OS SINAIS E MARAVILHAS FAZEM PARTE DO EVANGELHO?

Por Mike Oppenheimer
   
"TAMBÉM vos notifico, irmãos, o evangelho que vos tenho anunciado; o qual também recebestes, e no qual também permaneceis. Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras" (I Coríntios 15:1-4)
 
Paulo ensina que o Evangelho consiste de três pontos:
1) Cristo morreu por nossos pecados;
2) Cristo foi sepultado, provando a morte;
3) Cristo ressuscitou com o mesmo corpo que tinha. 
 
O Evangelho diz respeito ao filho de Deus e sua obra por nós. Diz que que Ele veio como salvador (I João 4:14), de que é o Senhor do universo (o qual relata uma natureza trina de Deus). E que estamos nEle por crer em Sua obra. A salvação é um dom dado gratuitamente, não merecido. Fazemos boas obras como consequência da salvação, não para obtê-la. Nossa parte nisso é que somos comissionados a pregar o Evangelho e fazer discípulos.  
 
II Coríntios 11:3-4, "Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofreríeis" (você terá que suportá-lo, ou apresentá-lo maravilhosamente, ou o tolerar totalmente).
 
Paulo escrevendo a igreja de Corinto apresenta três termos que são usados em conexão com ser enganado.
1) Outro Jesus – (allos) é uma palavra primária; "outra coisa", diferente (em muitas implicações). O nome é o mesmo, é o nome de Jesus que consta na Bíblia, mas não é o Jesus da Bíblia. É diferente, com algumas similaridades no nível de aparência.
 
2) Outro espírito – (heteros) – ter como oposto a alguma pessoa precedente ou uma coisa de duas; se referindo a qualidade: isto é, uma que não é da mesma natureza, forma, classe ou tipo, ser diferente.
 
3) Outro Evangelho (heteros) – de afinidade incerta; diferente: alterado, estranho. Não é o mesmo que Paulo pregou, tem uma qualidade diferente.
 
Se alguém ensina que Jesus não obteve nossa salvação na cruz, mas a conseguiu no inferno por meio do sofrimento e precisou nascer de novo, isso é outro evangelho. A Bíblia é clara que é pelo sangue derramado no trono da misericórdia que somos perdoados. Se alguém ensina que podemos fazer tudo o que os apóstolos fizeram, isso é outro evangelho.
 
Gálatas 1:6-9, "Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que recebestes, seja anátema".
 
Outro evangelho; a palavra heteros expressa uma diferença qualitativa e denota "outro de um tipo diferente". Paulo fala de "outro evangelho; o qual não é outro", em contraste com outro evangelho (vers. 8) (allos, outro como o que ele pregou).
 
Anjos sempre estiveram envolvidos em revelações para a humanidade. Paulo sob inspiração profética alerta os crentes de então e nós hoje ao receber novas revelações de uma fonte espiritual que alteraria o que foi primeiro entregue a eles. Para se perverter o significado, transformar uma coisa em outra, eles a destroem fazendo acréscimos na graça. 
 
Amaldiçoar alguém é rotulá-lo como um falso profeta. Se alguém ensina outro evangelho que afeta quem Cristo é ou como alguém se refere a Ele, ou distorce a graça ao subtrair ou acrescentar qualquer obra, isto se torna outro evangelho.
 
Paulo diz que gostaria que eles fossem cortados. Anátema – algo devotado a Deus sem esperança de ser redimido, no Antigo Testamento, se isso fosse um animal, seria morto; no Novo Testamento, é uma pessoa ou coisa condenada a destruição.  
 
Hoje somos confrontados com um novo tipo de evangelho, de experiências sobrenaturais, curas (e às vezes até mesmo ensino sobre prosperidade é incluído). Os sinais e maravilhas fazem parte do Evangelho? A promessa de cura como ensinada hoje não é encontrada na Bíblia. O foco era Cristo e seu perdão e o homem ser reconciliado para com o santo Deus. É interessante que quando ouvimos todas as promessas afirmadas hoje nunca é mencionada a promessa de perseguição ou tribulações para aqueles que verdadeiramente seguem ao Senhor (Marcos 10:30; João16:33; I Tessalonicenses 3:4; Apocalipse 1:9). Tente pregar isso em uma cruzada e veja quem se manifestará, ou veja quão popular seu ministério vai ser. Essas promessas são viáveis como qualquer outra, mas sem atração para aqueles que querem ter seus ouvidos coçados.
 
