTE dizendo que este jovem "teve a motivação certa". O pastor Beckum se contradiz completamente. Agora, percebo que às vezes, ao ser mal interpretado, um pregador parece se contradizer; no entanto, esse não é o caso aqui, como você acabou de ler. É muito aparente, que, como resultado de torcer o significado desta história, ele está confundindo-se sobre o seu verdadeiro significado. Este mesmo resultado ocorre quando uma pessoa tenta mentir sobre algo; ele sempre acaba sendo pego revelando sua decepção por uma narrativa inconsistente e incoerente de sua mentira. Não há diferença entre torcer as Escrituras e dizer uma mentira, exceto que torcer as Escrituras são muito mais graves nas suas implicações resultantes.

Talvez você tenha vindo aqui na noite passada buscando Jesus Cristo. Você teve a motivação certa, mas você voltou ao seu lugar no banco, perdido. Eu vi um número de pessoas subir e eles voltaram. Talvez, talvez, agora, talvez, você teve a motivação certa, [pausa e sussurros], mas faltava algo.

Essas declarações nem têm sentido! Assim criando confusão e dúvida na mente do ouvinte! Se uma pessoa não salva "teve a motivação certa", então não há "algo faltando"; tudo o que ele precisa fazer é aceitar o DOM Deus da salvação colocando sua fé e confiança na obra consumada de Jesus Cristo e arrepender de seus pecados. No decorrer desses três sermões, o pastor Beckum fez a salvação tão confusa e difícil de entender/alcançar que não é de admirar que os cristãos se sentissem em seu "limite" e concluíssem que "é melhor estar seguro do que remediar", e buscassem ser "re-salvos".

Observe o que mais esse jovem tem; ele tem a atitude certa. Não só sua motivação foi certa, mas também sua atitude foi louvável. Parecia sentir sua necessidade profundamente.

O pastor Beckum nunca define completamente o que ele quer dizer com "a atitude certa", colocando assim a abordagem do jovem rico a Jesus em uma luz positiva nas mentes dos ouvintes. Até agora, o pastor Beckum afirmou que o jovem rico tinha "o desejo certo", "a motivação certa" e "a atitude certa". O ouvinte desavisado lentamente começa a equiparar o jovem rico com cristãos que por longo tempo foram "príncipes" (líderes ou professores) na igreja; eles podem ter os desejos, as motivações e as atitudes certas ... mas eles nunca foram salvos durante todo esse tempo. Tal comparação NÃO tem validade bíblica. Eu acho difícil aceitar que o jovem tenha uma "atitude certa". Além disso, um exame da atitude do jovem não tem influência sobre a lição que deve ser aprendida com este relato! O pastor Beckum afirma que a atitude do jovem era "certa" quando, segundo a Bíblia, ele tinha uma atitude ruim. Ele veio a Jesus com uma atitude moralista e de justiça própria e queria saber quais outras boas ações ele tinha que adicionar à sua vida já perfeita, para garantir que ele alcançaria o céu. Este jovem era tão altivo e cheio de si mesmo que ele (sem saber) se orgulhava diante do Filho do Deus vivo que ele tinha vivido uma vida perfeita. Uma boa atitude? ... Eu dificilmente penso que seja.

E há pessoas que sabem que não têm vida eterna e que não sentem necessidade disso. Uau! Eles percebem que não sentem a dimensão divina; que essa falta de interesse não os incomoda. Eu conheci muitos desses tipos de pessoas. Eles simplesmente se sentam lá; nada os incomoda. Isso me assusta. isso me assusta, sempre que você ou eu não estamos incomodados.

O fato de alguém não exibir qualquer emoção externa não significa que ele não está "incomodado" ou convicto. As constantes sugestões do pastor Beckum para "chegar ao altar" e referências à ideia de que, se alguém não vier ao altar, "nada os incomoda, apenas sentam-se lá", servem para fazer com que seus ouvintes se sintam culpados por não ir ao altar e ficarem emocionalmente afetados. Essas sugestões fazem com que o cristão sinta que, se já não está incomodado pela pregação (e é bem possível para um cristão rebelde experimentar), ele então não deve ser salvo. Essa é a mensagem oculta nas declarações acima, mesmo que ele realmente não a verbalize.

Isso me incomoda. Isso me assusta, por sua causa. Porque a Bíblia ensina que o Espírito de Deus nem sempre contenderá com os homens. O grande J. Harold Smith usou para pregar um sermão sobre os três limites de Deus. Oh, escute o irmão Beckum esta noite, você pode passar por esse limite. Você pode rejeitar Deus até o ponto onde seu coração irá tornar-se como pedra. Oh, eu espero que aqui esta noite, que você não esteja nessa condição. Que você não esteja à beira dessa condição.

Sim, é um fato bíblico que "Deus [vai entregar as pessoas] a um sentimento perverso" (Romanos 1:28), se elas o rejeitarem continuamente (só Deus sabe quando essa "linha" é cruzada). No entanto, misturar esta verdade com o erro que o pastor Beckum ensinou nesses sermões, serve apenas para pressionar e persuadir as pessoas a serem "re-salvas" (desprovido de qualquer convicção do Espírito).

Mas esse jovem, que estava desesperado; você pode sentir a urgência em sua pergunta. Veja o capítulo 19, versículo 16; você consegue sentir a urgência em sua voz aqui? "Bom mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?" Oh, por favor, diga-me, que coisa devo fazer para que eu possa ter a vida eterna? Marcos 10:17 diz, ele veio correndo, ele veio publicamente. Eu quero que você tenha a imagem... este homem deu seu próprio sustento, sua carreira e tudo sobre a mesa ... correndo para Jesus publicamente.

Não há dúvida de que o jovem rico desejava a vida eterna (por seus próprios méritos), mas apenas porque ele veio correndo para Jesus publicamente, não significava que ele "tivesse posto seu próprio sustento, sua carreira e tudo sobre a mesa", como o pastor Beckum afirma. Essa afirmação é um exagero. Quando o pastor Beckum afirma que o jovem rico "veio correndo para Jesus publicamente", isso implica que ele fez um espetáculo de si mesmo diante de uma grande multidão. A Bíblia não menciona o fato de que havia uma grande multidão presente, ou mesmo que havia alguém presente (exceto os discípulos), quando o jovem rico veio a Jesus. Por tudo o que sabemos, poderia ter sido apenas Jesus e seus discípulos viajando entre um destino e outro. Considerando os três relatos bíblicos deste evento, o único versículo da Escritura que diz algo sobre o ambiente em redor é Marcos 10:17; "E pondo-se a caminho, correu para ele  um homem...". Parece-me que "E pondo-se a caminho" indicaria que Jesus e seus discípulos estavam viajando. Independentemente do que realmente aconteceu, Deus não viu a necessidade de sabermos exatamente quem estava lá (porque isso não tem relevância para o que Deus está fazendo ao nos dar a história!). O ponto que eu estou tentando chegar ao examinar um detalhe aparentemente tão trivial deste relato bíblico é mostrar mais uma vez que o pastor Beckum acrescenta, muda, torce e exagera a Palavra de Deus para se ajustar a sua agenda para obter uma "grande resposta" de seus ouvintes (os cristãos serem re-salvos). A reputação de Jesus se espalhou por todos os lados durante o curso de seu ministério terreal, e teria sido bem conhecido por todos naquela área geográfica em que Ele afirmou ter as chaves da vida eterna. Este jovem orgulhoso e rico sempre pensou que poderia alcançar a vida eterna por suas boas obras e, de fato, afirmou que ele tinha sido perfeito até este ponto em sua jovem vida. No entanto, ele provavelmente nunca teve certeza se estava fazendo "boas obras" suficientes para merecer seu objetivo de vida eterna [este é um problema comum para quem acredita em uma salvação pelas obras]. Ao ouvir os rumores e as especulações sobre esse homem religioso (Jesus) e Sua mensagem de vida eterna, o jovem percebeu que uma boa obra peculiar qualificaria uma pessoa para o céu e essa pessoa chamada "Jesus" sabia o que era! Quando o jovem ouviu que Jesus estava em sua área, ele ficou extasiado com a oportunidade de realmente perguntar a Jesus, cara a cara, qual a boa obra que tinha que fazer para alcançar o céu. Esta excitação explica por que o jovem veio correndo para Jesus e se encaixa perfeitamente no contexto da história. O dilema do jovem era e ainda é uma maneira popular de apaziguar a preocupação de seu destino eterno: tentando viver uma vida digna e esperando que, se suas boas obras superam o seu mal, então ele herdará a vida eterna. No entanto, no caso do jovem rico, ele não teve "obra má" para superar porque ele afirmou ter vivido uma vida perfeita até esse ponto. No entanto, sua alegada vida perfeitamente justa simplesmente não lhe deu a confiança e a paz estabelecida para enfrentar a eternidade. Portanto, ele pensou que, se pudesse verificar com este "especialista religioso" chamado Jesus, quais boas obras específicas solidificariam seu objetivo de alcançar o céu, então ele teria finalmente uma confiança duradoura e paz dentro de seu coração.

Mas ele sentiu a urgência. Ele tinha o pregador motivacional certo, ele tinha a atitude certa, não é? Oh, ele teve. Marcos também nos diz que esse jovem rico caiu aos pés de Jesus, em posição de humildade diante do Senhor. Ele reconheceu a situação indesejável em que estava. Ele tinha a integridade de não ocultá-la, ele tinha a atitude certa. No entanto, é uma das histórias mais tristes de toda a Bíblia.

O jovem NÃO teve "a motivação certa", como já discuti. O pastor Beckum afirma que "esse jovem rico caiu aos pés de Jesus, em posição de humildade diante do Senhor". Em primeiro lugar, ele não "caiu aos pés de Jesus"; Marcos 10:17 afirma: "E, pondo-se a caminho, correu para ele um homem, o qual se ajoelhou diante dele, e lhe perguntou...". Isso era simplesmente um sinal habitual de respeito por uma "autoridade religiosa" daquela época, assim como nos dirigimos ao nosso "pastor" como "Pastor tal". É a mesma ideia de mostrar respeito por alguém em posição de autoridade. A reputação que Jesus tinha adquirido como uma "autoridade religiosa" é também a razão pela qual o jovem rico se ajoelhou e se dirigiu a ele como "Bom Mestre". Em segundo lugar, o pastor Beckum afirma que "esse jovem rico caiu aos pés de Jesus, em posição de humildade diante o Senhor". Esta falsa declaração implica que o jovem veio correndo para Jesus e se prostrou aos Seus pés em reconhecimento de Sua divindade e poder. O jovem não tinha qualquer convicção de que Jesus era "Senhor" ou Deus manifestado na carne, como já provei. Então, dizer que "este jovem rico caiu aos pés de Jesus, em posição de humildade diante do Senhor" é inequivocamente enganador. O jovem rico não tinha um mínimo de humildade; ele era muito orgulhoso. Em terceiro lugar, o pastor Beckum afirma que "ele reconheceu a situação indesejável em que estava. Ele tinha a integridade de não ocultá-la"; implicando que o jovem sabia que ele era um pecador, que estava ligado a uma eternidade no inferno, e que ele estava confessando ao Senhor Jesus Cristo. Esta afirmação não é bíblica e enganosa. Integridade??? O jovem rico disse a Jesus que tinha vivido uma vida perfeita até agora! Claramente, o pastor Beckum está tentando realizar alguma coisa fazendo declarações falsas e afirmando consistentemente e erroneamente que o jovem rico tinha o motivo "certo", desejo e atitude. Ele se esforça para equiparar o jovem rico com seus ouvintes cristãos, a quem ele está acusando de vir a Cristo para a salvação de suas almas, mas que nunca "conseguiram" ou nunca foram realmente salvos. Esta equação é completamente inválida de acordo com a Bíblia, mas alinha-se com a óbvia agenda do pastor Beckum. Esta mesma agenda de ver os cristãos serem "re-salvos" permeia todas as três mensagens do pastor Beckum: "Você É Realmente Salvo?".

Ele tinha o motivo certo, ele tinha a atitude certa ... em terceiro lugar, ele chegou à fonte certa. O jovem  rico não tinha chegado a um simples evangelista, essa era a fonte da própria vida eterna, amém.

Desta vez, o pastor Beckum acrescenta que o jovem rico "chegou à fonte certa". Infelizmente eu tenho que continuar a me repetir porque o pastor Beckum continua a fazer essas enganosas, às vezes falsas, declarações. O "jovem rico chegou à fonte certa"? Claro que sim, mas a afirmação do pastor Beckum definitivamente implica que o jovem rico SABIA que ele estava chegando à fonte certa e isso simplesmente não é verdade. O jovem rico não acreditava que Jesus fosse o Filho de Deus. Ele veio a Cristo por causa de sua reputação religiosa e suas controvérsias, e ele pensou que poderia estar inteirado das "boas obras" necessárias para a entrada no céu. Sim, o jovem veio à "fonte certa", mas esse fato é uma coincidência secundária, quando considerada a intenção original do jovem. Em outras palavras, o jovem não veio intencionalmente a Cristo por saber que Ele podia lhe conceder a vida eterna através da fé, como o pastor Beckum continua a deduzir!

Olhe em 1 João 5:11, agora, igreja, por favor, ouça o irmão Beckum. Existe um poder do Espírito Santo que está neste acampamento desde a noite de segunda-feira. Amém. Há uma sensação de urgência neste acampamento desde segunda-feira à noite. Você conseguiu senti-lo, eu sou capaz de senti-lo ... e você? Uma urgência, para as pessoas chegarem a Deus. Pare de jogar com Deus. Pare de brincar com Deus.

Deus não abençoa ou trabalha através de um pregador que torce e manipula Sua Sagrada Palavra para obter resultados. A afirmação do pastor Beckum de que "existe um poder do Espírito Santo que está neste acampamento desde a noite de segunda-feira" não é nada mais do que a sua opinião. Tal afirmação contém ABSOLUTAMENTE NENHUM PESO, a menos que esteja saturado na pregação não adulterada da Bíblia Sagrada; e certamente não é esse o caso durante estes sermões. Você pode discutir e reclamar sobre a experiência após experiência que ocorreu nas reuniões do acampamento (e depois disso) que, em sua mente, valide todo o evento aos olhos do Deus Todo-Poderoso. Desculpe-me por decepcioná-lo, mas NÃO é assim que você determina se Deus aprova uma experiência ou não, não importa o quão "maravilhoso" fosse. Como eu já discuti, você nunca vai da experiência à verdade, antes Deus nos diz que devemos começar em sua PALAVRA e depois compará-la com nossas experiências. Se a experiência não coincide com a Palavra de Deus, então precisamos reconhecer o erro e ser muito cautelosos com esses ensinamentos que produziram essas experiências no futuro. Se a Bíblia não é pregada na verdade (e certamente não foi nesses 3 sermões), então você não tem absolutamente nenhum fundamento para basear sua afirmação de que "foi tudo de Deus". Mesmo que alguns cristãos agora tenham mais fervor para as coisas de Deus, mesmo que mais almas sejam salvas como resultado de seu fervor, mesmo que sua motivação tenha "contagiado" outros ... NÃO VALIDA O QUE ACONTECEU NESTAS REUNIÕES! Todos os tipos de "coisas boas" acontecem como resultado das cruzadas ecumênicas de Billy Graham ou da produção do filme "A Paixão", mas certamente não justifica esses eventos aos olhos de nosso Deus. Em vez disso, quando você compara esses dois exemplos com a Palavra de Deus, eles estão muito errados sob a autoridade da Palavra de Deus, posso dizer-lhe que Ele não está satisfeito com eles e nem a sua benção está sobre qualquer um deles. O ponto é que há uma miríade de consequências negativas e de longo alcance que resultam de desviar-se da Palavra de Deus e tal é o caso desses dois exemplos (que discutirei mais adiante). No que diz respeito às reuniões do acampamento, já discuti as muitas consequências negativas a curto e longo prazo que há e continuarão a ocorrer, a menos que seja reconhecido e depois protegido no futuro (Eu também falarei mais sobre isso mais tarde).

Você está enganado que nunca morrerá. Esse é o seu espírito ... nunca morrerá, nunca. Vai morar num dos dois lugares, vai viver no céu, ou vai viver no inferno. Este jovem correu para Jesus, e ele disse: "Oh, Jesus, ele se ajoelhou com essa atitude certa. Ele tinha o motivo certo,

Não, ele não tinha "atitude certa" ou "motivo".                                                                                       

E ele disse: "o que posso fazer para herdar a vida eterna? "O que posso fazer para ter a vida eterna? [gritando]. Ajoelhando-se aos pés de Jesus, depois de correr até ele, ele disse: Oh, o que posso fazer?

Considerando o contexto deste sermão e a maneira pela qual o pastor Beckum parafraseia e coloca a pergunta feita pelo jovem rico, como se ele estivesse vindo a Cristo para descobrir como ele poderia ser salvo. Claro, isso só faz sentido quando você considera todo o seu sermão. O pastor Beckum erroneamente ensinou que o jovem acreditava na divindade de Cristo desde o início e que ele estava vindo a Jesus porque acreditava que Ele tinha o poder de conceder vida eterna. Para adicionar mais clareza a este erro, é como equiparar a pergunta do carcereiro de Filipos a Paulo - "O que devo fazer para ser salvo" - (Atos 16:30) à pergunta do jovem rico a Jesus - "O que é que devo fazer para ter a vida eterna". Ambas as perguntas soam semelhantes, mas são diametralmente opostas quando se considera o motivo da pessoa que coloca a questão. A diferença fundamental entre os dois é o conhecimento do pecado em sua vida. O carcereiro sabia que ele era um pecador, e o jovem rico não. Este fato prova o quão opostas são essas duas questões, mesmo que pareçam ser semelhantes. O carcereiro queria saber como ele poderia colocar sua fé e confiança no Senhor Jesus Cristo, e o jovem rico queria saber quais boas obras que poderia adicionar à sua vida já perfeita para obter a vida eterna. Novamente, o pastor Beckum está erroneamente tentando equiparar o jovem rico com os cristãos nascidos de novo, para que duvidem de sua salvação e façam uma nova profissão de fé que crie excitação e números.

Há pessoas sentadas aqui esta noite, perguntando o que posso fazer? Eu tenho a motivação certa, irmão Beckum. Eu tenho a atitude certa. Eu quero ir a fonte certa, irmão Beckum. Então, por que você não faz isso? Por que você não sai do banco e faz isso? Por que você não inclina a cabeça no banco agora e diz, oh Deus, venha em minha vida e salve minha alma?

O pastor Beckum continua a equiparar os cristãos com o jovem rico. Essas declarações fazem com que o crente chegue a seguinte conclusão: "bem, quando eu pensei que fui salvo, eu também tive a motivação correta, tive a atitude certa, e eu sabia que eu estava na fonte correta, assim como o jovem rico! mas ele nunca foi realmente salvo, então talvez eu não seja realmente salvo". Então, em sua mente, ele defina: "bem, é melhor então previnir do que remediar, assim é melhor eu ir e ser salvo". Claro, tal conclusão não se baseia unicamente nas declarações acima. Baseia-se em todos os testemunhos persuasivos e altamente influentes, as estatísticas infundadas, as histórias ridículas e o proposital falso ensino que eles ouviram do pastor Beckum. Combinado com a alta energia emocional que acompanha essa experiência no geral, não é de admirar que muitas pessoas tenham sido enganadas ao pensar que o pastor Beckum estava pregando uma doutrina bíblica de que Deus estava "abençoando".

Eu vejo o que I João 5:11 diz, "E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho". Olhe no versículo 20; "E sabemos que o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para que conheçamos ao Verdadeiro; e no que é Verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna". Amém. Glória a Deus. Não só Jesus é a fonte da vida eterna, ele é a  vida eterna. Amém. O jovem rico estava buscando no lugar certo, não é? Não é uma história maravilhosa até agora?

Sim, ele estava buscando no lugar certo, mas certamente não propositalmente e não pelas razões certas, como o pastor Beckum continua a deduzir.

E então ele começou a conversar com Jesus, Jesus disse: "Por que me chamas de bom. Ninguém há bom senão um". Jesus começou a falar com esse jovem. Irmã Freisen, apenas falando com ele. Jesus realmente queria que este jovem o seguisse.

O pastor Beckum IGNORA COMPLETAMENTE esta declaração crítica de Jesus. O pastor Beckum afirma que "Jesus começou a falar com esse jovem"; Jesus não estava apenas fazendo "pequenas conversas"; Ele estava fazendo um ponto muito importante. Ou o pastor Beckum não entende o ponto que Jesus está fazendo ao dizer isso, ou ele está deliberadamente ignorando isso porque ele sabe que DESMONTARÁ SEU SERMÃO TOTALMENTE e expor sua falsa mensagem. Seja qual for o caso, o pastor Beckum descarta uma declaração de Jesus que é crucial para entender o ponto que Deus está fazendo ao colocar este relato em Sua Palavra. O ponto é claro, é que o jovem não acreditou na divindade de Jesus Cristo. Ele simplesmente acreditava que ele era um homem devoto e religioso que tinha uma visão incomum sobre as coisas de Deus.

Ele realmente queria dar-lhe a vida eterna. E eu quero que você observe [pausa] ele fez a pergunta certa. [pausa] ele fez a pergunta certa. Olhe para o versículo 16, que bem farei?

Obviamente, o jovem NÃO fez "a pergunta certa". O jovem queria saber qual boa obra ele teria que adicionar à sua vida já perfeita para que alcançasse o céu. Ele fez uma pergunta orgulhosa e egoísta que foi derivada de seu desejo de alcançar a vida eterna através de suas próprias boas obras! Ele não acreditou na divindade de Jesus Cristo nem que Jesus tivesse qualquer poder para conceder a vida eterna. É por demais óbvio que o pastor Beckum está torcendo esta história na tentativa de igualar erroneamente os cristãos com o jovem rico (pelas razões que já discuti extensivamente).