Mateus 7:21-25, "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha".
 
Quando homens como Rodney H. Browne prometem que chegará um dia em que todo aquele que levantar sua mão fará com que as pessoas venham a Cristo para ter seus pecados perdoados, este é outro evangelho. Devemos pregar e ensinar e não levantar nossas mãos como mágicos. 
 
Mateus 7:21-23 fala de pessoas usando o nome do Senhor para profetizar, expulsar demônios e até mesmo fazer milagres (do grego dunamis). Ainda que Ele nunca os tenha conhecido. Assim, o nome de Jesus não é uma estampa de autenticidade para alguém (obviamente a fonte de poder deles era um Jesus diferente). Eles estavam sem lei, não estavam sob a liderança ou supervisão, eles não praticavam a lei de Cristo (que é ajudar a carregar os fardos de seus irmãos fracos). Eles tentavam se aproximar de Deus por seus próprios méritos e pelas suas boas ações dizendo "olhe para o que fizemos, temos o poder". Não era sobre poder, mas sobre conhecê-lo em um relacionamento. "Nunca vos conheci" – Cristo deu a eles o que eles já possuíam, uma vez que eles se apartaram dEle para começar a praticar tais atos. Eles operavam por eles mesmos sem as instruções de Cristo.
 
Quem Jesus está alertando? A Igreja.
 
II Tessalonicenses 2:7-15, Porque já o mistério da injustiça opera... Mistério da injustiça (de mueo, "iniciar nos mistérios") mueomai, que é estar fora do alcance da compreensão natural, sem auxílio, no sentido comum, um “mistério” implica em conhecimento retido; não facilmente detectado ou entendido ou disfarçado.
 
Versículos 9-15, "A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade. Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade; Para o que pelo nosso evangelho vos chamou, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo. Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa". 
 
Seguimos os ensinos dos apóstolos que foram entregues em pessoa ou que foram escritos por eles. Explicando a fé que uma vez foi entregue aos santos. Hoje temos muitos travestidos como apóstolos modernos dando novas revelações que levam ou a uma nova visão ou vão completamente para fora do texto da Escritura. 
 
Essas maravilhas têm uma mesma fonte maligna com poder igual nos termos de suas manifestações. O amor à verdade está em jogo. Aqueles que acreditam em suas próprias experiências serão todos enganados porque não tem uma vara de medição. Eles não têm familiaridade com a Palavra ou firmeza para se manterem imunes a enganação.
 
Como Esaú que trocou sua primogenitura por um prato de lentilhas por causa de sua necessidade imediata, eles irão trocar imediatamente sua única esperança de conhecer a verdade e crer na mentira. A verdade de Deus está em Sua Palavra. Eles acreditam na mentira, uma mentira não é o oposto da verdade, mas é a ausência de verdade, que a substitui. Jesus falou do diabo em João 8:44: "Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira". Ele quando estava no templo de Deus (nosso corpo é no Novo Testamento equivalente ao templo do Antigo Testamento) declarou a Si mesmo ser Deus. Em II Tessalonicenses 2:4 este é o espírito de alguém que está por vir (o mistério da injustiça). Qualquer que chamar a si mesmo um messias, um Deus com um grande "D" ou um pequeno "d" é candidato a esta posição. 
 
Quem Jesus está alertando? A Igreja.
 
Eles virão em Seu divino nome e ofício, eles afirmarão conhecê-lo de um modo especial, que eles tem sua autoridade e aprovação. Tudo isso irá ocorrer dentro da igreja. Mateus 24:23-24, "Mateus 24:3, "Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos".Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhe deis crédito; Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos". "Eis que eu vo-lo tenho predito".  
 