Você está aqui esta noite, você diz, irmão Beckum, meu coração está prestes a saltar para fora do meu corpo. Irmão Beckum, eu tenho todas essas coisas que você está falando desse jovem, e irmão Beckum, eu tenho até mesmo a pergunta certa. Irmão Beckum, eu realmente quero ser salvo. Você quer?

Aqui, o pastor Beckum começa a atacar diretamente a experiência de salvação do cristão que está o ouvindo, questionando se ele realmente "quer se salvar" ou não... "você quer?". Esta técnica inevitavelmente coloca questões semelhantes a seguinte em sua mente: "eu realmente consegui ser salvo na primeira vez ou me enganei todos esses anos?"; "Esse jovem rico parece como eu, talvez eu não seja realmente salvo?".

Você vê que esse jovem realmente queria se salvar, queria viver para Deus, ele veio, ele veio, ele estava motivado. Ele veio com a atitude certa. Ele foi à fonte certa, ele fez a pergunta correta, tudo estava correto ... tudo estava certo.

Estou certo de que você está ficando cansado de me ver repetir, mas eu só faço porque o pastor Beckum continua a repetir os mesmos erros. O que ele afirma no trecho sublinhado acima é completamente errado e exatamente OPOSTO da Bíblia de onde ele tirou o relato. O jovem rico NÃO "quer viver para Deus"; ele NÃO "veio com a atitude certa"; ele inadvertidamente "foi à fonte certa"; Ele NÃO "fez a pergunta correta"; e NÃO, "tudo [NÃO] estava correto [ordem] ... tudo [NÃO] estava certo". Já expliquei as razões pelas quais essas declarações são enganosas e porque elas não representam o que a Bíblia realmente diz.

Pregador, esse jovem realmente não era sério. Ele não estava falando sério, irmão Friesen. Ele não estava. Ele não estava. Ele não estava. Ele não estava.

Claro que "ele não estava falando sério" porque NÃO ESTAVA procurando a salvação através de Jesus Cristo!!! O pastor Beckum está condicionando seus ouvintes, para fazê-los sentir como se eles não "tivessem se entregado totalmente" a Deus ou não fossem "suficientemente sérios" quando foram salvos pela primeira vez, e, portanto, nunca foram realmente salvos. Isso é exatamente o que ele está fazendo, como você está lendo.

Assim como algumas pessoas vêm aqui, elas estão procurando algo, estão procurando um pouco de paz. Elas estão buscando algo e elas correm pelo corredor. E elas baixam as suas cabeças, e elas choram, e elas choram, e elas choram, e elas choram, e elas não entendem por que não conseguem.

LEMBRE-SE, o pastor Beckum está baseando essas declarações/comparações sobre doutrinas/conclusões completamente falsas derivadas de distorcer a história do jovem rico. Ao usar as Escrituras, ele tenta sustentar sua interpretação e fazê-la parecer bíblica, quando, na realidade, é algo além disso. Aqui, o pastor Beckum começa a apresentar a ideia não bíblica de que as pessoas querem a salvação de forma tão grave que "correm pelo corredor". "E elas baixam as suas cabeças, e elas choram, e elas choram, e elas choram, e elas choram, e elas não entendem por que não conseguem". "ISSO É ABSOLUTAMENTE RIDÍCULO !!!! Essa ideia, de forma indiscutível, faz com que a salvação pareça muito difícil de conseguir; uma pessoa chega a tal lugar (querendo a salvação tão intensamente e sabendo exatamente como recebê-la de acordo com a Bíblia) e ainda "não pode obtê-la" e "não entendem por que não conseguem". Como eu já discuti, você NÃO encontrará em nenhum lugar em todas as Escrituras, onde alguém sabe como ser salvo e quer ser salvo, mas "simplesmente não consegue" e "eles não entendem por que"!!!! Não há sequer uma pista nas Escrituras de que tal situação possa ser possível! Salvação é um presente, e é MUITO, MUITO simples. Não vou entrar em mais detalhes aqui porque eu já usei a Escritura para descrever e discutir detalhadamente a simplicidade da salvação. Eu também expliquei por que fazer a salvação parecer como se fosse difícil conseguir é tão perigoso e porque é HERESIA.

Escute, eu vou te dizer o porquê. Este jovem estava cheio de orgulho. [longa pausa]. Enchido até o topo da cabeça com orgulho. Ele era um jovem orgulhoso. Ele era um jovem que não podia abandonar seu orgulho e sua arrogância. Ele preferiria ir para o inferno, [sussurra] então o deixou ir.

Mantendo a marca registrada do falso ensino, o pastor Beckum mistura a verdade com o erro (o que geralmente faz com que o ouvinte descuidado conclua que é tudo verdade). Antes de tudo, como provei com as Escrituras, o jovem NÃO veio a Jesus para ter a verdadeira salvação; sim, ele era incrivelmente orgulhoso, mas como ele não estava procurando a salvação bíblica, o fato de que ele era orgulhoso NÃO tem aplicação para entender por que ele não foi salvo. Ele não foi salvo porque ele estava tentando chegar ao céu por conta própria, através de suas próprias boas obras. Em segundo lugar, o pastor Beckum afirma que "Ele era um jovem que não podia abandonar seu orgulho e sua arrogância". Esta falsa doutrina de "não poder abandonar" certos pecados que, portanto, desqualifica a salvação de uma pessoa é EXTREMAMENTE perigosa! Você diz: "Qual é o problema?". "Se uma pessoa é tão orgulhosa quanto o jovem rico, então ele não pode ser salvo". Isso é verdade se você está olhando o verdadeiro significado bíblico do relato; ou seja, o jovem pensou que ele era tão perfeito que poderia entrar no céu por seu próprio mérito. No entanto, se você estiver olhando para a versão errada do pastor Beckum desta história, sua afirmação é falsa. Você vê, o pastor Beckum ensina erroneamente que o jovem veio a Cristo para a salvação de sua alma (por meio da fé nele), mas ele NÃO PODERIA ser salvo porque ele "não podia abandonar seu... orgulho"; isso é heresia! e vou provar por que logo. Lembre-se, esta falsa implicação do jovem rico que "não podia abandonar seu orgulho" que o pastor Beckum propaga aqui não é mesmo aplicável porque não é o que a Bíblia está ensinando nesta passagem. No entanto, para entender a doutrina muito perigosa que o pastor Beckum está disseminando aqui, devemos olhar a história a partir de sua perspectiva errônea. Primeiro, devemos voltar para a definição bíblica de arrependimento. É definido como o DESEJO ou VONTADE de se desviar dos pecados ou uma mudança de coração/mente que resulta em uma mudança de ação. A razão pela qual eu escrevi essas duas palavras em maiúsculas (DESEJO e VONTADE) é porque elas são críticas em obter uma compreensão adequada do que o verdadeiro arrependimento bíblico é. Você vê, dizer que é preciso "desistir" de certos pecados antes da salvação é completamente contrário à Bíblia e à sua definição de arrependimento. Quando você coloca sua fé e confia na obra consumada de Jesus Cristo para a salvação de sua alma, você se arrepende DESEJANDO se desviar de todos os seus pecados. Você não quer mais uma vida de pecado; você sente seus pecados, mas você não tem ABSOLUTAMENTE nenhuma habilidade para abandonar verdadeiramente (de uma maneira agradável de Deus) de qualquer um desses pecados antes de você ser salvo porque você ainda está "morto em ofensas e pecados" (Efésios 2:1). Mesmo se você fosse "desistir" fisicamente (parar de cometer) um pecado particular antes da salvação, isso significaria ABSOLUTAMENTE NADA para Deus porque ele diz "todas as nossas justiças ("desistir" dos pecados antes da salvação) é como trapo de imundícia" (Isaías 64:6). Antes de sua salvação, Deus olha para você como um pecador, "morto em suas ofensas e pecados". Deus NUNCA disse que você deve desistir de todos os pecados (conhecidos ou desconhecidos) antes da salvação!! Isso desacreditaria o fato de que a salvação é um DOM de Deus (Efésios 2:8,9)! Sim, a salvação é CONDICIONAL, mas somente no pecador DESEJANDO se desviar de seus pecados e colocar sua fé e confiança na obra consumada de Cristo e que é exclusivamente em um nível espiritual ou de coração. Não há absolutamente nenhuma ação física necessária para a salvação!!! É tudo sobre o coração do pecador. Você diz "bem, e o "requisito "em Romanos 10: 9,10 que diz: "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação"? Quando você considera o contexto desses versículos, é claro que Deus está falando sobre o fato de que os verdadeiros cristãos produzirão pelo menos alguma evidência de mudança (fruto) em sua vida (já falei sobre isso). Alguns dos que deram testemunho sobre sua conversão nas reuniões do acampamento usaram erroneamente Romanos 10:10 para apoiar uma declaração semelhante à seguinte: "Mesmo depois de ter aceitado Cristo na minha vida nas reuniões do acampamento, eu ainda não tinha paz". "Nunca senti a verdadeira paz de Deus até que eu obedeci a Romanos 10:10 e dei meu testemunho diante de todos na noite seguinte ". Isso é completamente não bíblico; declarar verbalmente o que você acredita no seu coração NÃO é um requisito de salvação! Para provar que Romanos 10:10 não significa isso, você simplesmente deve comparar a Escritura com as Escrituras. O que Deus diz que é necessário para que alguém seja salvo? ... fé na obra consumada de Cristo e arrependimento. Em NENHUM lugar na Escritura existe nem mesmo um sinal sobre tal exigência verbal. Se tal requisito fosse o caso, considere o seguinte exemplo: uma pessoa estava em coma, mas ela estava completamente ciente de seu entorno, e tinha uma mente sadia. Ela não podia falar ou se comunicar de forma alguma, exceto para ouvir e ver. Essa pessoa não poderia ser salva de acordo com essa doutrina, porque ela não podia confessar Cristo com sua boca. Claramente, usando Romanos 10:10 para apoiar a ideia de que é preciso expressar a oração do pecador verbalmente ou dar testemunho público de sua experiência de conversão para "finalizar" sua salvação é imprecisa e herética. A segunda parte da definição bíblica de arrependimento (uma mudança de ação ou o abandono de alguns pecados) SEMPRE OCORRE APÓS A SALVAÇÃO. Acontece através do poder do Espírito Santo que agora reside no novo crente. A mudança de ação simplesmente autentica o coração arrependido do pecador. Você e eu não temos qualquer habilidade para se transformar verdadeiramente (de um modo que honre a Deus) de cometer QUALQUER pecado fora do poder habilitador do Espírito de Deus. Ajudar você a compreender a inter-relação entre fé e arrependimento que se combinam para definir a salvação, considere as seguintes afirmações: o arrependimento é dividido exatamente pela metade pela fé em Cristo. Uma pessoa sente seus pecados (o que necessariamente significa que ele deseja se afastar deles, não apenas um sentimento de remorso); ele coloca sua fé e confiança na obra consumada de Cristo; ELE AGORA EXPERIMENTA A SALVAÇÃO. Então ocorre a segunda metade do arrependimento - ele autentica seu arrependimento mudando ou deixando de cometer ALGUNS pecados e/ou produzindo ALGUM fruto para Cristo. É imperativo entender que o grau de mudança ou a quantidade de fruto produzido e o tempo necessário para realizar qualquer um deles NÃO PODEM ser quantificados! Deus diz que deve haver ALGUM fruto/mudança produzida (Mateus 13), mas é um fato bíblico que alguns cristãos literalmente entrarão no céu com "a pele dos dentes" (Jó 19:20; I Coríntios 3:15), fazendo muito pouco para a causa de Cristo (considere Ló ou a Igreja de Corinto). (Por mais nobre que seja, não é prerrogativa de nenhum cristão ou pregador minar outra experiência de salvação cristã carnal e preguiçosa com a esperança de viver uma vida mais santa fazendo um "novo começo". Tudo o que podemos fazer é orar por ele, ser um exemplo para ele e admoestar/repreender com a PURA PALAVRA DE DEUS, NÃO ADULTERADA.) Por exemplo, se uma pessoa vem a Cristo para a salvação de sua alma ela reconhece que é uma pecadora; DESEJANDO se desviar de seus pecados, coloca sua fé e confiança na obra consumada de Cristo, MAS sabe que tem uma forte dependência do álcool. Ela acaba por ser salva e vai conhecendo a paz de Deus enquanto começa a se alimentar da Sua Palavra e a ter comunhão com outros cristãos. Uma semana depois, é seduzida para sair com velhos amigos e, devido aos seus esforços persuasivos, o novo converso finalmente concorda em sair para um restaurante para jantar. Uma coisa leva a outra e, antes que ela saiba, bebe um pouco de álcool novamente. Ela se sente culpada e está zangada consigo mesma por cair tão facilmente; ela volta e tenta novamente, apenas para fazer o mesmo dois meses depois. Essa pessoa "conseguiu"; foi realmente salva? Absolutamente, foi. Agora, como já disse antes, se ela afirmou ser cristã, mas nunca fez mudanças em sua vida, nunca produziu nenhum fruto em sua vida e continuou a viver dentro e para as coisas deste mundo, sem arrependimento ou remorso, a Bíblia diz que ela não é uma verdadeira cristã (I João 2:15). O pastor Beckum deduz que, se você vier a Cristo para a salvação e não tiver superado certos pecados (e no caso do jovem rico, foi orgulho), então uma pessoa não pode ser salva até que ela "abandone" esse pecado em particular. O fato bíblico é que você não pode "abandonar" o orgulho ou qualquer outro pecado porque somente o Espírito Santo pode realizar isso através da alma entregue do cristão. É como dizer que a pessoa que está prestes a ser salva deve "abandonar" seu desejo de ir aos cinemas para que ela possa "obter" (a salvação). Ela deve ter o desejo de querer superar esse anseio (se ela entende que tal ação é uma afronta a Deus), mas mesmo que ela parasse fisicamente de ir aos cinemas antes da salvação, é um esforço na futilidade. Tal ação não tem valor para Deus! Não significa nada para Deus. Tal ação é tão boa como trapos de imundícia aos olhos de Deus (Isaías 64:6). Aparte do poder do Espírito Santo (que só está disponível para o cristão nascido de novo), não há possibilidade de vitória verdadeira, física, aprovada por Deus sobre o(s) pecado(s). Dependendo de quanto o cristão ceda seu coração e vida ao seu Salvador, ele determinará quão rápido e consistentemente ele irá superar fisicamente um pecado particular! A distinção importante aqui é que Deus reconhecerá e recompensará o Seu filho por fazer essas boas obras (superar os pecados, demonstrar os frutos do Espírito, etc ...), mas as boas obras semelhantes cometidas por um pecador perdido não significam nada para Deus, especialmente no que diz respeito à salvação! Além disso, se você manter a posição de ter que "desistir de tudo" antes de poder ser salvo, você comete qualquer desses pecados "desistidos" novamente, depois de ter sido salvo? Espero que a sua resposta seja SIM. Se for esse o caso (e sim, é um fato inegável que você cometerá pelo menos alguns desses supostos pecados "desistidos" novamente), qual é a quantidade mínima de tempo que você precisa para não cometer qualquer um desses pecados a fim de se qualificar por ter "desistido"? Um mês, um ano, dez anos ... mas quando você acaba cometendo um desses pecados "desistidos", então não deve ter de fato "abandonado" inicialmente. Tal situação significaria que você não é verdadeiramente salvo! Quando você quebra toda essa "conversa espiritual" fofa, se aprofunda na questão e compara com as Escrituras, e vê que está TÃO LONGE da verdade da Palavra de Deus, é assustador! Outra implicação ridícula de uma doutrina tão falsa é a seguinte: um pecador deve "desistir" de certos pecados antes da salvação ou ele não pode obter a verdadeira (salvação). No entanto, um verdadeiro cristão, depois de anos de viver para Deus, pode cair em um estado retrocedido e cometer "pecados públicos horríveis" e ainda ser um filho de Deus. (Pecados como o incesto cometido na Igreja de Corinto, adultério cometido pelo Rei Davi ou homicídio cometido por Moisés). Assim, um pecador que quer ser salvo deve "desistir" de certos pecados antes da salvação, mas, uma vez que ele é salvo, ele pode cometer qualquer pecado sob o céu e ainda ser salvo? É exatamente isso que implica essa falsa doutrina. Vocês estão começando a ver como é inválida, insensata e não bíblica essa doutrina é? !! Agora, para responder a outra disputa absurda e não bíblica que alguém possa estar pensando, considere a seguinte resposta: "Bem, eu não quero dizer que você tem que "desistir" desses pecados para sempre, eu apenas quero dizer que NO MOMENTO DA SALVAÇÃO você deva desistir deles". Esse ridículo raciocínio é tão errôneo e não bíblico quanto "desistir" de pecados particulares por um período de tempo, ou para sempre. Como você poderia dizer que "desistiu" de tudo no momento da salvação? Você simplesmente não pode, se você é honesto. No momento da salvação, você DESEJA ou tem VONTADE de deixar de cometer suas ações pecaminosas/palavras/pensamentos, mas você não tem capacidade para agradar a Deus ao parar fisicamente com tais pecados antes ou no momento da salvação. Então, dizer que você deve "desistir de tudo" ou "dar tudo" antes de se salvar é TOTALMENTE diferente de dizer que você deve ter um desejo ou vontade de se voltar ou desistir do seu(s) pecado(s)! E POR FAVOR, não tente justificar esse erro ao dizer que o pastor Beckum estava dizendo isso (desejando desistir de tudo) e que eu apenas estava o interpretando mal. Você sabe muito bem, isso não é verdade quando você considera suas declarações e seu uso errôneo da Palavra de Deus. Esta mesma falsa doutrina entrou na nossa própria igreja em uma variedade de formas. Na tentativa de justificar os ensinamentos do pastor Beckum, João 12:24 foi mal utilizado. Ele diz: "Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto". O versículo era usado para dizer que "no momento da salvação" deve-se morrer de forma prática para todo pecado conhecido em sua vida. Isso NÃO é o que este versículo está ensinando! Tentando defender essa posição quando confrontei o pregador com este erro bíblico, ele continuou a insistir em que "era apenas NO MOMENTO DA SALVAÇÃO" que isso ocorre. Independentemente de uma pessoa morrer por uma fração de segundo ANTES da salvação ou de um minuto ou de uma semana ... NÃO IMPORTA; ainda assim não é bíblico. Após um longo discurso, ele acabou por "afirmar" que quis dizer que a pessoa morreu POSICIONALMENTE o tempo todo. Ele sabia muito bem que não quis dizer posicionalmente quando pregou o sermão ou no início do nosso discurso ... ele quis dizer isso na prática. No entanto, o ponto do nosso encontro foi bem sucedido e o foi para conseguir que ele reconhecesse sua interpretação errônea do referido texto, embora ele nunca tenha admitido seu erro (o que todos somos capazes de fazer!). Você diz "mas isso é importante?". É MUITO IMPORTANTE aos olhos de Deus porque é contrário a Sua Palavra! Este é o tipo de ensino que embora não seja tão descaradamente errôneo quanto os sermões do pastor Beckum, é tão antibíblico e perigoso quanto. Posicionalmente, sim, morremos para o pecado ou nossa carne na conversão, mas dizer que isso tem uma aplicação prática de qualquer maneira é absolutamente falso e não bíblico. João 12:24 está claramente falando sobre nossa morte posicional para nossa carne na conversão e nossa nova vida em Deus através do novo nascimento. Gálatas 2:20 reitera a mesma verdade: " estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim". Posicionalmente estamos mortos para nossa carne, assim como João 12:24 faz alusão, mas na prática batalharemos diariamente com nossa carne até chegarmos ao céu (Gálatas 5:17, Romanos 7). Já discuti a necessidade de os cristãos entenderem a diferença entre santificação posicional e prática. Sem uma compreensão adequada desta diferença doutrinária vital, o cristão fica indefeso contra uma variedade de falsas doutrinas extremamente perigosas. A seguinte conclusão falsa foi extraída de um estudo sobre a história de Zaqueu, que eu acredito que também é um subproduto de se esforçar para justificar o que ocorreu nas reuniões do acampamento. "Há alguns pecados que as pessoas precisam abandonar fisicamente antes de poderem se salvar, assim como Zaqueu teve que "desistir" de defraudar as pessoas através de aumentos de impostos ANTES que ele pudesse ser salvo". Se você lê o relato de Zaqueu em Lucas 19, não há absolutamente nenhuma indicação de que ele "desistiu" de seu pecado popular e público ANTES da sua salvação. Se alguém estivesse procurando um motivo para fazer tal pedido (como tentar defender os ensinamentos do pastor Beckum), ele poderia manter o seguinte argumento inválido (embora aparentemente possível) para apoiá-lo. Os versículos 8 e 9 são:

8: E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.

9: E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão.