Cristo significa o ungido, quem a Bíblia diz ser o unigênito Filho de Deus. O que estamos ouvindo hoje, através de novos movimentos são aqueles que afirmam ter uma grande unção. Verifique esta pessoa que foi ungida, ou a unção que está sobre determinado lugar ou ministério (a presença de Cristo está aqui e lá). A unção não é passada por imposição de mãos como se pegasse o fogo agitado e passando a benção, com a imposição de mãos como um acompanhamento simbólico para a palavra falada. Não há base bíblica para conectar isto com uma transmissão de um manto, ou unção de uma pessoa para outra especialmente em experiências como cair no espírito. Em Atos 19, Paulo ensina aqueles que não tinham ouvido falar do Evangelho. Frequentemente quando eles ouviam o Evangelho, eram batizados no Espírito imediatamente (não por Paulo). Nessa circunstância, Paulo impunha as mãos sobre eles para que recebessem o Espírito e Ele vinha sobre eles. Não era das mãos de Paulo que Ele era transferido (do grego dia =através) mas (epi =sobre, como de cima).       
 
As mesmas pessoas que afirmam ter esta unção também ensinam que: “Nada do que Jesus fez foi por causa dEle ser o Filho de Deus. A Bíblia diz que Ele deixou de lado sua divindade e que quando caminhou na terra Ele era como um profeta sob o pacto Abraamico" (Rodney H. Browne). "Por que Jesus não se proclamou abertamente como Deus durante Seus 33 anos na terra? Por uma simples razão. Ele não veio a terra como Deus, Ele veio como homem" (Kenneth Copeland, Believer's Voice of Victory magazine, Aug. 8, 1988. p.8.).
 
Jesus, de acordo com os ensinos dos apóstolos, era e é o eterno Deus. Este, acima citado, é outro Jesus, que é somente um homem. Alguém em conexão com as seitas. Se alguém ensina um Jesus diferente em natureza não sendo Deus ou o representando como alguma coisa que ele não era, isso pode afetar o modo como você o segue. Este é outro Jesus.    
 
O Antigo Testamento nos fornece duas proibições do ato simbólico de ungir. Êxodo 30:32 ordena que a unção com óleo não deveria tocar a carne ou ser imitada. Era um grave pecado misturar o óleo de alguém ungido na mesma medida para outro. O versículo 33 faz um alerta para aqueles que fizessem isso para proveito próprio seriam extirpados. Hoje, aqueles que vendem fitas e livros dizendo que tem uma unção especial estão cometendo o pecado de simonia, como o caso de Simão, o mágico, que queria comprar o Espírito Santo para seu próprio uso, a única diferença hoje é que eles o estão vendendo.      
 
A Torá considera qualquer tentativa de alguém dar sua unção a outra pessoa como uma abominação. O texto hebreu é mekudesh lacha significando estabelecer à parte ou santificar especificamente em você. Esta proibição era evidente quando Eliseu pediu a Elias seu espírito, e Elias disse que não era dele para dar a outro. Elias disse para esperar e ver se o Senhor colocaria sobre Eliseu (II Reis 2:10). Se Eliseu visse Elias sendo tomado para o céu receberia a benção. Ainda que Elias não a tenha deixado para ser colocada nele não há dúvida de que porções hoje todos nós dividimos, a mesma unção (I João 2:27) apenas dons diferentes. Jesus é o batizador, não o homem.  
 
O que quer que seja que está sendo transferido hoje de uma pessoa para outra não é a verdadeira unção.
 
Se a Igreja quer a verdadeira unção precisamos estar sob a unção daquele que é o cabeça da Igreja. Salmos 133 nos diz quão bom e suave é quando os irmãos vivem em união. O versículo seguinte compara isso com o precioso óleo que é derramado sobre a cabeça de Arão e que desce até a orla de suas vestes. Esta passagem que nos fala de Arão como o sumo sacerdote é uma figura de Cristo, o Altíssimo. A unção desce da cabeça de nosso sumo sacerdote até chegar aos membros de seu corpo.  
 
Cristo foi ungido com o espírito sem medida. Nossa unção pode somente vir do eterno mediador entre Deus e os homens. Cristo foi ungido para o seu sepultamento primeiro antes de ser ungido para a sua exaltação. A Igreja precisa morrer para si mesma para receber a vida de Cristo, seu espírito, e então o Senhor nos dará poder, não para nosso interesse próprio, mas para sua glória.
 
O que ouvimos como apologia daqueles que praticam este tipo de Cristianismo é que existe uma imitação ao que é verdadeiro. Mas, não existe verdade no tabuleiro de ouija, mediunidade, viagem astral, e numerosas outras falsas atividades espirituais. O diabo é um inventor de novas religiões e práticas, bem como um imitador.  
 