A conclusão inválida é a seguinte: "Por causa da ordem das declarações nos referidos versículos, pode-se assumir com segurança que Zaqueu desistiu desse pecado ANTES que ele fosse salvo; Jesus diz-lhe que a salvação veio a sua casa (versículo 9) DEPOIS dele se comprometer a abandonar o pecado e restituir o dinheiro que ele devia às vítimas (versículo 8)". Só porque Jesus declara que "a salvação veio a esta casa", depois de um versículo em que Zaqueu descreve seu plano de ação para "equilibrar as coisas" com suas vítimas, não significa que há uma ordem cronológica de eventos em relação a sua salvação. Se você compara a Escritura com a Escritura, argumentando que Zaqueu "desistiu" de seu pecado particular ANTES da salvação não faz QUALQUER sentido. Em nenhum lugar nas escrituras esse raciocínio aparece. "Esticar" e "estender" em uma passagem da Escritura para apoiar essa posição não bíblica é apenas a prova de que deve haver uma agenda oculta. Por que razão alguém tentaria provar tal posição herética? É muito evidente para qualquer cristão que tenha uma compreensão madura da Palavra de Deus que é extremamente difícil provar biblicamente tal posição, a não ser que se recorra à torção das Escrituras. Há muito pouco que não pode ser "comprovado" torcendo as Escrituras e essa conclusão biblicamente inválida que Zaqueu "desistiu" de seu pecado conhecido antes de ser salvo, não é exceção. II Coríntios 5:17 diz: "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo". "Todas as coisas tornam-se novas", mas algumas pessoas diriam que este versículo significa que elas nunca mais cairão naqueles "certos pecados" novamente se forem "verdadeiramente salvos". Isso não é o que o versículo está dizendo, se você olhar para o seu contexto. Este versículo refere-se à perspectiva espiritual do pecado de um cristão. Agora, em vez de ver o pecado como divertido e emocionante e as coisas de Deus como enfadonhas e inúteis, exatamente o oposto agora é verdadeiro (dependendo de quanto você entrega seu coração e vida a Deus). Isso não significa que todos os seus pensamentos, palavras e ações façam uma volta de 180 graus, e não terá mais lutas com o(s) pecado(s). O grau em que ele vive que essa verdade ("todas as coisas se tornaram novas") dependerá de quanto se render ao Espírito de Deus, que é uma luta vitalícia para o cristão (esforçando-se para render mais e mais à Sua soberana vontade para a vida do cristão). [Eu sei que o pastor Beckum não mencionou este versículo em seu sermão; no entanto, pensei que era necessário abordar a sua aplicação ao assunto em questão porque foi mal utilizado em várias vezes na tentativa de apoiar o ensino dele.] Os sermões do pastor Beckum são exatamente o tipo de falso ensino que incite a ideia de que é preciso lutar com o pecado, passando por vários graus de turbulência emocional ou "espiritual", na tentativa de chegar ao fim de si mesmo ou "entregar tudo" antes que se possa ser "verdadeiramente salvo". Isso é errado e contrário ao que a Bíblia ensina, como provarei. Eu confio que agora você está percebendo o quão antibíblico o ensino do pastor Beckum é e seu (muito real) perigo inerente.

Sim. Como muitos de vocês, aqui esta noite, tudo o que você disse até este ponto pregador, sim pregador, isso é para mim, pregador, sim pregador ... agora, o que você está fazendo agora? Agora, a tendência é mentir. A tendência agora é tentar encobrir o orgulho, e não admitir isso. Agora é hora de mentir para Deus; para tentar encobrir isso; para tentar afastar-se do poder de convencimento do Espírito Santo. Agora, veja, agora o Espírito Santo o levou até a estrada. Agora, é hora de você tomar uma decisão.

Aqui, o pastor Beckum começa a pressionar as pessoas a tomar uma decisão, levando em consideração as acusações de seus ouvintes de terem muito orgulho, de mentir para Deus (mais sóbrio) e ignorar o poder de convencimento do Espírito Santo. Essas acusações são usadas como alavancagem na tentativa de "fechar o acordo" e fazer as pessoas se apresentarem para uma decisão. Ele conclui "agora, é hora de você tomar uma decisão". Discutirei as últimas acusações (mentir a Deus e ignorar o poder de convencimento do Espírito Santo) porque, na mente dos cristãos, teria mais importância. O fato de o pastor Beckum usar o Espírito Santo para persuadir as pessoas de que precisam tomar uma decisão para Cristo quando ele torceu inequivocamente a Palavra Sagrada de Deus e a salvação mostrada em uma maneira tão confusa, herética e complicada é REPULSIVO. O Espírito Santo não teria absolutamente NENHUMA PARTE em ensinos tão torcidos e errôneos de Sua Palavra Sagrada. Como já demonstrei da Bíblia, somos ordenados a comparar todos os sermões que ouvimos com a Palavra de Deus. SE AS PALAVRAS DO PREGADOR NÃO COINCIDEM COM AS DOUTRINAS DA BÍBLIA QUE NÓS AFIRMAMOS SER "NOSSA REGRA DE FÉ E PRÁTICA", então devemos obedecer a advertência de Deus quando Ele falou com o apóstolo Paulo; "E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles. Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples" (Romanos 16:17-18). O pastor Beckum atende a cada critério deste verso ... PERFEITAMENTE. É-nos ordenado que os expomos (MARQUE-OS) para que sua agenda e erro sejam divulgados e então desassociar-se dele (EVITÁ-LOS). Você diz: "Bem, John Mark, você deve ver a mudança na vida assim e assim, ou você deve ver a mudança na minha vida desde as reuniões do acampamento ... Eu sei que foi de Deus". Se essa é a ÚNICA COISA sobre a qual você pode basear sua reivindicação - (o que aconteceu nas reuniões do acampamento foi honrar a Deus), então sua reivindicação é biblicamente falha. Você está indo da experiência para a verdade, e eu já expliquei por que isso é tão perigoso e biblicamente inválido. Como você viu, uma vez que você compara as palavras do pastor Beckum com a Escritura, elas NÃO se alinham. Não importa o quão bom é o pastor Beckum ou a quantidade de sabedoria e experiência de vida que ele tem para oferecer. Ele violou inequivocamente as doutrinas da Palavra de Deus em sua pregação e, portanto, você deve questionar a validade bíblica de sua experiência nas reuniões do acampamento! Eu notei (nos 10 meses que tomei para escrever este artigo) que alguns dos "novos convertidos" estão mais entusiasmados e mais fervorosos para com Deus, do que foram no passado. No entanto, isso não tem influência se o pastor Beckum ensinou ou não o erro nessas reuniões do acampamento. Só porque você ou outra pessoa "mudou" em sua caminhada com Deus como resultado das reuniões do acampamento não justifica o que o pastor Beckum ensinou! Coisas boas resultaram das reuniões do acampamento? Sim, algumas pessoas perceberam o quão letárgica e contrariada a sua caminhada com Deus estava, embora de uma maneira que Deus não aprovasse (ou seja, a experiência de salvação do cristão sendo minada, resultando em alguns deles sendo "re-salvos" para vergonha de nosso Deus - Hebreus 5,6). Deixe-me perguntar, se você acha que Deus sancionaria o filme de Mel Gibson - A Paixão? Acredito que sua resposta é um enérgico "NÃO". Você acha que as pessoas poderiam ser salvas como resultado de ver aquele filme de Hollywood? A resposta é SIM. Uma pessoa que vê esse filme pode sentir simpatia pela maneira como Cristo foi tratado e ir a uma igreja nas proximidades, no domingo seguinte; a igreja é pastoreada por um homem que prega a Bíblia, e ela é apresentada ao Evangelho e salva. Uma boa coisa ou boa experiência resultou daquela pessoa que viu o filme? Certamente, sim, eu garanto que Deus não teve nenhuma parte em levar a pessoa a ver esse filme. O fim não justifica os meios (Romanos 3:8)!! Muitas pessoas podem ser salvas através das cruzadas de Billy Graham, mas posso dizer-lhe sobre a autoridade da Palavra de Deus que sua filosofia ecumênica, declarações heréticas e métodos não bíblicos são uma afronta ao Deus Todo-Poderoso. Alguém também pode dizer: "Bem, eu finalmente sinto a paz de Deus desde as reuniões do acampamento". Se você é cristão em um estado rebelde, acredite, não sente a "paz de Deus" (eu sei pela experiência na minha própria vida). Como cristão, você tem paz COM Deus, mas nem sempre a paz DE Deus, dependendo da sua intimidade com Ele (Filipenses 4:6,7). Você pode ter lutado com a paz DE Deus (isso inevitavelmente teria incluído duvidar de sua salvação) toda a sua vida cristã porque você teve uma caminhada tão inconsistente e letárgica com Ele. Isso resulta em falta de intimidade com Deus, que é um requisito para a paz divina que Ele concede (Filipenses 4: 6,7). Só porque o ensino não bíblico carregado de culpa do pastor Beckum montou, estimulou você a ter uma caminhada mais próxima com Deus não significa que o que ele ensinou foi endossado por Deus! ! [Não vou expandir mais neste ponto porque já discuti isso anteriormente no artigo.] Alguém pode dizer: "Bem, eu não me importo com a forma como alguém recebe o evangelho enquanto o ouve e se salva. Isso é tudo o que importa." Essa afirmação é completamente contrária à Bíblia e essa afirmação aponta novamente para o erro fundamental de medir a validade bíblica de um resultado pela própria experiência e/ou sentimentos e não pela Palavra de Deus.

Olhe no versículo 21; Aqui está o teste final. Aqui está. Olhe no versículo 21. Ele não confessou sua culpa. Veja isso. "Disse-lhe o jovem: tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?". Isso indica como ele percebia a lei, talvez ele nunca tenha assassinado ninguém. Talvez ele nunca tenha cometido adultério. Certamente, ele não mentiu. Mas agora ele está mentindo. Ele não quer aceitar a culpa. Ele não quer enfrentar a realidade.

O jovem rico jovem "percebeu a lei" como um padrão pelo qual ele poderia medir se poderia ou não alcançar o céu. Se ele mantivesse toda a lei, então ele achava que poderia ganhar o caminho para o céu; no entanto, essa busca não lhe deu a paz e a segurança que ele estava procurando. Por isso, ele procurou o conselho desse "especialista religioso", Jesus, a quem ele esperava, poderia revelar-lhe a boa obra chave que garantiria seu ingresso ao céu e finalmente lhe daria uma paz e uma garantia duradouras. O pastor Beckum incorretamente afirma que "Ele não quer aceitar a culpa. Ele não quer enfrentar a realidade". Neste ponto da narrativa, o jovem ainda acredita que ele viveu uma vida perfeita. Os fatos desta história revelam que ele não tem qualquer culpa para aceitar, e ele tem uma ideia absolutamente absurda do que a "realidade" é em relação ao seu estado eterno. É por isso que Jesus está dialogando com ele dessa maneira. Como vimos, no final de sua conversa, Jesus revelou gentilmente o pecado do homem a ele ("culpa") e uma visão bíblica adequada de seu estado eterno perdido ("realidade"). A visão errônea do pastor Beckum de que o jovem rico sentia culpa por seu pecado e tinha entendido seu estado de perdição eterna antes de vir a Cristo mudou completamente o significado desta história, e, portanto, é por isso que este sermão está cheio de erros doutrinários.

Ele seria um quase cristão. Um membro religioso da igreja. Ou um obreiro na sinagoga. Então enfrente sua culpa. Enfrente o seu orgulho. Veja, quando você fica sério, sobre ser salvo, problemas com orgulho e culpa ... você simplesmente dá isso automaticamente a Deus.

Essas declarações NÃO se aplicam ao jovem rico! Lembre-se, a TEORIA do pastor Beckum é que o jovem era um "quase cristão, um membro religioso da igreja, ou um obreiro na sinagoga". Isso não é real em nenhum aspecto, para o relato bíblico. Ele faz tais suposições com base no fato de o jovem rico ser um "príncipe". Ele também poderia ter sido um defensor político bem sucedido do governo romano, ou ele poderia ter sido um líder militar como o centurião em Mateus 8, ou ele também poderia ter sido um empresário bem sucedido. Esses pressupostos do pastor Beckum são feitos para parecer como se fossem fatos quando, na verdade, eles são errados e infundados. O pastor Beckum afirma que o jovem rico seria um "quase cristão, um membro religioso da igreja, ou um obreiro na sinagoga. Então enfrente sua culpa. Enfrente o seu orgulho". Como eu já discuti, o jovem não teve nenhuma culpa ou orgulho conhecido para enfrentar ainda! O pastor Beckum está continuamente tentando comparar o jovem rico com seus "falsos" ouvintes cristãos. Nestas afirmações particulares, ele espera que seus ouvintes sintam remorso por algum orgulho conhecido em suas vidas e por outros pecados que eles não confessaram a Deus. Este remorso, por sua vez, fará com que, pelo menos, considerem (e, em alguns casos, concluam) que eles também não devem ser realmente salvos.

Você não senta aqui, você não passa por tudo isso, e ainda não nasceu de novo pelo mesmo ... veja, você não joga com Deus. Este jovem estava querendo jogar, acho. Você diz, como você sabe disso pregador? Olhe no versículo 21, agora, agora, número 7 agora, ouça. Ele não se submeteria a Cristo.

O jovem NÃO queria "jogar com Deus"; ele sinceramente pensou que ele estava fazendo o seu melhor para alcançar o céu através de suas obras de justiça própria. O jovem rico nem sequer entendeu o que era a verdadeira salvação. Declarando que o jovem rico estava "jogando com Deus", insinua que queria ser salvo pela fé em Cristo, mas ele estava dizendo a Deus que ele não estava disposto a "deixar de lado" seu orgulho ("jogos") e, portanto, não poderia realmente ser salvo. Esta asserção não tem relevância alguma para esta história; está sendo usada pelo pastor Beckum para fazer seus ouvintes se sentirem como se estivessem jogando com Deus esse tempo todo e essa é a razão pela qual eles estão "lutando" em sua chamada caminhada "cristã" (de acordo com o pastor Beckum) !!

"Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-os aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem e segue-me". As pessoas querem seguir a Deus pelos seus próprios motivos. Senhor, eu seguirei você se eu puder fazer isso [grita]. Não, senhor, não, senhor, você deve entregar tudo. Você deve desistir. Você deve dar tudo.

{Eu já discuti este tópico de "entregar tudo" extensivamente, mas vou discuti-lo novamente de forma breve} O pastor Beckum começa a se concentrar (mais uma vez) nessa ideia de que "entregar tudo" é um requisito necessário para a salvação. O que ele quer dizer com "dar tudo"? Se o pastor Beckum se refere à necessidade do DESEJO do pecador de se desviar de seus pecados (arrependimento bíblico) antes da salvação, então digo um "AMÉM" saudável. No entanto, isso NÃO é, obviamente, o caso (e por favor, não recorra a essa afirmação ridícula, descaradamente falsa, na tentativa de absolver o pastor Beckum). Quando uma pessoa vem a Cristo, ela não precisa parar e analisar sua vida para determinar quais os pecados que ela precisa "desistir" ou "abandonar". Se isso fosse o caso, e se ele não sentisse um pecado, ele não percebeu que ele estava cometendo. Ele é "salvo", apenas para descobrir mais tarde que uma ação/pensamento/palavra que ele tem consistentemente feito/pensado/dizendo é um pecado? E se depois de ser salvo, ele recomeça alguns pecados que havia "desistido"? Isso significa que ele nunca foi salvo? Claro que não! Um novo cristão é referido como um "menino em Cristo" que precisa se alimentar do leite da Palavra e não da carne. Por quê? Porque ele precisa crescer e aprender o que Deus espera dele como cristão. Ele precisa entender melhor quem realmente é Deus e apenas o quanto ele realmente o ama. Esse conhecimento faz com que ele ame a Cristo mais em troca, e ele demonstra esse amor esforçando-se para honrar e obedecer a seu amoroso Pai celestial. Não vou entrar em detalhes no que diz respeito ao apoio das Escrituras às minhas afirmações aqui, porque eu já fiz mais adequadamente antes. Pense no ladrão na cruz. Ele chegou ao fim de si mesmo e "deu tudo isso" para receber Cristo? DE JEITO NENHUM! Ele percebeu que era um pecador (que é o arrependimento em poucas palavras), e ele colocou sua fé em Cristo. Imediatamente, ele foi salvo. Pense no carcereiro de Filipos. Paulo disse: "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo". Paulo não disse: "Você realmente deu tudo? Você tem algum pecado que você ainda está guardando? porque se você está fazendo isso, você pensará que tem salvação, mas na verdade não conseguirá ser salvo". Salvação é SIMPLES, tão simples de fato, que uma criança pode facilmente compreendê-la e ser salva! Mateus 10:13-16 e II Timóteo 3:14, 15 lidam com o fato de que uma CRIANÇA PODE COMPREENDER O PLANO DE SALVAÇÃO E SER SALVA! Você pode imaginar tentar explicar a salvação a uma criança pequena como o pastor Beckum apresentou?!!!! A criança ficaria completamente confusa!! {Pense no efeito drástico sobre este falso ensino terá na visão de nossos jovens de sua própria experiência de salvação. Este é apenas um exemplo das numerosas consequências negativas que resultam de erros doutrinários não examinados.}. Se você diz que tem que desistir de ALGUNS pecados antes de vir a Cristo, então seria logicamente válido concluir que você deve desistir de todos os seus pecados antes da salvação. Impossível! Alguém pode dizer "bem, você deve desistir de qualquer pecado conhecido em sua vida" (em uma última tentativa vã de justificar sua posição antibíblica). Essa é outra disputa inválida. Por exemplo, se uma pessoa supostamente desistiu do pecado de beber socialmente, mas três dias depois que ele é salvo, ele volta a beber. Essa pessoa não é realmente salva? De acordo com o pastor Beckum, ele NÃO é realmente salvo porque seus critérios ("você tem que dar tudo") ditariam isso porque essa pessoa SABE que beber era um pecado ANTES que ele fosse salvo e então ele cometeu o mesmo pecado novamente depois de sua suposta conversão, ele não deve ter realmente "abandonado esse pecado" e, portanto, ele não é realmente salvo! Qual é a quantidade mínima de tempo que um novo convertido deve parar de cometer esse(s) pecado(s) que ele "desistiu" na salvação? Certamente, o pastor Beckum não esperaria que uma pessoa nunca cometesse esse(s) pecado(s) "desistido", "conhecido" novamente. Então, há um fato inegável de que o novo convertido, em algum momento, cometerá pelo menos um dos seus pecados "desistidos", "conhecidos" novamente. Então ele realmente "desistiu" desse pecado(s) então? Claro que não e Deus não espera isso dele. Você vê, quando considera as implicações que essa falsa doutrina produz, você pode entender por que é tão perigoso e não bíblico. É extremamente sutil e difícil de detectar porque, como toda falsa doutrina, geralmente é entregue por um pregador talentoso e persuasivo, e sempre é misturado com alguma verdade da Palavra de Deus.

Fiquei aqui na noite passada e ouvi um pai dizer isso ao filho. E, como é verdade, isso é verdade. Você deve dar o seu TUDO [gritando]. Você deve dizer Deus, aqui está tudo. Não quero impedir nada. Aqui está toda a minha vida. Tome Deus, tome toda minha vida e faça tornar-se sua. Quando chegar a esse ponto, você está pronto para salvação! Amém. Você está pronto para o novo nascimento. Você está pronto para nascer na família de Deus, e desfrutar da paz que você deseja e da alegria que você realmente quer.