O diabo tem um plano de imitação ao usar sinais e maravilhas como sua base de operação. Êxodo 7:10-12 nos diz que: "Então Moisés e Arão foram a Faraó, e fizeram assim como o SENHOR ordenara; e lançou Arão a sua vara diante de Faraó, e diante dos seus servos, e tornou-se em serpente. E Faraó também chamou os sábios e encantadores; e os magos do Egito fizeram também o mesmo com os seus encantamentos. Porque cada um lançou sua vara, e tornaram-se em serpentes; mas a vara de Arão tragou as varas deles". Moisés converteu as águas em sangue e eles também o copiaram. Êxodo 8:6-7. Eles foram capazes de imitar as rãs que Moisés e Arão fizeram. Versículos 16-17. Quando Deus através de Moisés fez surgir os piolhos do pó da terra, eles não foram capazes de imitar, e reconheceram que era a mão de Deus operando. Eles podem duplicar praticamente tudo com poder de uma fonte diferente, mas não podem desfazer um milagre divino.    
 
2 Timóteo 3:8, "E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé"; sinais e maravilhas, contrariamente a crença popular, mudaram poucos corações nos dias do ministério terreno de Jesus. Eles estavam indo atrás do que Jesus podia fazer por eles, ao invés de honrá-lo bem como aos seus ensinos. Eles estavam motivados apenas pelo seu egoísmo. 
 
Quem Jesus está alertando? A Igreja.
 
A ênfase por sinais e maravilhas no ministério de Jesus era para validar quem Ele era. Como Ele disse, se você não acredita em minhas palavras acredite em minhas obras. Isto foi para descrentes, não para crentes. João 4:48, "Se não virdes sinais e milagres, não crereis". Mais tarde Ele diz que uma geração adúltera que busca sinais e maravilhas. Esta é a geração de nossos dias que cometem infidelidade espiritual. Quando os discípulos voltaram de sua primeira missão e relataram a Jesus que tinham poder sobre os demônios, Jesus disse que eles não deveriam se regozijar na autoridade e poder, mas por seus nomes estarem escritos no livro da vida. Aqueles que se regozijam no poder hoje ignoram a simplicidade que está em Cristo.    
 
Aqueles que prometem rápida transformação não estão entregando a verdade. A obra do Espírito Santo é lenta e constante em nossa vida e se alguém promete rápidos resultados está oferecendo algo diferente do que Deus oferta (a nova era opera desse modo).
 
Verdadeiros sinais e milagres seguem aqueles cujo foco está na Palavra e na pessoa de Cristo, explicando ensinos fundamentais para ser o alimento espiritual daqueles que querem crescer e para aqueles que precisam entrar no rebanho. Se isto não for feito, Deus pode de fato honrar esses encontros com Seu poder para pessoas necessitadas. Os evangelistas de cura e milagres a maior parte do tempo não ensinam a Palavra porque – eles não estão ouvindo o Espírito Santo que aponta para a Palavra, eles olham para as experiências para validar que Deus está com eles. A experiência se torna a evidência de sentir a Deus.  
 
Não estamos a ter conferências de sinais e maravilhas com o palestrante ungido, que hoje está aqui, mas amanhã não (a maior parte das vezes com nosso dinheiro, que é um verdadeiro sinal e maravilha). 
Vemos o exemplo dos apóstolos de ministrar na vida das pessoas consistentemente estando presentes com eles.
Dizemos que fazer discípulos leva tempo, paciência e conhecer as pessoas. Esta é a obra que será recompensada. Não é dito que somos a peça central do poder de Deus para atrair aqueles em necessidade de cura física, estamos a oferecer cura espiritual.
 
Isaías 8:20, "À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles". A lei de Moisés, o testemunho dos profetas. Isto é que irá distinguir os crentes dos descrentes. Quem não leva em conta sua palavra se torna lei para si mesmo, se tornam sem lei. 
2 Timóteo 4:2-5, "Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas". ESSE TEMPO CHEGOU. ...Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.
 
Fábulas são todas as coisas que vão além do que está escrito, que não são a verdade.
 
É por isso que Paulo disse na I Coríntios 4:6, a "não ir além do que está escrito". Estes são alertas para nosso bem e proteção. Ignorá-los é suicídio espiritual.

Traduzido por Edimilson de Deus Teixeira
Fonte:  Let Us Reason Ministries

Discernimento Bíblico - www.discernimentobiblico.net