Permita-me fazer-lhe a seguinte pergunta: neste ponto da sua experiência de salvação, você está "escondendo algo de Deus"?; você entregou completamente "toda a sua vida" a Deus e "fez com que se tornasse Dele"? Eu sei que eu não fiz, e estou salvo por 25 anos !! O pastor Beckum afirma que, "para chegar a esse ponto (que significa salvação)", "Você deve dizer Deus, aqui está tudo. Não quero esconder nada. Aqui está toda a minha vida. Tome Deus, tome minha vida inteira e faça tornar-se sua". Mais uma vez, se o pastor Beckum está falando sobre DESEJAR para não esconder nada de Deus, então eu digo "AMÉM"; esse é o primeiro passo para o arrependimento, após o qual ocorre a salvação, seguida de uma mudança de ação (que autentica o arrependimento). Mas CLARAMENTE o pastor Beckum não se refere exclusivamente ao DESEJO do pecador para dar a Deus tudo, mas sim o desejo, misturado com diferentes graus de ação física (dependendo do grau de pecado na vida do indivíduo), para demonstrar sua sinceridade. Claro, eu imagino que o pastor Beckum negaria enfaticamente que ele alguma vez quisesse que qualquer ação física fosse necessária para alcançar a salvação, MAS É PRECISAMENTE O QUE ELE ESTÁ PREGANDO! Como eu já discuti anteriormente, nenhum pregador que fala em círculos fundamentalistas jamais admitiria que acredita em algo que remotamente se assemelha a uma salvação pelas obras porque ele sabe muito bem que ele nunca poderia provar isso. Além disso, se ele já declarou sem rodeios que acreditava que havia uma obra física necessária para alcançar a salvação, ele estaria dizendo para si mesmo se retirar das instalações. A DOUTRINA FALSA é RARAMENTE revelada de forma tão flagrante. Satanás não é tolo; ele não vai apresentar falsas doutrinas de maneira facilmente detectável!!! Por que você acha que a igreja da Galácia estava tão confusa, pensando que eles tinham que fazer obras para manter sua salvação? De todos os missionários, o doutrinariamente sólido, "piedoso", o próprio apóstolo Paulo ensinou a esses cristãos os princípios básicos da fé e eles ainda eram enganados por um falso mestre. Assim como no caso da Igreja da Galácia, a falsa doutrina é historicamente muito lenta e sutil na invasão de vítimas inocentes e incautas. Adicionando QUALQUER COISA ao plano de salvação (como o pastor Beckum fez de forma inequívoca), NÃO IMPORTA O QUÃO PEQUENO E INSIGNIFICANTE o desvio PARECE ser, é uma abominação ao Deus Todo-Poderoso. DEUS diz: "Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa?" (I Coríntios 5:6). Este versículo está falando no perigo inerente de pecado sem controle ou falso ensino em um corpo de crentes. Considerando a ideia confusa do pastor Beckum de que alguém deve mentalmente e fisicamente (pelo menos até certo ponto) "desistir" ou "entregar-se" a Deus; deixe-me fazer-lhe a seguinte pergunta: você acha que é possível fisicamente "esconder algo de Deus" e ainda ser salvo (o que o pastor Beckum afirma que não pode)? É melhor você acreditar que pode. Você diz "O QUE?!". Considere o seguinte exemplo: Um indivíduo coloca sua fé e confiança em Cristo. Ele reconhece que é um pecador, e ele deseja se afastar de sua vida de pecado; MAS ele viveu com alguém fora do casamento por 10 anos. Ele entendeu antes de ser salvo que tal situação era um pecado aos olhos de Deus. Esta pessoa realmente desejava não desagradar a Deus, mas ele não conseguia deixar a pessoa que ele amava tanto porque ele agora estava salvo. Na noite de sua conversão, a pessoa sabia muito bem que ele não tinha forças para abandonar esse pecado em particular, e ele não entendeu como ele nunca poderia!!! Ele pode continuar a viver com essa pessoa e ainda ser salvo? Absolutamente ele pode!!! Pode demorar algum tempo a se alimentar do leite da Palavra de Deus para que ele compreenda que ele está impedindo seu relacionamento com seu Pai celestial ao continuar a viver no pecado. Como ele continua a desejar crescer na graça e no conhecimento de Deus, o Espírito Santo abençoado continuará a convencê-lo de seu pecado e dará a essa pessoa a força e a coragem para mudar suas circunstâncias. Abandonar essa vida de pecado faz parte do processo de maturação de um filho de Deus (santificação prática) e leva tempo, disciplina e perseverança, juntamente com o poder habilitador do Espírito Santo. Uma vez que esta pessoa consegue sanar seu pecado de adultério ou fornicação no exemplo acima, o Espírito Santo continuará a revelar outras áreas de sua vida que precisam ser mudadas. E assim é para TODOS nós que somos filhos de Deus. Até o dia em que veremos Jesus face a face, a nossa santificação diária e prática nunca acabará deste lado do céu. Sempre haverá alguma forma de que possamos render-nos mais a Deus ou agradá-Lo mais porque somos admoestados a ser perfeitos, pois Ele é perfeito, e nunca chegaremos a esse nível até chegar ao céu. Eu hesito em usar "exemplos" para provar meu ponto, mas eu sinto que é necessário superar esse estigma que associamos a "certos pecados". Você poderia substituir o adultério por qualquer pecado que desejasse no exemplo acima, e o resultado ainda seria o mesmo. Você se lembra de pecados com os quais você continuou a lutar depois de sua salvação (e talvez ainda esteja lutando com isso)? Você não queria mais cometer esses pecados, mas você simplesmente não teve força para superá-los (MESMO QUE VOCÊ SEJA SALVO) porque você não estava totalmente entregue à vontade de Deus para que Ele pudesse dar-lhe a força para fazê-lo! Poderia ser uma mentira "branca", ou poderia ser uma fornicação. Não importa! O pecado é pecado aos olhos de Deus, e uma pequena mentira é tão negra quanto a fornicação. Quanto mais entregamos nossos corações e vidas a Deus, mais áreas em nossa vida nos revelarão que precisam ser alteradas ou melhoradas. Isso é tão maravilhoso sobre a vida cristã: quanto mais entregamos nossos corações a Deus, mais Ele se revela a nós e nos abençoa. Quanto mais o amamos, mais queremos agradá-Lo através da obediência e de uma vida justa. Você diz: "Bem, eu fui salvo quando eu tinha cinco anos, então eu nem lembro de nenhum pecado com quem eu lutava antes de eu ter cinco anos". LOUVE A DEUS!!! Você nunca teve que lutar em suas "transgressões e pecados", sem o seu Pai celestial estar vigiando você e intervindo em sua vida por seu próprio bem e Sua glória!! Não sinto que você "perdeu" por não se revoltar com o pecado. Você não precisa ser salvo de um estilo de vida moralmente falido para apreciar o que Deus fez por você como pecador!! Louve a Deus! Por Sua graça, você teve o privilégio de ser apresentado ao Evangelho abençoado em uma idade tão precoce e que nunca estivesse em perigo de condenação eterna desde então (mesmo que você tenha vivido uma vida muito vacilante e preguiçosa para Deus)! A propósito; sem exceção, todo cristão com quem falei, que foi salvo quando jovem, duvidava de sua experiência de salvação ao longo de seus anos de pré-adolescência e juventude. Eu acredito que é devido à sua imaturidade como um ser humano (ou seja, falta de autoconfiança, disciplina, ética, etc.) que levou a uma caminhada preguiçosa com Deus. Isso inevitavelmente o deixa suscetível a Satanás e suas muitas artimanhas. Eu acredito que é uma ocorrência comum, embora desnecessária, para os cristãos que foram salvos em uma idade adiantada duvidar de sua salvação, e a menos que fortifiquem sua caminhada com Deus, continuarão a lutar com sua dúvida ao longo de sua idade adulta.

Mas você se senta no banco, e mantém sua culpa, e mantém seu orgulho, e você se apega, como se estivesse segurando essa coluna aqui. E você diz, oh Deus, eu quero você ... mas, mas Deus não posso ... Deus, eu quero você. E ele diz, solte-se, solte-se. Senhor, eu quero você, eu realmente quero você. Eu quero que você entre na minha vida. Eu quero que você me salve, Senhor. Oh, Senhor, eu quero você. Ele diz, solte-se, solte-se.

Que monte de BOBAGENS! Ele compara seus "falsos" ouvintes cristãos que estão "sentados nos bancos" a alguém que "está preso" na sua culpa ... e seu orgulho", tal como "como [ele] está (fisicamente) segurando [uma] coluna". [Qual cristão não sentiria culpa depois de ouvir esses sermões não bíblicos!] Então, o pastor Beckum afirma que eles estão lutando dentro de si mesmos, dizendo: "oh Deus, eu quero você ... mas, mas Deus não posso ... Deus, eu quero você". Então ele afirma que Deus [falando ao seu coração] diz "solte-se, solte-se". O indivíduo supostamente não salvo responde: "Senhor, eu quero você, eu realmente quero você. Eu quero que você entre na minha vida. Eu quero que você me salve, Senhor. Oh, Senhor, eu quero você". Para o qual Deus responde "solte-se, solte-se". ONDE, EM TODAS AS PÁGINAS DAS SANTAS ESCRITURAS VOCÊ OUVIU ALGUMA COISA QUE MESMO LEVEMENTE SE ASSEMELHE A TAL DIÁLOGO ENTRE UM PECADOR E DEUS??? Posso dizer-lhe definitivamente ... NENHUM LUGAR!! É REPUGNANTE a maneira como o pastor Beckum retrata Deus Todo Poderoso como uma espécie de "pregador pentecostal" que incita seu potencial filho a um frenesi emocional, continuando a repetir "simplesmente solte-se, solte-se". Salvação não é um processo: é um dom, e é instantâneo!!! Sim, às vezes leva apenas quinze minutos de leitura ou audição do Evangelho apresentado por alguém que seja salvo. Às vezes, pode levar anos e até décadas de sementes sendo plantadas antes que se chegue ao lugar onde ele se vê como um pecador e que precisa de um Salvador. Mas, assim que isso ocorrer, a salvação é imediata e permanente, para nunca mais se perder. Está claramente implícito pelo pastor Beckum que uma vez que um pecador deseja colocar sua fé e confiança no Senhor Jesus Cristo, ele deve começar este PROCESSO de "desviar-se" de certos pecados. É uma heresia até sugerir uma doutrina tão antibíblica. Pense no ladrão na cruz que repreendeu o outro (essencialmente demonstrando seu arrependimento) depois que o último sarcasticamente criticou Jesus. Depois disso, o ladrão arrependido simplesmente perguntou a Jesus se Ele se lembraria dele em Seu Reino (demonstrando sua fé em Cristo). Imediatamente, Cristo disse: "Hoje você estará comigo no paraíso". É assim que a salvação é simples, meu amigo. Nosso Senhor Jesus Cristo não disse ao ladrão "solte-se, solte-se; Eu sei que você ainda sente desejo de roubar, e você ainda tem muito orgulho: solte-se, solte-se". De acordo com o cenário que o pastor Beckum transmite, um pecador deseja colocar sua fé e confiança em Cristo, e ele faz esse desejo conhecido de Deus orando "Senhor, eu quero você, eu realmente quero você. Eu quero que você entre na minha vida. Eu quero que você me salve, Senhor. Oh, Senhor, eu quero você". MAS o pastor Beckum implica inequivocamente que Deus não está satisfeito com um desejo tão sincero. Deus quer que ele "solte-se, solte-se". O que, eu posso perguntar, o que isso deve significar??!! De acordo com suas declarações anteriores, significa "se soltar" ou deixar de lado "segurando [a sua] culpa e segurando seu orgulho". Claro que o pastor Beckum nunca define de forma inteligível o que ele quer dizer com "simplesmente se solte". Ele não define isso porque é uma heresia absoluta! [Eu já discuti isso, no entanto, farei isso novamente para talvez acrescentar mais clareza]. Deus pede ao pecador que aceite o SEU DOM de salvação, (não há obras de "se soltar" envolvidas!), reconhecendo ele é um pecador e colocando sua fé e confiança na obra consumada de Cristo. É ISSO!! A salvação não seria um dom se um pecador fosse obrigado a "se soltar" de qualquer coisa. Não há "apenas se soltar" ou deixar de lado qualquer coisa, seja "orgulho", "culpa" ou assistir programas de televisão mundanos. Tudo o que Deus quer é a fé do pecador em Cristo e seu DESEJO de se desviar dos seus pecados, e Ele permitirá que o filho dele faça o "desprendimento" ou o "abandono" dos pecados após a salvação (através do poder de Seu Espírito Santo). Novamente, não tente me dizer que o pastor Beckum simplesmente quis dizer que os pecadores tiveram que ter um DESEJO para se soltar de seu "orgulho" e sua "culpa". Eu nem vou perder tempo provando uma afirmação tão ridícula que não tem absolutamente nenhum peso. Se você ainda está tentando defender o ensino errôneo do pastor Beckum dizendo que ele significava exclusivamente um DESEJO para "se soltar", você está apenas enganando e, finalmente, machucando a si mesmo. Se depois de ler este artigo inteiro, você ainda pensa assim, eu sugiro fortemente que você vá a Deus em oração e peça a Ele que permita que você tenha um coração e uma mente objetivos antes de ler de novo. Se você se encontrar ressentido comigo porque escrevi este artigo, eu diria com confiança que seu discernimento e julgamento espiritual provavelmente está obscurecido.

E no momento em que você se solta, e você olha para os portais da glória, e você diz, Deus, eu sou um pecador. Entre na minha vida e me salve. Oh, Senhor, é tudo seu. Nesse minuto, nesse segundo, a graça de Deus derrama-se em sua alma, e Ele tira toda a condenação em que você esteve, e a separa de você, tão longe quanto o leste do oeste. Eu estou lhe dizendo, ele a joga no mar, e nunca mais é lembrado [grita]. Uau!

Aqui, o pastor Beckum mistura uma das grandes e maravilhosas verdades da salvação com seu falso ensino.

Ele disse, jovem, você está falando sério? Você está falando serio jovem? Jesus, o que posso fazer para ter a vida eterna? Jovem, você está falando sério? Cara, você está falando sério? Você está mesmo falando sério? [sussurros].

Jesus nunca tentou determinar se o jovem estava falando "sério" sobre segui-lo ou não. Jesus sabia muito bem que o jovem não tinha intenções de segui-lo, como eu já provei. Cristo primeiro teve que fazer o jovem rico perceber que ele não era perfeito e era de fato um pecador antes de apresentá-lo ao plano de salvação de Deus. O primeiro propósito de Jesus em Seu diálogo com o jovem rico era simplesmente mostrar ao jovem que ele NÃO ERA PERFEITO e que ele nunca poderia chegar ao céu por seu próprio mérito. Se o jovem estava "levando a sério" sobre seguir a Cristo, não tem vínculo relacional com esta história, porque ele nunca acreditou na divindade de Jesus e, portanto, ele nunca seria "levado a sério" ou desejaria segui-Lo. Jesus diz ao jovem: "Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me". Então, a Bíblia indica claramente o motivo da partida melancólica do jovem; sim, Cristo plantou a semente da verdadeira salvação bíblica dizendo ao jovem: "vem, segue-me", mas ele partiu em um estado tão intenso porque ele agora sabia que não era perfeito porque ele nunca poderia desistir de sua grande riqueza. O versículo 22 afirma: "E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades". Depois que o jovem partiu, Jesus continua conversando com seus discípulos sobre o quão difícil é para as pessoas influentes verem sua necessidade de um salvador. Esses versículos fornecem mais uma prova de que o jovem rico nunca teve vontade de seguir a Cristo. Parafraseando as palavras de Cristo para dizer “jovem, você está falando sério? Você está falando sério jovem? Jesus, o que posso fazer para ter a vida eterna? Jovem você está falando sério? Cara, você está falando sério? Você está falando sério?". É antibíblico e enganador. Esta paráfrase muda completamente o significado do relato e deturpa o que o Senhor Jesus Cristo estava dizendo! (Embora isso não concorde com a sua falsa inclinação antibíblica, o pastor Beckum deu este relato desde o início deste sermão).

E eu acredito que o jovem estava olhando para ele com os olhos arregalados neste momento. Ele disse, se você está falando sério, venha e me siga. [longa pausa]. Um dos versos mais tristes da Bíblia "e quando o jovem ouviu essa palavra, ele foi embora triste". Ele não estava pronto para dar tudo a Deus. Ele não estava disposto a dizer, Deus aqui [sussurra algo]. Em vez disso, a Bíblia diz que ele foi embora.

Mais uma vez, o pastor Beckum parafraseia incorretamente a instrução de Cristo ao jovem rico: "Se queres ser perfeito, vai e vende tudo o que tens e dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu" como "está falando sério?" ou "se você está falando sério". Como já provei, não é isso que Cristo estava dizendo. Então o pastor Beckum propositalmente declara apenas METADE do versículo 22 (o que é essencial para entender o motivo da "tristeza" do jovem rico) a fim de substanciar sua versão completamente não bíblica e distorcida desse relato. A versão completa do versículo 22 diz: "E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, PORQUE POSSUÍA MUITAS PROPRIEDADES". Essa é a razão pela qual o jovem rico foi embora triste. Certamente não significava que "Ele não estava pronto para dar tudo a Deus. Ele não estava disposto a dizer, Deus aqui [sussurra algo]". Sinto-me como se estivesse repetindo isso continuamente porque o pastor Beckum continua repetindo essa ideia ridícula de que, para que a salvação ocorra no coração de um pecador, eles devem "desistir", "soltar", "abandonar" certos pecados!                                                 

Jesus estava no tabernáculo. Eu acredito que o jovem virou as costas, e eu acredito que antes que ele saísse pela porta, ele poderia até ter se virado, [murmura]. Mas então ele começou a pensar em seu orgulho, virou-se e foi embora. E muitos de vocês esta noite, vão se virar e sair por aquelas portas ... perdidos, infelizes, sem paz, sem alegria, jogando com sua alma. Você pode ter outra oportunidade, e você não pode.

Agora que o pastor Beckum chegou perto de destruir completamente qualquer confiança que qualquer cristão tenha em sua experiência de salvação, ele continua a pressioná-lo a tomar uma decisão. Suas palavras sublinhadas acima podem ser apropriadas na conclusão de um sermão em que o evangelho não adulterado da Bíblia foi claramente apresentado, mas certamente não após a falsa doutrina que o pastor Beckum propagou.

Vamos ficar de pé, por favor. Toda cabeça se curve e todos os olhos se fechem. Você diz, irmão Beckum, eu sou como aquele jovem rico. Estou aqui esta noite e preciso nascer de novo pela graça de Deus. Eu nunca fui salvo, irmão Beckum. Eu me juntei à igreja, nunca fui batizado, estou perdido. Levante sua mão. Irmão Beckum, ore por mim. Alguém? Você está aqui hoje à noite, você diz, eu sou como aqueles 24. [Suas 24 - "falsas" - conversões canadenses que resultaram de sua pregação antibíblica]. Eu sou um membro da igreja, apenas estou brincando com Deus, irmão Beckum. Fazendo jogos, e eu quero salvação. Você oraria por mim irmão Beckum? Por aqui à minha esquerda, alguém assim? Hã? Oh, irmão Beckum ore por mim. Um sentimento interno, alguém assim? Seja honesto agora. Irmão Beckum, eu preciso ser salvo. À minha direita, alguém?

Ele continua a pressionar seus ouvintes para tomar uma decisão. Uma das mais poderosas táticas de pressão que o pastor Beckum usa é o exemplo das vinte e quatro conversões canadenses que ele acumulou recentemente (muitas das quais eram compostas de professores, diáconos, esposas de pregadores e outros cristãos de longa data e altamente estimados). Essa estratégia serve para desacreditar qualquer dúvida remanescente na mente de seus ouvintes cristãos. Eles imaginam: "Bem, eu não sou o único, e certamente se todos esses supostos grandes cristãos nunca obtiveram a salvação, então eu provavelmente também não (considerando todos os meus defeitos)… então é melhor eu ter certeza que tenho". E eles vão em frente para serem salvos novamente.

Agora ouça, o Senhor não precisa pregar uma mensagem onde não há necessidade. E eu não acredito em convites longos, a menos que Deus esteja neles. Eu não acredito em pressão.

Primeiramente, o Senhor não tem parte em um sermão tão anti-bíblico. Em segundo lugar, ele certamente teve um convite muito longo e, em terceiro lugar, houve, de fato, muita "pressão" acontecendo (semelhante aos outros dois sermões). Eu suponho que ele está tentando se convencer de que ele não está "pressionando" e excessivamente alongando o convite para que ele possa aliviar sua consciência afetada.

Eu vou pedir ao pianista para vir, eu quero que ele toque Amazing Grace. Se você está aqui esta noite, eu quero que você venha a este altar e clame a Deus. Você está vindo? Seja honesto agora. [música tocando] Eu vou perguntar ... Eu não sei se todos vocês estão aqui esta noite ... mas aqueles de vocês que foram salvos desde que eu estive no Canadá, vocês viriam, e me deixariam orar por você aqui neste altar?

Agora não é uma coincidência; o pastor Beckum pede a todos os vinte e quatro de seus recém-conversos no Canadá que venham ao altar para que ele possa "orar" por eles. Este pedido vem depois que ele repetidamente pressionou seus ouvintes a virem ao altar para serem salvos. Por que ele faria um pedido aparentemente fora do lugar em um momento em que ele está tentando fazer com que as pessoas procurem a salvação? A resposta é clara: ele está tentando pressionar mais pessoas a se prontificarem para a serem salvas, enchendo o altar com seus mais recentes convertidos. Isso não só faz parecer mais confortável para o cristão que duvida ir a frente (porque eles não estarão sozinhos), mas também os pressiona ainda mais, porque eles mais uma vez contemplam esses "novos conversos" aos quais eles haviam procurado por anos ou décadas para ajuda espiritual/orientação/exemplo. Os ouvintes cristãos são forçados a raciocinar dentro de si mesmos ... "Se eles nunca foram realmente salvos, então certamente eu também não porque eu não vivi nem de perto uma vida piedosa como eles, nem nunca tive a percepção espiritual que eles demonstraram ao longo dos anos ... e como o pastor Beckum continua me dizendo, eu provavelmente ainda estou sendo orgulhoso e eu nem sei disso … Eu vou até a frente e me certificar de que estou salvo, embora tenha pensado que estava salvo até esta semana no acampamento".

E em alguns minutos, vou passar a palavra ao irmão Freison. Exceto a vinda do Senhor, este tem sido o destaque do meu ministério. Para vir ao Canadá, ser capaz de pregar ao povo canadense, e ver muitos sendo salvos pela maravilhosa graça de Deus. Pai, obrigado Senhor por salvar estas almas. Senhor, muitos deles eram como aquele jovem rico. Eles tinham a motivação certa, a atitude certa, até oravam algumas vezes. Mas, Senhor, uma semana ou duas atrás, esta semana, estas pessoas engoliram muito desse orgulho e essa culpa, e disseram: Senhor, eu seguirei você. Eu vou dar tudo, e eu vou seguir você.

Embora o pastor Beckum esteja orando, ele pode estar se enganando, mas certamente não está enganando a Deus. Se você torce a Palavra de Deus para dizer algo que Deus nunca pretendeu, como o Espírito Santo pode operar nos corações daqueles que estão presentes? A resposta é: O ESPÍRITO SANTO NÃO OPERA NOS CORAÇÕES DOS PRESENTES QUANDO A PALAVRA DE DEUS É APRESENTADA DE FORMA IMPURA, ADULTERADA, COMO O PASTOR BECKUM FEZ.

E Senhor, minha oração por essas queridas pessoas é esta ... que eles fiquem sob a forte pregação da Palavra de Deus, que eles leiam a Bíblia diariamente. Que eles vão para o seu local de oração e fiquem a sós consigo; meditem na Bíblia enquanto eles estiverem lá. Senhor, eu oro para que eles cresçam lá, Senhor, eu oro para que eles sejam ganhadores de almas; que suas luzes brilhem em qualquer cidade em que vivam.

O que acontece quando esses "novos convertidos" não realizam todas essas tarefas espirituais? O que acontece quando eles recaem em sua caminhada com Deus novamente e durante tal estado eles são infelizes o suficiente para ouvir uma outra série de sermões heréticos como os do pastor Beckum? Eles vão ser salvos de novo, pensando que eles não "foram" da última vez (nas reuniões do acampamento)? Você pode rir de tal conjectura, mas você sabe muito bem que certamente isso não é irreal.

Obrigado Senhor, por salvá-los. Mais uma vez por favor, antes que um dos pastores venham. Você precisa vir, venha. [música continua tocando] [longa pausa aqui] [Congregação canta Amazing Grace].

Isso marca o fim do terceiro e último sermão da série do pastor Beckum de sermões intitulados "Você É Realmente Salvo?"

ÍNDICE

Prefácio e Introdução Antecedentes Minha Conduta Pessoal desde os Acampamentos Minha Resposta aos Argumentos Não Bíblicos Pastor Benny Beckum: Você é Realmente Salvo? Parte I Pastor Benny Beckum: Você é Realmente Salvo? Parte II
Pastor Benny Beckum: Você é Realmente Salvo? Parte III Conclusão O que Deus Espera que a Igreja Faça Agora? Considerações Finais

Uma Refutação a Esta Obra

Minha Resposta à Refutação


Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net